Puggina.org by Percival PugginaConservadores e Liberais

Artigos do Puggina

Voltar para listagem

A CULTURA É UM CAMPO DE BATALHA

por Percival Puggina. Artigo publicado em

 

 Quatro décadas de hegemonia cultural ao longo do século passado (período que inclui intensa atividade com viés político durante os governos militares) conferiram à esquerda brasileira uma estatura superior à que corresponde às ideias em que se abastece. No campo cultural, a esquerda vencia por walkover (ou por WO). O PT, por exemplo, discutia consigo mesmo, como bem comprovavam suas muitas correntes internas. Foram longos anos dedicados à construção de narrativas, ao controle das cabeças de ponte por onde avançavam os companheiros e à propaganda que viabilizava mais e mais terreno para suas batalhas.

 Foi exatamente quando, com Lula e Dilma, os frutos do poder caíram nas mãos do partido que a Terceira Lei de Newton se fez sentir. O esquerdismo saturava as opiniões nacionais (ação) forçando a direita a sacudir a letargia que a acompanhava desde os governos militares (reação). Muito habilmente, de modo sistemático, a esquerda brasileira operava um discurso cujo único intuito era provocar constrangimento em quem não fosse de esquerda.

O leitor destas linhas, se jovem, deve estar se perguntando se leu certo e se isso funcionava. Leu sim, meu amigo. E funcionava. Não éramos muitos, aqui no Rio Grande do Sul, no ambiente cultural e político, os que não caímos nessa velhacaria.

O upgrade intelectual e cultural da direita foi acontecendo gradualmente enquanto o governo petista mostrava a que vinha e contava com intenso ativismo no ambiente cultural. Não se trata de querer uma plêiade de artistas politicamente neutros. Isso não existe, mas a sociedade percebeu que foram longe demais, que serviam a uma causa, que havia uma irrigação financeira descabida e o tema virou conteúdo durante a campanha eleitoral de 2018. Era de se esperar; artistas são assunto.

A cultura persiste como território do partido e palco de guerra. Vale observar que nos últimos anos, enquanto militantes saltavam do barco esquerdista em todos os portos, os da cultura permaneceram firmes, a postos. Há ali um ativismo cevado, em muitos casos bem remunerado, que se crê titular de direitos irrefutáveis. No entanto, o trabalho feito pela esquerda ao longo das décadas não gera direitos eternos. Não lhe concede o poder de vencer sempre por WO.

Não há por que esperar do governo Bolsonaro que reproduza os critérios e conceitos da esquerda e a mantenha em suas posições de mando. Houvesse a esquerda promovido conciliação ao longo dos muitos anos anteriores, seria viável, hoje, propor isso e declarar extinta a guerra cultural. Mas agora é tarde. A esquerda quer receber o que não deu.

 

_______________________________
* Percival Puggina (75), membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e titular do site www.puggina.org, colunista de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A Tomada do Brasil. Integrante do grupo Pensar+.

 

Compartilhar

Comentários

ELIZABETH DO NASCIMENTO GRAVINA JOB .

Vida longa a brasileiros que , como você, luta de forma corajosa contra essa situação que se arrasta há décadas. Sou professora e vivo a realidade da doutrinação marxista. Paz e Bem.

Dalton Catunda Rocha .

Sobre este assunto, que veja por exemplo, este vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=4WxLd1Kt89Y&t=155s

Geraldo Machado .

Brilhante como sempre , excelente texto para ser enviado a S. Exa. Regina Duarte.

Luiz R. Vilela .

Há muito que pergunto a mim mesmo, se novela de televisão, musica sertaneja, esportes que usam e abusam dos animais e tantas outras práticas, seriam "cultura"? A "cultura" no Brasil, seriam estes modismos, quase sempre bem remunerados e passageiros? As "celebridades" televisivas seriam os expoentes culturais do pais? E também a elite intelectual, ou é o próprio povo, que na sua "pobreza" cultural, passa dar valor a coisas completamente vulgares, que não tem valor algum como atividades de entretenimento e muito menos de cultura? A esquerda, aposta na ignorância, até porque é a praia deles, pensar que atores de novelas televisivas, só porque aparecem nas televisões do pais inteiro, possam ser referências como formadores de opinião ou que tenham dotação intelectual acima da média? É triste ver que esta cultura caolha, se inseriu na guerra ideológica, não porque quer tornar o povo mais sábio e culto, mas porque deseja é "faturar" horrores, vendendo o seu prestígio, aos poderosos de plantão, que compram o prestígio alheio, para ter ganhos políticos. A esquerda política e essa pseudo intelectualidade cultural, formada pela classe artística de baixíssima qualidade brasileira, se igualam e se merecem, pois ambos se valem da própria ignorância, para ter lucros. Aqueles que dizem que levam "cultura" ao brasileiros, na verdade acham que o governo deve apenas lhes dar dinheiro para que promovam de livre arbítrio, toda sorte de "porcarias"para justificar o que recebem. A cultura no Brasil, anda de mal a pior, pois agora mesmo, acabaram de defenestrar um "nazista" do meio. Já não falta mais nada.
1/1
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Artigos do Puggina