Puggina.org by Percival PugginaConservadores e Liberais

Um espaço destinado a formar e informar.
Aqui defendemos os valores tradicionais,
a liberdade, a democracia constitucional
e o regime de livre empresa.

Espaço de formação e
informação a serviço da
dignidade humana,
da liberdade, da democracia
e dos valores tradicionais.

O bom liberal sabe que
há princípios e valores que
se deve conservar.
O bom conservador
deve ser um defensor
das liberdades.

Foto: Nadia Raupp Meucci

OVERDOSE PODE MATAR

por Percival Puggina. Artigo publicado em 17.09.2014
   Numa parte do jornal, lê-se sobre delação premiada para esclarecimento dos escândalos da Petrobras. A "base" treme nas bases com as informações e com a divulgação de u ...

Cadastre-se e receba a Newsletter

Fique Sabendo

BRASIL CIA. LTDA.

 

 O grupo é numeroso, mas não chega a ser uma Sociedade Anônima. É uma dessas companhias que quando caem nas mãos da segunda geração não resistem aos desmandos e vão à breca. Assim é o cenário, hoje, de um país que parou enquanto os outros avançam. Assim é o cenário de um país em que a elite do Estado discursa sobre desigualdade, mas vive no fausto e ignora a miséria dos municípios, das escolinhas, dos postos de saúde. Brasil Cia. Ltda. deveria ser a placa à porta deste país cuja diretoria, se chefiasse realmente uma empresa respeitável, teria que ser exonerada uma vez por semana.

Zero Hora de hoje noticia o rombo de R$ 13 bilhões no Fundo de Amparo do Trabalhador, e avisa que esse estrago deve crescer 30% no ano que vem. Não há dinheiro que esse governo não dilapide, não há estrago contábil que não possa causar. Os rombos são criados quando se gasta mais do que se tem, ou quando se tira mais do que se põe. No caso do FAT, a vulnerabilidade aumenta, porque é um dinheiro do trabalhador, esse inocente, cujo "fundo de amparo" serve, entre outras coisas, para amparar os privilégios bancários que o BNDES concede aos amigos do peito.

Não bastasse isso, os números do seguro-desemprego mostram um aumento de 400% durante os últimos 10 anos, pulando de R$ 6,6 bi em 2003 para R$ 31,9 bi em 2013, impulsionado por uma rotatividade de 37% ao ano no conjunto da força de trabalho do país. Com a economia travada, a situação vai piorar. E o governo, que festejava como se fossem seus os números do emprego que crescia, vai responsabilizar as empresas pelo desemprego que já se evidencia.
 

Imagem Comentada

ILUDA-SE QUEM QUISER, MAS ESTE PAÍS JÁ TEM DONOS

 Vivemos sob o império da mentira, da mistificação e das versões que se opõem aos fatos. Com o que hoje se sabe sobre o submundo governamental e político destes últimos 12 anos pode-se afirmar, sem medo de errar, que se fosse Getúlio Vargas o presidente (e eu nunca fui getulista) ele se teria suicidado uma vez por semana.

 Em 2002, na eleição que deu origem ao ciclo de hegemonia petista, a atriz Regina Duarte declarou sentir medo do que estava por vir. Foi ridicularizada, ironizada, mas tinha razão. Ela tinha medo dos caminhos que o Brasil iria percorrer em sua inflexão para essa comunidade socialista, bolivariana, cocaleira e bananeira do Foro de São Paulo. Ela pressentiu que o Brasil iria aliar-se a ralé da política internacional e afastar-se das nações democráticas e desenvolvidas. Ela tinha medo de que o Brasil viesse a ter donos.

 Pois agora tem. O Brasil, agora, tem donos, como bem se sabe pelo noticiário de cada dia. Ontem, no Rio de Janeiro, num descarado ato em "defesa da Petrobras", promovido por um governo que se serviu da empresa como num banquete, o líder do MST João Pedro (quebra-quebra) Stédile disse que se Marina for eleita presidente haverá ali protestos diários. E concluiu: se Aécio vencer, será uma guerra. 
 

Vídeos Recentes

O escritor Marco Antônio Villa comenta a matéria que ilustra a capa da Veja desta semana: a enxurrada de acusações infundadas lançadas contra Marina Silva.

Discurso de abertura do XXº FSP, pelo vice-presidente da República Plurinacional da Bolívia (é isso mesmo, plurinacional, tanto quanto querem fazer conosco). É um roteiro completo de como levar um país ao totalitarismo comunista, sem rotatividade no poder e sem oposição.

Sobre o modo como os detentores de mandatos legislativos se protegem em suas cadeiras mediante leis que impedem a atuação dos outros pretendentes.

Hangout promovido por Vagapolis Polis com participação do prof. Hermes Nery e Percival Puggina.