Puggina.org by Percival PugginaConservadores e Liberais

O ABOMINÁVEL CUSTO ANISTIA

por Gilberto Simões Pires. Artigo publicado em

 

PAÍS DOS ABSURDOS
Aproveitando este grande momento em que a maioria dos brasileiros cultiva a grande esperança de que ao eleger Jair Bolsonaro o Brasil deve se tornar um país mais justo e decente, o que mais espero é que haja um efetivo desmonte de todos os privilégios que além de nojentos fazem de alguns brasileiros MAIS IGUAIS DO QUE OUTROS.


BOLSA DITADURA
Um desses nojentos e absurdos privilégios é o tal de BOLSA DITADURA. Por incrível que possa parecer para milhões de brasileiros -pagadores de impostos- o Brasil tem em torno de 20 MIL ANISTIADOS que recebem um benefício, que nada tem de justo, conhecido como BOLSA DITADURA(?).

Entre esses privilegiados que recebem o maldito benefício estão, por exemplo: FHC, Chico Buarque, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Marieta Severo, etc., junto com alguns criminosos, como é o caso de Lula, Dilma, Zé Dirceu, José Genuíno, etc...

ISENÇAO DE IMPOSTO DE RENDA
Se o caro leitor achou isto nojento é porque não viu tudo. Talvez muita gente não saiba é que os benefícios concedidos como -BOLSA DITADURA (?)- são simplesmente isentos de pagamento do Imposto de Renda. Pode?

TETO CONSTITUCIONAL
Mais: desses perto de 20 mil, a metade (em torno de 10 mil) das indenizações pagas, mensalmente, estão acima do -teto constitucional-, cujo valor estabelecido, por lei jamais cumprido, é de R$ 33.763,00. Ques tal?

EX-PRESIDENTES
Pois, para piorar ainda mais a vida dos desgraçados -pagadores de impostos-, os bárbaros -Lula, Dilma e Fernando Henrique- ainda são agraciados com a aposentadoria conferida a ex-presidentes, o que lhes garante mais R$ 30.471,00 mensais.

TODOS ESQUERDOPATAS
Essa turma pesada de maus brasileiros, que além de injustos sao, todos, esquerdopatas, falam, e muito, em direitos iguais para todos. No entanto, o que mais fazem é subtrair dos cofres públicos algo como R$ 365 milhões todo o santo mês. Por ano, o saque fica em torno de R$ 4,38 bilhões. Que tal?

 

Compartilhar

Artigos