Puggina.org by Percival PugginaConservadores e Liberais

Artigos de outros autores

Voltar para listagem

QUANDO PRA BAIXO NEM OS SANTOS AJUDAM

por Prof. Ubiratan Jorge Iorio. Artigo publicado em

 

Há mais de três décadas os economistas de boa formação vêm alertando para a necessidade de uma faxina no setor público, para reformas estruturais com vistas a diminuir gastos da União, estados e municípios. Por volta dos anos 80 eles eram poucos, lembrando São João Batista pregando em um deserto de ideias e eram tachados de radicais, conservadores, antiprogressistas, elitistas e outros adjetivos do gênero. Depois, seu número foi aumentando lentamente, até que hoje - em parte, infelizmente, devido aos estragos provocados pelo lockdown, que esbugalharam o estado lamentável das contas do governo federal e dos entes federativos -, essa necessidade é consensual na profissão e só aqueles economistas com parafusos frouxos em suas cabeças, os ultraprogressistas, ainda têm o desplante, ou melhor, a cara de pau de negar a urgência de mexer nas estruturas obscuras do Leviatã.

No entanto, apesar dessa necessidade ser tão óbvia e não obstante a vitória nas urnas, em nível federal, de um programa marcantemente liberal, que enfatizava a importância das reformas, decorrida quase a metade do mandato presidencial e com o mesmo ministro da Economia, os progressos obtidos foram tímidos, aliás, bastante tímidos, em relação ao que se esperava, tanto por parte dos eleitores, como por parte da equipe econômica e do próprio presidente: é verdade que a “lei da liberdade econômica” foi uma realização positiva, mas os cortes de despesas públicas continuam resistindo com valentia, poucas empresas estatais foram privatizadas, a reforma da previdência que os políticos deixaram vingar foi bem acanhada, a tributária jogada para frente, a administrativa empacada, etc.

Por que tantas dificuldades para fazer o que é um consenso, por que essa incrível rebeldia ao que é gritante? Há vários motivos para essa resistência à faxina no setor público, mas desejo apontar para três, que suponho sejam os mais importantes.

A primeira dificuldade é o velho patrimonialismo, essa praga enraizada em nossa cultura, que consiste na criminosa e deliberada ausência de distinções entre os limites do público e do privado, em que políticos e outros grupos de interesses sentem-se donos de toda a sociedade e, portanto, dos orçamentos dos três poderes em todos os níveis de governo. O patrimonialismo é um devorador contumaz de orçamentos, um acinte a quem é obrigado a pagar tributos para sustentá-lo e o fato é que sem mudanças culturais profundas, continua e vai continuar reinando na terra de Santa Cruz.

O segundo motivo é contábil, aritmético: cerca de 95% das despesas da União são obrigatórias, o que impõe ao governo federal uma margem de menos de 5% para gastar conforme suas prioridades. O orçamento federal brasileiro talvez seja o mais engessado do mundo e os dos 27 estados e 5.578 executam a mesma música. Trata-se de um processo de engessamento deletério e intenso, que a Constituição 1988 vem agravando com a multiplicação de despesas obrigatórias, de transferências constitucionais, de regras de indexação de despesas, de obrigatoriedade de aplicação mínima de recursos em alguns setores e de criação de receitas vinculadas a determinados gastos, o que, além de limitar as ações dos executivos, impede a realocação de recursos para cumprimento de metas fiscais. Nesse verdadeiro furor “orçamentívoro”, enquanto os gastos obrigatórios – que incluem Previdência, educação, saúde e folha de pagamento – apresentam aumentos contínuos, os ditos discricionários, aqueles de livre escolha, esmirram a olhos vistos. Só para termos uma ideia, apenas as despesas de custeio para manter o funcionamento da máquina pública correspondem a mais da metade da margem fiscal e não é preciso enfatizar como é difícil cortar sistemática e sucessivamente gastos com salários, energia elétrica, segurança e limpeza.

Por fim, a terceira dificuldade para as reformas é de natureza ideológica, porque aqui em Santa Cruz ainda existe uma seita de fanáticos adoradores do estado onipotente e interventor, que lhe prestam culto em um misto de doutrinação gramsciana, de ignorância, de ingenuidade e, principalmente, de interesses políticos e corporativos. E quem se atreve, por exemplo, a cortar os inúmeros privilégios contemplados aos funcionários do Judiciário e do Congresso? A influência ideológica desse terceiro óbice é muito forte na mídia, nas escolas e universidades e nos meios ditos culturais.

Costuma-se dizer, ao se descer uma ladeira, que “para baixo todos os santos ajudam”. No entanto, quando se trata de cortar gastos públicos, de empurrá-los para baixo, os santos, talvez diante de tantos pecados de que tomam conhecimento, sabiamente recusam-se a ajudar e se afastam envergonhados. Estamos ao deus-dará. Em linguagem de economistas, os gastos públicos são inelásticos para baixo: qualquer que seja a intenção de presidentes, governadores e prefeitos de cortá-los, eles permanecem firmes e fortes. A conta? Ora, você, eu, nós, estamos aí mesmo para pagar.

 *     O autor é doutor em Economia pela FGV
**   Artigo do Mês - Ano XIX– Nº 222 – Outubro de 2020
*** Publicado originalmente em https://www.ubirataniorio.org/index.php/artigo-do-mes/409-out-2020-quando-pra-baixo-nem-os-santos-ajudam

 

 

Compartilhar

Artigos de outros autores