Puggina.org by Percival PugginaConservadores e Liberais

JUVENTUDE EM CUBA: A GERAÇÃO SEM FUTURO

por Ana León e Augusto César San Martín, CubaNet. Artigo publicado em

 

HAVANA, Cuba.- Em meados de novembro, um artigo assinado pela Dra. Graziella Pogolotti intitulado "Como os jovens são hoje" foi publicado nos jornais oficiais Granma e Juventud Rebelde. A questão diz respeito a quase todos os cubanos, mas é impossível, como diz Pogolotti, estabelecer um molde ou conceito que se encaixe em toda a juventude. Por esta razão, CubaNet conversou com cidadãos de diferentes gerações, que deram suas opiniões sobre esse componente social que mudou drasticamente nos últimos anos.

Até recentemente, a falta de educação e as atitudes criminosas de adolescentes eram consideradas um problema endêmico em bairros marginais, com famílias disfuncionais e baixa renda. Hoje, a degradação se espalhou para áreas da capital tradicionalmente conhecidas como "de pessoas boas"; onde a mesma delinquência se manifesta, embora com maior sutileza e por trás das fachadas habilmente preparadas.

Os jovens hoje fazem parte da divisão social causada por uma crise econômica prolongada e o surgimento de novos padrões de vida que mudaram as prioridades, desejos e aspirações. Os tempos são diferentes e, apesar do fato de que o governo controla muitas liberdades individuais, não é tão fácil entrar, como dizem, "para o canal".

Se, como afirma Graziella Pogolotti, cada geração é portadora de uma marca de época, a juventude de hoje identifica os restos físicos, psicológicos e culturais do Período Especial; um momento em que os valores foram de repente interrompidos, e pensar em termos de uma nação não era mais importante.

Essa fraturada juventude teve que lidar com o início do declínio na educação escolar, um mal que piorou terrivelmente nos últimos quinze anos. Aqueles que não sofreram o impacto direto da crise foram afetados por suas conseqüências na esfera social.

Atualmente, em Cuba, ocorre uma estratificação em que são apreciadas as nuances; mas destaca a polarização extrema entre jovens que têm acesso a um grau de bem-estar muito maior e aqueles que "lutam" para sobreviver, tentando não deixar sua humanidade para trás.

Quando os jovens falam sobre si mesmos, eles não vão além da descrição epidérmica. Eles aspiram a ser "grandes" desde o banco de um parque, ancorados ao Wi-Fi (foto). Tal atitude é compreensível se você sabe que, para eles, ser excelente é equivalente a ter dinheiro e bens materiais, um objetivo que em Cuba não passa, necessariamente pela dedicação ao trabalho.

Os novos impedimentos à emigração, em vez de levá-los a considerar uma alternativa interna, parece havê-los mergulhado em um conformismo passivo, onde a palavra "futuro" está inextricavelmente ligada ao propósito abstrato de esperar que a oportunidade ideal se apresente. Poucos estão conscientes do que significa ser jovem em um país econômico e politicamente atrofiado; ou ser parte de uma sociedade envelhecida que os faz, a partir de agora, potenciais cuidadores.

As pessoas mais velhas não as criticam; eles apenas os observam com preocupação porque sabem que a continuidade não é garantida. Existe uma falta de senso de pertença e compromisso. A preparação técnica e profissional não corresponde às demandas dos tempos atuais e a frequência na escola não é garantia de que eles estão aprendendo o que é necessário para assumir o futuro da nação.

O discurso oficial não faz diferença nas novas gerações, embora marchas e desfiles lúgubres pretendam demonstrar o contrário. Todo mundo faz o jogo para poder evitar problemas. Os jovens gritam "Eu sou Fidel" e exaltam o socialismo até a náusea, enquanto, subrepticiamente, se dedicam a todos os tipos de ilegalidades para avançar, ou vivem graças ao dinheiro de um parente emigrado.

O exercício da mentira desde uma idade adiantada provoca um vício perigoso, o que torna ridículos os seus praticantes e o sistema político cubano. O fato de as eleições municipais terem ocorrido em 26 de novembro e vários adolescentes declararem ter votado em Fidel Castro, reflete um estado mental tão alienado que pode ser atribuído ao uso de substâncias psicotrópicas. Em Cuba, como em qualquer lugar, criminosos, hipócritas, fanáticos e dependentes de auxílio alheio, prejudicam qualquer projeto de uma nação que tenha como objetivo o desenvolvimento com base no esforço conjunto de seus cidadãos.

Bom e ruim, há em todos os lugares. Se Cuba pudesse se vangloriar de uma juventude abundante e empreendedora, os adolescentes mal intencionados só seriam "erros de um sistema aperfeiçoável". Mas no país mais idoso da América, com uma taxa de natalidade que tende a diminuir, cada jovem deveria ser um tesouro.

É verdade que há jovens promissores, empenhados na tarefa de empreender e superar-se; jovens ansiosos por uma Cuba de onde não se necessite sair fugindo da falta de oportunidades. Desgraçadamente, a virtude, quando não opera pelo bem comum é como se não existisse.

* Publicado originalmente em CubaNet.org

Compartilhar

Artigos