Puggina.org by Percival PugginaConservadores e Liberais

Um espaço destinado a formar e informar.
Aqui defendemos os valores tradicionais,
a liberdade, a democracia constitucional
e o regime de livre empresa.

Espaço de formação e
informação a serviço da
dignidade humana,
da liberdade, da democracia
e dos valores tradicionais.

O bom liberal sabe que
há princípios e valores que
se deve conservar.
O bom conservador
deve ser um defensor
das liberdades.

Foto: Nadia Raupp Meucci

ALÔ, TSE! QUE DIABO DE ELEIÇÃO FOI ESSA?

por Percival Puggina. Artigo publicado em 30.10.2014
Escreverei sobre fato novo, valendo-me de notícias velhas. Não faz um ano, nem dois, nem três, que os meios de comunicação e as redes sociais vêm divulgando análises técnicas independentes, estudos ...

Cadastre-se e receba a Newsletter

Fique Sabendo

A HORA DOS ESQUELETOS - Uma avaliação da realidade do RS

Acabou o período ficcional de 2014. A criatividade, a fantasia, o maná que cairia sobre o deserto de ideias sai de cartaz e retornamos ao mundo real, onde não há mágicas nem bruxarias. Mas há esqueletos...
Nossas campanhas eleitorais para cargos executivos são assim: os que querem continuar no governo descrevem estupendas realizações que, ou não se veem, ou não são estupendas. Os que pretendem substituí-los tratam de mostrar que as coisas estão mal, mas se resolvem com robustas doses de um elixir chamado vontade política. Isso ocorre porque há pelo menos duas mensagens que o eleitor rejeitaria: a de que tudo está irremediavelmente mal e a de que a solução dos problemas exigirá sacrifícios. O eleitor não quer saber dessas coisas.
José Ivo Sartori navegou competentemente por tais águas. Transmitiu tranquilidade ao eleitor, sem, no entanto, deixar de mostrar que há dificuldades a serem enfrentadas. Venceu também por isso. A arrogância de Tarso Genro não lhe permitiu fazer qualquer concessão a quem expusesse problemas em sua gestão. Não, para Tarso, seu período de governo foi irretocável. Nada podia ter sido feito de outro jeito, nem melhor. O eleitor examinou a mercadoria e não comprou.
A eleição, porém, é apenas um episódio da política. É uma dessas estações multimodais com várias conexões. O Rio Grande do Sul decidiu mudar de trem, de direção, e vai em frente. Quando janeiro chegar, o governador eleito precisará fazer o que, por essas coisas da política e pelas idiossincrasias do eleitor, não se faz no período adequado da campanha eleitoral: abrir os armários em busca dos esqueletos. E são muitos.
A situação financeira do Rio Grande do Sul não permite que o Estado sequer minore seus males por conta própria. Esse é o maior esqueleto, ocupando a maior parte do armário. Haverá, portanto, inúmeras oportunidades para conhecermos a que e a quem servem nossos congressistas. Servem a si mesmos? Aos projetos políticos de seus partidos? Ao Rio Grande? As perguntas não são retóricas. Quem observa atentamente a política já presenciou inúmeros momentos em que bancadas gaúchas inteiras, atuando no Congresso Nacional, colocaram o interesse partidário acima do bem do Estado e de seus eleitores. O petismo é assim. Não disse José Dirceu, falando em Canoas (o vídeo está no YouTube), que o que importa é o partido e o projeto do partido?
Vejo tais condutas como moralmente injustificáveis, mas são fatos. Constrangedores fatos da nossa vida pública. Que eu espero não voltem a se repetir porque o Rio Grande do Sul precisa subir alguns degraus na qualidade do jogo político que aqui se desenrola.
 

Imagem Comentada

Fatos como este denunciado por Rodrigo Constantino são próprios de quem crê que tudo pode.

BANCO DO BRASIL VIROU BRAÇO PARTIDÁRIO DO PT E FAZ TERRORISMO ELEITORAL
Rodrigo Constantino

As denúncias não param de aumentar. O PSDB teve até de criar um canal específico para elas, pois o PT tem usado todo o aparato estatal para fazer campanha eleitoral, e com terrorismo ainda por cima. Isso não é democrático! Isso é crime!

A última que recebi foi de um leitor correntista do Banco do Brasil aguardando atendimento. Eis os panfletos que eram distribuídos na agência estatal e que circulam entre os funcionários:

Os petistas estão desesperados com o risco de derrota. Fazem terrorismo e cometem crime eleitoral na maior cara de pau. Aécio não quer privatizar o BB, e sim resgatá-lo das garras do PT. O partido transformou o banco público em uma filial partidária, o que é absurdo.

Os funcionários de carreira do Banco do Brasil são prejudicados por essa politicagem, pois além de conviverem com chefes incompetentes apontados apenas pela afiliação ao PT, correm o risco de perder o emprego amanhã, quando esse uso político causar enormes prejuízos ao banco.
 

Vídeos Recentes

Com adesivo da Dilma no peito.

Sempre se soube que o "empoderamento gay" era, também, uma questão de grana federal.

Uma substancial lista de motivos para não fazer bobagem no dia 26.

Silas Malafaia faz denúncias sobre a falta de critério e péssimas prioridades dos governos petistas.