Puggina.org by Percival PugginaConservadores e Liberais

Artigos do Puggina

Voltar para listagem

ICONOCLASTIA DE FRALDAS

por Percival Puggina. Artigo publicado em

 


 “Panta rei” - tudo flui -, afirmava o filósofo Heráclito, no séc. V a.C. Essa antiga idéia, segundo a qual a evolução é regra universal e irrestrita, foi firmando parceria com uma outra, segundo a qual tudo caminha no sentido da perfeição. Esse pacote de crenças está muito presente na cultura contemporânea. A maior parte das pessoas acredita piamente nela. Que tudo muda é verdade, não é certo, porém, que toda mudança implique evolução e aperfeiçoamento.

 No século passado, o evolucionismo recebeu dois importantes reforços através de Herbert Spencer e de Charles Darwin. O primeiro expôs uma teoria segundo a qual a evolução é uma passagem do simples ao complexo, do menos ao mais coerente; o segundo deu-lhe a conhecida dimensão biológica: a sobrevivência e o desenvolvimento dos indivíduos são determinados por sua capacidade evolutiva e de adaptação ao ambiente.

 Não consegui localizar o ponto exato em que o evolucionismo se associou à tese do “constante aperfeiçoamento das coisas”, mas aconteceu aí um abuso semelhante ao que os modernos relativistas cometeram com a teoria física da relatividade. Assim como o que era físico ganhou uma descabida dimensão “moral” (o relativismo), “mudança” passou a ser sinônimo de “aperfeiçoamento”.

 E daí? E daí decorre um monte de absurdos. Tudo que é antigo é imperfeito e tudo que é moderno é perfeito; o que muda evolui e o que permanece involui; tudo que se faz hoje supera o que se fazia ontem. Vive-se sob o império da moda: o jovem é bonito e sábio; o velho é feio e burro. Essa curiosa associação de novidade com qualidade produz uma espécie de iconoclastia de fraldas à qual nada antigo resiste.

 A começar pelo amor – coisa antiga demais – que se esgota na curtição recíproca, não implica laços nem o respeito indispensável à relação entre as pessoas. Como estabelecer, por exemplo, a supremacia do novo sobre o antigo nas relações entre pais e filhos, entre alunos e professores?

Poucas coisas tão antigas e, portanto, tão “superadas” quanto a instituição familiar. Desencadeou-se contra ela um furioso ataque. Afrouxaram seus elos; abriram-na e desoneraram seus membros de maiores deveres; por fim, cumpriu-se a tarefa de desorientá-la com ideias que são droga e drogas que turvam a mente. Tudo moderno, bom e politicamente corretíssimo. Aliás – quer passar por panaca? – defenda coisas tão absurdas quanto religião, família e valores.

_______________________________
* Percival Puggina (75), membro da Academia Rio-Grandense de Letras e Cidadão de Porto Alegre, é arquiteto, empresário, escritor e titular do site Conservadores e Liberais (Puggina.org); colunista de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A Tomada do Brasil pelos maus brasileiros.Membro da ADCE. Integrante do grupo Pensar+.
 

Compartilhar

Comentários

Menelau Santos .

Professor, o Sr. consegue traduzir em palavras nossos sentimentos mais indizíveis. Tom Jobim, perguntado certa vez sobre o porquê do nome do seu grupo musical "Banda Nova", respondeu com o costumeiro e criativo bom humor (sua maestria não se limitava somente à música), "todo mundo gosta de tudo que é novo".

FERNANDO A O PRIETO .

Muito bom, como de costume! Obrigado. Mas "isso também passará" - essa veneração descabida ao que é novo APENAS POR SER NOVO talvez seja uma indicação da fase de decadência que estamos vivendo... Infelizmente, nada indica que acabará logo; provavelmente nós não veremos seu fim, mas, ao longo da História, essas fases são seguidas por outras. Que os valores que hoje são tão desprezados, nesse nosso mundo de aparências, superficialidades e gritarias raivosas exibicionistas, voltem logo! São os valores eternos, momentaneamente encobertos pelas trevas do mundo.
1/1
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Artigos do Puggina