Puggina.org by Percival PugginaConservadores e Liberais

Artigos de outros autores

Voltar para listagem

MARX E O INÍCIO DA INDUSTRIALIZAÇÃO

por Stephen Kanitz. Artigo publicado em

 

23/11/2019


Marx não foi um gênio, foi um filósofo medíocre, queria ser professor de Filosofia, mas nunca foi convidado.

Foi um jornalista também medíocre, óbvio, sequer estudou jornalismo e quebrou vários jornais que criou.

Escreveu um livro que nem o título acertou.

Deveria ter sido "O Ativo Produtivo" e nao "O Capital".

Meios de produção são Ativos e não um Passivo aos acionistas.

Nunca passou pela cabeça de nenhum Marxista, por que aparece "Capital Social" nos demonstrativos capitalistas, que a maioria nem sabe ler.

É Social porque o Capital Social, uma vez investido na empresa, não mais pertence aos acionistas e sim à Sociedade Limitada ou Anônima.

Capital Social(ista) sim, a grana somente retorna se a empresa encerrar. Se quebrar, os acionistas dançam.

E por 200 anos ninguém sequer ficou curioso com essa "contradição do Capitalismo"?

"O Ativo Produtivo" foi um livro de mentiras e erros metodológicos, mas que caiu como uma luva para a Quarta Classe.

O livro só ficou popular porque Marx dizia justamente o que a Quarta Classe queria ouvir.

Uma justificativa para tirar recursos financeiros dos mais produtivos para os mais espertos, eles, usando a violência revolucionária.

Isso é muito comum na história dos livros famosos.

Não são obras primas da ciência ou do processo analítico.

São simplesmente "narrativas" inventadas que agradam o público leitor.

A industrialização trouxe de fato uma série de mudanças de hábitos impopulares, que nem todos aceitavam.

Primeiro a pontualidade, que antes nunca existiu.

Antes, todos trabalhavam nos seus teares em casa, na hora em que bem entendessem.

Uma fábrica inglesa só começava se 95% dos trabalhadores chegassem no mesmo horário, daí a pontualidade britânica.

Mas daí, atacar e querer destruir o sistema, esquecer o que realmente aumenta a produtividade são os ativos, os meios de produção, que pertencem a todos enquanto empresa e não aos acionistas?

Nossos intelectuais são muito ignorantes sobre como as empresas funcionam.

Antigamente os trabalhadores acordavam a hora que queriam, o dono idem.

Começavam a fazer artesanato a hora que queriam.

Podiam brincar com os filhos, cortar uma linguiça, ir para o banheiro quando precisassem, era outra vida.

A cooperação humana se chama cooperação humana por uma razão.

Só assim aumentamos a produtividade e tiramos bilhões da pobreza.

As crianças que Karl Marx demoniza, eram órfãos que morriam aos 18 anos limpando chaminés. Agora tinham trabalho salubre, que simplesmente exigia enrolar com o dedo dois fios quebrados.

Mães solteiras eram condenadas à prostituição, mas com a mecanização, que não exigia força bruta, substituíram os homens, um insulto na época.

Marx jamais conduziu uma pesquisa, entre jovens de 16 anos e mães solteiras de 18 anos, se estavam mais felizes.

Só ouviu aqueles que eram contra a cooperação humana, pontualidade britânica, e emprego de mulheres e jovens de 16 anos chamados de "crianças".

 

*Publicado originalmente em https://blog.kanitz.com.br/industrializacao/

 

Compartilhar

Artigos de outros autores