Puggina.org by Percival PugginaConservadores e Liberais

Artigos do Puggina

Voltar para listagem

CARTA A UM JOVEM FÃ DE CHE GUEVARA

por Percival Puggina. Artigo publicado em

 

 O moço manifestara dissabor com meu artigo "O vampiro argentino". Bem educado, em texto correto e movido por evidente boa intenção, ele se desgostou quando me referi ao fato de "jovens que não sabem apontar com o nariz para que lado fica a Bolívia e que não conseguiriam escrever meia página sobre os episódios de Cuba andarem pelas ruas ostentando camisetas com a estampa do Che". O meu leitor sabia as duas coisas e se magoou. Nas correspondências que trocamos, pedi a ele que em vez de apontar a Bolívia, me indicasse suas razões para reverenciar a memória do argentino. Respondeu-me que seu herói "renunciou às comodidades de que desfrutava como médico, buscou viver e alcançar seus ideais, lutou e deu a própria vida pelas suas convicções". E acrescentou que se havia algo que ele prezava e respeitava era "a coragem e a iniciativa de uma pessoa".

 Imagino que esse leitor não seja o único que firma sua admiração a Che Guevara nas mesmas bases. Transcrevo aqui minha resposta na esperança de que sirva para outros em idêntica situação.

***

Caro jovem: as razões que apontas estão muito mais no plano da reverência a certos sentimentos do que em fatos que os expressem de modo louvável. Valorizaste a coragem, os ideais, a renúncia aos confortos e bens materiais e à disposição de dar a vida por algo em que se crê. O problema do Che não estava obviamente aí, mas no uso que fez desses atributos de seu caráter. Tua referência à renúncia aos bens materiais, aliás, me fez lembrar o filme Diários de Motocicleta. Certamente o assististe. Nele, o diretor Walter Salles Jr. comete amazônica injustiça contra as religiosas que atendiam os índios no leprosário de San Pablo, no meio da selva, dezenas de quilômetros a jusante de Iquitos. Che é apresentado nas manipulações do filme como um anjo de bondade e as irmãs como megeras. No entanto, aquelas mulheres passaram suas vidas enfiadas em barracos de madeira, no meio do mato, cuidando de leprosos. Não uma semana. Vida inteira! E não por ódio a alguém, mas por puro amor ao próximo. Quem sabe passas a usar uma camiseta com a estampa das irmãs de San Pablo?

E já que falei em cuidar de doentes, lembro outro caso. Em 1913, um talentoso jovem alemão, com doutorado em filosofia, teologia, medicina e música, exímio organista, considerado o maior intérprete de Bach em seu tempo, muito bem sucedido profissionalmente, decidiu instalar por conta própria um hospital às margens do rio Ogowe, no Gabão. Ergueu-o com as próprias mãos. Como forma de mantê-lo, voltava periodicamente à Europa a dar recitais. Fez isso não por uns dias, mas por toda a vida desde os trinta anos. Em 1953, sua contínua dedicação à tarefa que abraçou lhe valeu o Prêmio Nobel da Paz. É dele esta frase que bem serviria para a reflexão do vampiro argentino que se dizia sedento de sangue, médico como ele: "Tudo que é vivo deseja viver. Nenhum sofrimento pode ser imposto sobre as coisas vivas para satisfazer o desejo dos homens". Quem sabe usas uma camiseta com a estampa do pastor Dr. Albert Schweitzer?

A fuga de um prisioneiro do campo de Auschwitz, em 1941 levou o comandante a sentenciar outros dez à morte por inanição. Entre os escolhidos para cumprir a condenação havia um pai de família que muito se lastimava pela orfandade que adviria aos filhos pequenos. Pois um senhor polonês, de nome Maximiliano Kolbe, que estava preso por haver dado fuga a mais de dois mil judeus, se apresentou para substituí-lo e cumpriu a sentença que recaíra sobre seu companheiro de prisão. Com tão justificado apreço pelos valores que apontas, por que não usas uma camiseta com a estampa de São Maximiliano Kolbe?

As pessoas que mencionei, meu jovem (e existem inúmeras assim!) superam Che Guevara em tudo e por tudo. Exercitaram virtudes supremas sem qualquer ódio. Deram quanto tinham, inclusive suas vidas inteiras a seus ideais. Che fez isso? Fez. Mas, se colocou a própria vida em risco, como de fato podia fazer em nome de seus ideais, achou-se no direito de, pelo mesmo motivo, tomar a vida dos outros. E tal direito ele não tinha. Isso é muito diferente e desastrosamente pior! O resultado dos exemplos que citei foram vidas salvas. O resultado da obra de Che foram vidas tomadas, sangue derramado, liberdades extintas. Cordial abraço, Puggina.

***

Agora, transcorridos 10 anos dessa carta, reproduzida na 2ª edição de “A tragédia da Utopia” (2019), escrevo a quem me lê aqui: mesmo diante do que acabo de expor, muitos persistirão na admiração a Che Guevara. Mas estão forçados a admitir que é na revolução, na luta de classes, na tomada do poder pelas armas e no comunismo que repousam seus apreços. E nesse caso me permitam afirmar que camisetas do Che são tão ofensivas e ameaçadoras quanto a suástica, a foice com martelo, ou a cruz flamejante da Ku Klux Klan.


_______________________________
* Percival Puggina (75), membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e titular do site www.puggina.org, colunista de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A Tomada do Brasil. Integrante do grupo Pensar+.


 

Compartilhar

Comentários

Paulo Renato .

Como gostaria que os jovens de hoje, doutrinados pela esquerda, lessem e racionassem sobre seu texto. Como poderíamos mudar os rumos do nosso país.

Donizetti Oliveira .

Trata-se apenas de mais um criminoso e assassino, tão covarde quanto os demais que fizeram história, não é à toa chamado de Porco Fedorento.

MARCO ANTONIO LONGO .

Parabéns!!!

Márcia Jacques .

BOM DIA, PUGINA. EU AMIRO_Te desde meus 20 anos. Lamento Ser CURTA e GROSSA. O que TENHO a Dizer, é que: _A. ESQUERDA é do DEMÔNIO

Arlete Salgado .

Belíssimo texto. Quanta sabedoria professor Puggina. Leio todas as suas matérias. Sou professora de História, fiz faculdade nos anos 80/90 e tristemente confesso que quando terminei o curso pensava igual à esse rapaz e falava muito mal do Brasil e da nossa "ridícula" história. Graças ao esforço e energia de meu querido pai, comecei a estudar o outro lado da moeda e enxerguei quanta barbaridade haviam colocado em minha cabeça e em tantas outras que passaram por ali. Esse é um enorme problema que ainda temos enraizado nas nossas faculdades e infelizmente bastante difícil de ser corrigido. Por isso tenho tanta admiração pelo senhor, quem dera eu tivesse tido a sorte de ter um professor com essa cultura e sabedoria que o senhor tem. Registro aqui toda a minha admiração. Um grande abraço.

Murilo Melo .

E a cada texto que leio aqui no blog, mais admiro a capacidade de síntese, raciocínio e escrita do autor. E como é inteligente! Carta simplesmente sensacional!

João Lampert .

Primoroso seu texto!

Pauliran Câmara .

Parabéns, Sr. puggina! Meu abraço Fraterno!

Ednesio Azevedo da Silva .

A verdade que nos situa hoje é a sensação do quanto os famigerados que criaram o slogan " Pátria Educadora" nos enganaram com as sua falsas narrativas. Parabéns, por nos alertar hoje!

Clarindo Nunes neto .

Guevara ! O cinico mais cinco de todos os cinicos ; O canalhada de todos os canalhas !E a juventude desavisada da verdade e a maioria é Maria vai com as outras Tão ka....para verdade ! Se soubesse que essa besta que nem cubano foi ! Executava criança a sangue frio ! Imagino se ele não fosse asmático ! Deus é maior ! Acorda juventude dona do Brasil futuro ! Deus ilumine a próximas gerações brasileiras e periferias do mundo inteiro ! Hoje queremos deixar um legado de Visão do futuro ; de patriotismo honestidade e lealdade as futuras gerações ! Leiam procurem saber da verdade verdadeira ??

Jonas Paulo .

Como sempre, texto claro, conciso e preciso.

Daniel .

Brilhante professor Puggina. Que Deus lhe dê vida longa e muita saúde, o Brasil, mais do que merecer, NECESSITA de intelectuais como o senhor.

Luiz R. Vilela .

"Fuzilamentos ? Sim, fuzilamos e continuaremos fuzilando sempre que necessário. Nossa luta é uma luta dedicada a morte". Sabem quem disse isso? Ninguém menos que o indivíduo que quando vivo respondia pelo nome de ERNESTO GUEVARA, também conhecido como CHE GUEVARA. Disse isso em um discurso na ONU, que deve ter o vídeo até hoje. Dizem que o "rapaz", quando jovem, na Argentina, ganhou o sugestivo apelido de " El chancho", devido a sua "hidrofobia sistêmica", ou seja, era refratário a salutar higiene pessoal, não tomava banho. Depois então, quando famoso, seus companheiros passaram a denomina-lo de "porco fedorento". Fidel Castro, Camilo Cienfuegos Gorriarán e Ernesto Che Guevara, formavam o triunvirato que comandava a revolução cubana. Cienfuegos desapareceu num desastre aéreo, e Che Guevara teria sido mandado por Fidel Castro para a Bolívia, com os mesmos propósitos.Para quem "joga pedra" na dita ditadura brasileira, que em 21 anos matou, segundo dizem, menos de 500 pessoas, deve dar uma olhadinha na obra macabra deste Che Guevara e seus parceiros, que segundo dizem, tem para mais de 100 mil mortes nas costas. Jovens de menos de 30 anos, não sabem o que aconteceu, o modismo atual faz idolatrarem ídolos com os pés de barro. Nunca ouviram falar no "el paredon", "retórica" usada pelos revolucionários cubanos para "dialogar" com a oposição. Se a moda atualmente é julgar o passado pelos valores atuais, esta ai uma bela pauta para revisar a história, a revolução cubana. Será que a "gurizada" se interessaria pelo que aconteceu no sombrio ano de 1959, na ilha caribenha? Ou só vale a estampa? A boina, a barba e a estrela? o resto não interessa? Por traz disso, correu um rio de sangue.

Natividade .

Excelente aula. Suas reflexões e ensinamentos enchem a minha alma de sabedoria. Obrigada.

Alfredo .

Excelente matéria Sr. Puggina, sempre coerente e argumentando com fatos, parabéns!.
1/2
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Artigos do Puggina