Puggina.org by Percival PugginaConservadores e Liberais

Um espaço destinado a formar e informar.
Aqui defendemos os valores tradicionais,
a liberdade, a democracia constitucional
e o regime de livre empresa.

Espaço de formação e
informação a serviço da
dignidade humana,
da liberdade, da democracia
e dos valores tradicionais.

O bom liberal sabe que
há princípios e valores que
se deve conservar.
O bom conservador
deve ser um defensor
das liberdades.

Foto: Nadia Raupp Meucci

TIRAR WHATSAPP DO AR E QUEIMAR PNEUS NA ESTRADA. TUDO A VER.

por Percival Puggina. Artigo publicado em 03.05.2016
  Todas as organizações extremistas são, por natureza, totalitárias. Convencidas de estarem fazendo a coisa certa em vista da causa e de seus fins, reagem violentamente quando contrariadas ...

Cadastre-se e receba a Newsletter

Fique Sabendo

REPORTAGEM-BOMBA DE 'ISTOÉ' REVELA QUEM SÃO LULA, DILMA E O PT: OS SABOTADORES DO BRASIL.

 

(Publicado originalmente no Blog do Aluízio Amorim)

A reportagem-bomba da revista IstoÉ, que chega às bancas neste sábado faz uma radiografia do PT, o partido maldito que agora agoniza, estrebucha, enquanto Lula, com aquela voz esganiçada encarna o próprio belzebu a incitar a baderna e o quebra-quebra enquanto sua trupe trata de raspar o fundo dos cofres estatais já avariados seriamente pela gatunagem sem limites que fez retornar a inflação, o desemprego e a esperança de milhares de brasileiros.

Como aconteceu em todos os países onde imperam comunistas, nazistas e fascistas que são verso e anverso da mesma medalha, o epílogo desta história de horror eviscera a besta vermelha colocando à mostra aquilo que seitas totalitárias são capazes de fazer para se manter no poder.

A reportagem de IstoÉ também faz uma retrospectiva do modus operandido PT que desde os tempos em que surgiu em São Bernardo luta tenazmente contra o Brasil. Por isso vale a pena ler esta matéria. Principalmente quem caiu na conversa fiada de Lula e seus sequazes deve ler com atenção este texto. Verá também que uma das prioridades após o impeachment da Dilma é a proscrição do PT e seus satélites. Se o partido nazista é inaceitável por que razão se tolera que sejam legalizados partidos comunistas no Brasil?

A seguir a parte inicial da reportagem de IstoÉ com link ao final para leitura completa. Leiam:

O MONSTRO CHAMADO LULA
A tática é velha, surrada e remete a Roma antiga. Tal como o imperador Nero fez com a capital ocidental do Império, para depois atribuir a culpa aos cristãos, o PT pôs em marcha, nos últimos dias, o que internamente chamou de “política de terra arrasada”. Orientados pelo ex-presidente Lula, com o beneplácito da presidente Dilma Rousseff, e inflamado por movimentos bancados pelo governo, o partido resolveu tocar fogo no País – no sentido figurado e literal. A estratégia é tentar inviabilizar qualquer alternativa de poder que venha a emergir na sequência do, cada vez mais próximo, adeus a Dilma. A ordem é sabotar de todas as maneiras o sucessor da petista, o vice Michel Temer, apostando no quanto pior melhor. Mais uma vez, o PT joga contra os interesses do País. Não importa o colapso da economia, os 11 milhões de desempregados nem se a Saúde, a Educação e serviços essenciais à população, que paga impostos escorchantes, seguem deficientes. A luta que continua, companheiros, é do poder pelo poder. Como Nero fez com os cristãos, a intenção dos petistas é de que a culpa, em caso de eventual fracasso futuro, recaia sobre a gestão do atual ocupante do Palácio do Jaburu. Só assim, acreditam eles, haveria alguma chance de vitória quando o Senado julgar, em cerca de 180 dias, o afastamento definitivo de Dilma.

TÁTICA DE GUERRILHA
Coerente com essa tática de guerrilha, a determinação expressa no Planalto é a de deletar arquivos e sonegar informações sobre a administração e programas para, nas palavras de Lula, deixar Temer “à míngua” durante o processo de transição. “Salvem arquivos fora do computador e a apaguem o que tiver na máquina. Em breve, a pasta será ocupada por um inimigo”, disse um auxiliar palaciano à ministra da Agricultura, Kátia Abreu, fiel aliada de Dilma, na semana passada. Nada mais antidemocrático para um partido que, nos últimos dias, posou como o mais democrata dos democráticos, a bradar contra fantasmas golpistas, que só existem mesmo na narrativa petista. “Vamos infernizar o Temer. Agora é guerra”, conclamou Lula em reunião com Dilma na segunda-feira 25. No PT, tarefa dada é tarefa cumprida, principalmente quando o objetivo é o de promover arruaças e incendiar as ruas. Na quinta-feira 28, coube aos soldados de Lula a tarefa de começar a colocar o plano em prática. Em pelo menos nove estados, movimentos como o MST e o MTST que, ultimamente, só têm fôlego e alguma capilaridade pelo fato de serem aquinhoados pelas benesses oficiais, puseram fogo em pneus e paralisaram estradas e avenidas, causando transtornos à população. Além do bloqueio de rodovias, os manifestantes planejam invasões de terras e propriedades privadas, onde o apogeu será o 1º de maio.

NA CONTRAMÃO DA HISTÓRIA
Sempre que acuado, o PT recorre a esse lamentável expediente. É a exacerbação do “nós contra eles” que, embora seja frágil para tirar o lulopetismo das cordas, é eficiente para mobilizar sua militância. Não seria justo afirmar que o partido esteve sempre na contramão dos anseios e clamores da sociedade. Mas a retrospectiva mostra que em alguns momentos cruciais da história – sobretudo quando estiveram em baixa – os petistas não hesitaram em tomar posições polêmicas para alcançar os seus objetivos muitas vezes nada republicanos. Em setembro de 1992, ao defender o impeachment do presidente Fernando Collor, o então deputado federal José Dirceu falou do alto da tribuna que o PT apresentaria uma agenda de reformas políticas e econômicas para o Brasil. Foram palavras ao vento. O PT não só não embarcou na coalizão proposta por Itamar Franco, que assumira o lugar de Collor, como trabalhou incansavelmente, como faz agora, para inviabilizar o novo governo, desde pedidos de impeachment à ferrenha oposição feita contra o Plano Real, o pacote econômico de 1994 que proporcionou a estabilidade econômica do País e que, mais tarde, viria a beneficiar o próprio PT, ao criar o ambiente propício aos avanços sociais.

SABOTAGEM COMO MÉTODO
Em 1982, ano das primeiras eleições estaduais após o golpe de 1964, o partido atacou mais o candidato do PMDB, Franco Montoro, um dos expoentes do movimento das Diretas Já, do que o candidato apoiado por Paulo Maluf e pela ditadura militar. Em 1985, o PT se posicionou contra a eleição do mineiro Tancredo Neves para a Presidência, em eleição indireta na Câmara, orientando seus deputados a votar nulo. Quem descumpriu a determinação, foi expulso da legenda. O texto da Constituição de 1988 também foi rechaçado pelo PT por Lula, com bem lembrou a advogada Janaína Paschoal, uma das autoras do pedido de impeachment contra Dilma, em sessão no Senado semana passada. “Os brasileirinhos devem acreditar nesse livro sagrado”, disse ela visivelmente emocionada e com a Constituição erguida. “Esse é um documento que o PT não assinou”, rememorou ela. Como se vê, são fartos os episódios na história do partido que denunciam a postura do quanto pior melhor. Mais recentemente, a legenda se opôs à criação da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), norma aprovada em 2000 que obrigou governantes a gastarem só o que arrecadam. É uma legislação muito elogiada, que representou uma mudança de paradigma na administração pública. Não à toa, quinze anos depois de aprovada a LRF sem o endosso petista, a presidente Dilma foi condenada no TCU por contrariar a lei, ao incorrer nas pedaladas fiscais – ironicamente o principal mote do pedido de impeachment. Clique AQUI para ler a reportagem completa
 

Imagem Comentada

STF ABRE NOVO INQUÉRITO PARA INQUIRIR JUCÁ E RENAN EM FATOS LIGADOS À ZELOTES

Da Folha, em 30/04/2016

A ministra do STF (Supremo Tribunal Federal) Cármen Lúcia abriu inquérito para investigar a eventual participação do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e do senador Romero Jucá (PMDB-RR) no suposto esquema de compra de medidas provisórias que está na mira da Operação Zelotes.

O ex-servidor da Receita Federal João Gruginski contou à Polícia Federal, em dezembro, que participou de reunião na qual o lobista Alexandre Paes dos Santos, o APS, teria falado "abertamente" sobre o pagamento de propina a parlamentares, entre eles os dois parlamentares.

De acordo com Gruginski, APS disse-lhe que Jucá, Renan e o ex-senador Gim Argello, preso pela PF durante a Operação Lava Jato, pediram R$ 45 milhões de suborno para trabalharem pela aprovação de emenda de interesse do setor automotivo.

As informações prestadas pelo ex-funcionário da Receita deram origem ao pedido de instauração de inquérito no Supremo relativo aos peemedebistas. Por serem senadores, ambos têm foro privilegiado. A relatoria ficou a cargo da ministra Cármen Lúcia. A abertura da investigação no STF foi veiculada pelo "Globo" neste sábado (30).

Um manuscrito apreendido na casa de APS, que está preso em consequência dos fatos investigados na Zelotes, também reforça as suspeitas contra o trio. Na folha de papel, lê-se o número "45" e, ao lado, as seguintes anotações: "15 - GA"; "15 - RC"; e "15 - RJ". As referências aos nomes dos parlamentares foram reveladas pela Folha.

A Zelotes, cuja primeira fase foi deflagrada em março do ano passado, aponta para um dos maiores esquemas de sonegação fiscal já descobertos no país. Suspeita-se que quadrilhas atuavam junto ao Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais), órgão ligado ao Ministério da Fazenda, revertendo ou anulando multas.

Além dessas ilegalidades, a operação tem como foco suposto pagamento de propina para a compra de medidas provisórias que interessavam à indústria automotiva. Um a ação penal relacionada a esses casos está correndo na 10ª Vara Federal em Brasília.

OUTRO LADO
O senador Romero Jucá nega, por da assessoria de imprensa, que ele tenha recebido recursos pela apresentação de emendas a MPs. Jucá ressalta que a acusação, feita por causa de uma anotação de diário, já foi desqualificada pelo próprio APS.

O senador, assim como Renan Calheiros, que também respondeu por intermédio da assessoria de comunicação, lembraram que o lobista já afirmou que a anotação se referia a "boatos" que ele teria ouvido no mercado.

Renan acrescenta que sequer conhece o ex-servidor da Receita João Gruginski.

Quando procurado, antes de ser preso, em março, Gim Argello afirmou que a menção a seu nome é uma "ilação absurda" e que a "repudia veementemente". Em depoimento à PF, disse que propôs medidas que beneficiaram montadoras de Goiás visando benefícios indiretos a Brasília.
 

Vídeos Recentes

Na instalação da Comissão de Impeachment no Senado Federal, Magno Malta e proferiu um discurso fulminante. Desses que não admitem contestação, nem beicinho, nem mimimi.

Joice Hasselmann falou por mim nesta mensagem a Jandira Feghali.

Como o PT se autodestruiu quando poderia tentar salvar-se. 

Deputado Marcel Van Hattem responde com veemência e de modo irretorquível a uma provocação de colega petista.