Puggina.org by Percival PugginaConservadores e Liberais

Artigos de outros autores

Voltar para listagem

LONDRES DE CHURCHILL

por Felipe Daiello. Artigo publicado em



          Desde a invasão romana, a antiga "Londonium", com sua ponte cruzando o rio Tamisa, será desafio e farol para o mundo. Uma ilha isolada, invadida por muitos povos, a Grã-Bretanha agrega experiência e cultura que se traduzem na atual City da Big Eye e nos novos herdeiros para o trono real, onde a Rainha Elisabeth quebra recordes de longevidade. Muitas decisões para o mundo passaram por essa cidade: Henrique VIII, Izabel a invicta, Shakespeare, Jorge I, o rei alemão, a Rainha Vitória e a consolidação do Império Britânico, a conquista da Índia, Nelson e Waterloo; as guerras mundiais, Tatcher, a dama de ferro, a Rainha Elisabeth II, a Princesa Diane, os escândalos reais e principalmente Winston Churchill, o mais importante dos líderes políticos do século XX.
Circular pelos Museus, pelos monumentos, pelos castelos e igrejas é reviver o passado. Quanta história para contar ou mesmo criar. Enredos surgem a cada esquina, em todos os pubs e mesmo circulando pelos mercados tradicionais.

Churchill, o estadista que se preparou por décadas, era o líder necessário quando Hitler resolveu alterar as fronteiras da Europa, usando as suas "Panzers" como embaixadoras. Ao receber como gesto de respeito uma chávena de chá, durante visita as tropas aliadas na África, exclamou:
"Isso é bebida para minha esposa, dê-me uma brandy".

Sempre alegre, charuto a posto, corpulento, discurso fácil e envolvente, adorava refeições completas; seguia os ritos gastronômicos apreciados pelos nobres. Mesmo nos períodos de guerra, não perdia o vinho clarete, o "Champagne" e o vinho do porto como acompanhantes de todas as refeições. Nunca perdia o apetite. Se houver tempo, visite os seus escritórios subterrâneos, de onde comandava a reação e a vitória final das forças inglesas e aliadas contra as tropas do Eixo Maligno.

"Apenas prometo sangue, suor e lágrimas até o esforço final da nossa vitória".

Churchill foi o único político a prever o perigo da ascensão de Adolf Hitler; era contrário à filosofia de ceder às pressões nazistas para manter uma paz precária. Lutou pelo rearmamento e pelo fortalecimento do exército britânico contra tudo e contra todos.

"O sucesso é ir de fracasso em fracasso sem perder o entusiasmo".

O Duque de Malborough, pois Winston nasceu em família de nobres; participara da Guerra dos Boeres, na África do Sul, como jornalista, onde restou prisioneiro.

Na Primeira Guerra Mundial, como Lorde do Almirantado, foi responsável pelo desastre de Galápoli, nos Dardanelos, na Turquia. Momento em que aparece um novo líder turco: Kemal Ataturk, o grande reformador, a pessoa que acaba com o Califado Otomano.

- Não adianta dizer: "Estamos fazendo o que melhor podemos, temos que conseguir o que seja necessário." -Era que afirmava como lema.
Como político, estadista, escritor e artista, recebe o Prêmio Nobel de Literatura em 1953. Suas memórias são obras para ler e reler. Leva tempo.
"Todas as grandes coisas são simples. Muitas podem-se expressar em uma só palavra: liberdade; justiça; honra; dever; piedade; esperança. "

Está pronto para substituir Neville Chamberlain, quando a política do pacifismo a qualquer preço não impediu a Invasão da Polônia pelas tropas nazistas.
"A política é quase tão excitante como a guerra e não menos perigosa. Na guerra só podemos morrer uma vez, mas na política, diversas vezes. "
Após a derrota nazista, foi um dos primeiros a desvendar o perigo da política comunista e o surgimento da Cortina de Ferro. Já previa futuros conflitos mundiais.
"Um comunista é como um crocodilo: quando abre a boca você não sabe se está sorrindo ou preparando-se para te devorar. "
Nos seus discursos era claro e direto.

"O socialismo tem por virtude a divisão igualitária da miséria ". "O comunismo é a filosofia do fracasso, o credo da ignorância e o evangelho da inveja. Sua virtude inerente é a distribuição equitativa da miséria. " - Winston Churchill

Questionado por lider trabalhista,inimigo ferrenho na política , a razão pela qual o Primeiro Ministro ao entrar nos sanitários , ao vê-lo , saia correndo , replicou :
" Vocês, socialistas, sempre que enxergam algo grande e que funciona bem, vão logo metendo a mão. "

Derrotado na eleição de 1945, nunca poupou os líderes trabalhistas que deram força excessiva aos sindicatos.

Mas será reeleito mais tarde.
Mais tarde, a ministra Margarete Tatcher, repetindo as palavras de Churchill afirma:

- O socialismo funciona bem até terminar com os recursos e o dinheiro da parcela da população que trabalha, poupa e investe. Todos os que levantam sua voz contra os desmandos dos sindicatos e dos líderes comunistas, são desqualificados, considerados malditos e punidos. Os rótulos ideológicos e os chavões estão prontos.: - Inimigos do povo, reacionários, sanguessugas, burgueses opressores, fascistas, elite que despreza os trabalhadores - outros sinônimos e lemas continuam o seu espetáculo até os dias de hoje. Esquecem que Governo não cria riqueza, ao contrário, subsiste pelos impostos pagos, pelos lucros obtidos pelo trabalho, pelo estudo e pelo desenvolvimento pessoal de cada um, de cada cidadão. O trabalhador é o elo fraco nesse sistema.

Sir Winston Churchill, a falecer em 1965, teve homenagem digna de reis. Audiovisual é apresentado no memorial localizado junto às instalações subterrâneas do seu bunker em Londres. Deixou lições para futuros políticos e estadistas.

"O pessimista vê dificuldade em cada oportunidade; o otimista vê uma oportunidade em cada dificuldade. A maior lição de vida é admitir até as vezes em que tolos têm razão."

"Uma mentira dá uma volta inteira ao mundo, antes mesmo da verdade ter oportunidade de se vestir."

Após exéquias na Catedral de São Paulo e do cortejo naval pelo rio Tamisa, espetáculo para não esquecer, foi enterrado junto a St. Martin´s Church, em Blandon, Oxfordshire. Seu túmulo, mármore branco, recorda o inglês que não abandonou o seu país na hora da dificuldade. Pela amizade com o Presidente Roosevelt, pela ligação de aliado com os Estados Unidos, durante a Segunda Guerra Mundial, recebe o título de Americano Honorário. Sua estátua, junto ao Parlamento, erigida em 1955, mostra o herói em atitude típica, com sua bengala e casacão pesado. Ela marca sua presença eterna na Londres moderna dos nossos dias. Merecida homenagem.

• Publicado originalmente em www.daiello.com.br
  

Compartilhar

Artigos de outros autores