Puggina.org by Percival PugginaConservadores e Liberais

Artigos de outros autores

Voltar para listagem

SEPARATISMO, A MULTIETNIA BRASILEIRA PRECISA SE IMPOR ÀS GOVERNANÇAS

por Paulo Ricardo da Rocha Paiva. Artigo publicado em

Sou de um tempo em que a multietnia da nacionalidade brasileira era cantada e decantada em prosa e verso. Não, não vou negar o preconceito enrustido de muita gente ainda hoje em nossa sociedade, uma chaga que precisamos fazer fenecer a todo custo, sobretudo em nome da justiça. Mas me lembro também que, ainda na "escola pública", aquela da camisa branca que no bolso trazia a sigla "EP", tive lições que me marcaram, dadas por professoras inesquecíveis, que sempre exaltavam o negro e também o índio pela participação permanente, inolvidável e marcante que sempre tiveram na História do Brasil.

Cidadãos brasileiros de herança africana, que hoje são chamados estranhamente, de forma insidiosa e segregacionista, de "afro brasileiros", os tive em grande número no trato diário, depois no "CMRJ" e mais tarde na "AMAN", nossa Academia Militar onde convivi com muitos "soldados Henriques", da etnia do bravo Henrique Dias, uma das integrantes do caldeamento de raças que forjou o nosso Exército de Caxias, irmãos em armas que trago no peito ainda hoje com muito orgulho e sincera amizade, tão ou muito mais habilitados do que eu. Em verdade, tive berço verde oliva e vivi em ambientes avessos a qualquer tipo de discriminação, seja racial, seja social, e agradeço a Deus por isso.

Mas os dias estão mudados. o porvir de absoluta igualdade racial, que fatalmente seria alcançado no País com o passar do tempo, fruto da própria evolução do aperfeiçoamento humano pela educação/instrução, está sendo inviabilizado por um ambiente urdido de revolta, de ódio, segregacionista e na contramão do entendimento. Um projeto ideológico odiento, mascarado pela fachada de busca por "direitos humanos", estes desvirtuados na sua essência mais pura, desígnio perseguido por maus brasileiros na esteira de uma desintegração nacional de caráter social e territorial.

Ressalta o fato da substituição dos antigos heróis unidos na luta contra o invasor francês e holandês. Araribóia, Henrique Dias, Felipe Camarão. Estes não são mais os personagens lembrados pelo que representaram para a forja de um povo auriverde orgulhoso. Atualmente os homenageados são os "ZUMBIS" e os "CUNHAMBEBES" da vida! Que não se pense que esqueci dos brancos "ignorantes", aqueles que apregoam que "o Sul é o meu país". Todavia, que se diga, a maioria esmagadora dos gaúchos, herdeiros dos heróis que alargaram nossas fronteiras a ponta de lança, não comungam com este desvario desagregador e impatriótico.

Que não se duvide, falo de "reservas" e de "quilombos". nada contra! Mas não da forma como estão sendo reconhecidos, sem nenhum critério, de forma selvagem, concessões desmesuradas suscitando o reconhecimento de "nações indígenas" situadas no arco fronteiriço, de cantões afro-brasileiros encravados nos sertões interioranos, todos territórios com restrições à circulação livre pelos demais brasileiros, todas estas áreas na mira dos interesses alienígenas de "ONGS" internacionais, muitas subsidiadas por grandes e notórios "predadores militares". Afinal de contas! que País é este? Reza o nosso hino: -" Se o penhor dessa igualdade, conseguimos conseguir com braço forte!" Que igualdade é esta que nos impede a livre circulação em território que pertence a todos nós? Seria o caso então de se proibirem os não brancos de trânsito livre nas cidades, que são de todos! Que inolvidável absurdo! Simplesmente incrível, fantástico, extraordinário!

Em verdade, governanças inconsequentes sucessivas, ideológicas e incompetentes estão a se somar, já faz tempo, a uma politicalha corrupta, que abandona "ao Deus dará" as ameaças ao nosso território. Urge, por isso mesmo, que se faça sentir a ação de comando redentora das FFAA. A responsabilidade pela neutralização dessa grave e deletéria pressão dominante já ultrapassou de muito a competência de alguns governos descomprometidos. Mandatos que se sucederam: o de Fernando Collor de Melo (padrinho de reserva YANOMAMY), o de Lula da Silva (padrinho da reserva Raposa Serra do Sol) e o de Dilma Roussef, todos estes que perpetuaram, até os dias de hoje, uma política indigenista totalmente equivocada, com reflexos negativos nos três poderes da República, instituições reféns e absolutamente dominadas por "forças ocultas" inconfessáveis que só contribuíram para a situação periclitante que vivemos na atualidade.

Mas esta "farra do boi" já foi longe demais! Não se pode invocar a "disciplina militar prestante de Camões" quando a "integridade territorial conquistada por Caxias" está ameaçada! Com perdão do cidadão patriota e honesto, que assiste a esse descalabro, mas o País não pode ficar à mercê de uma dúzia de políticos ou de uma mídia perniciosa que não está nem aí para o que vai sobrar para nossos filhos e netos! Com todas as honras e sinais de respeito, oficiais-generais são promovidos não apenas para observar a disciplina do poeta lusitano. Suas "quatro estrelas" lhes foram concedidas para missão muito mais sagrada, de valor transcendental, qual seja a de salvar a Pátria quando ela está em perigo. Não, não me refiro às intervenções militares intempestivas. Maus brasileiros como da politicalha ou do bando togado? Ora, ora, desejamos mais que se explodam, junto com alguns descompromissados da governança! Sim, sim, me reporto ao que continua acontecendo em termos de infortúnio para o porvir multiétnico da nacionalidade brasileira! O separatismo que, na sombra de uma crise política e econômica diuturna, permanece vicejando sem freio!


 *O autor é Coronel de Infantaria e Estado-Maior

** Artigo publicado originalmente no "Jornal Diário de Petrópolis/RJ"

Compartilhar

Artigos de outros autores