Puggina.org by Percival PugginaConservadores e Liberais

Artigos do Puggina

Voltar para listagem

O VOTO DOS IDOSOS

por Percival Puggina. Artigo publicado em

 

 

 Entre as tantas contradições do Direito positivo brasileiro, o voto realiza a proeza de ser, ao mesmo tempo, direito e dever. O cidadão tem o direito de votar, concedido à sua cidadania brasileira, e tem a obrigação, na mais tolerante hipótese, de encenar na cabine um arremedo de votação, fazendo-o de modo nulo ou em branco.

O mesmo, porém, não vale para os maiores de 70 anos, dispensados do dever. A partir dessa idade o sujeito ganha alforria, está livre da multa por descumprimento do dever. É como se a lei lhe dissesse: “A democracia passa muito bem sem seu voto, senhor”. Convenhamos que tal norma é tão idiota quanto a que torna obrigatório o voto do pior dos eleitores, aquele que vota a contragosto, de qualquer jeito, em qualquer sujeito, sem reconhecer a importância do que faz.

A história de sucessivas civilizações contém inúmeros exemplos de valorização da opinião dos idosos. A humanidade entrou pelo século XX incorporando no seio das famílias a tradição do aconselhamento pelos mais velhos, num reconhecimento do valor da experiência e da sabedoria acumulada. Abandonar essa tradição e vencê-la integra a agenda daqueles que querem derrubar, desde seus fundamentos éticos e práticos, a civilização ocidental. Recupere-se, então, uma importante e descuidada noção: o domínio dessas sutilezas que compõem o cotidiano da geração digital, ante as quais tropeçam os dedos e os neurônios dos idosos, está longe de ser sabedoria.

Os conselhos dos anciãos incluem-se entre as primeiras formas de organização espontânea das sociedades primitivas, substituindo a razão do mais forte pela dos mais sábios e experientes. No antigo Egito, os anciãos eram honrados e consultados mesmo após a morte. Eles estão mencionados em livros do Antigo Testamento. Integravam a organização política de Esparta, denominados Gerúsias, e daí advêm os atuais Senados. Também em Roma, nos mosteiros medievais, na Revolução Francesa (após a derrota dos jacobinos) os anciãos cumpriram importante papel. Foi nessa natural tradição que se inspiraram os constituintes da Filadélfia para criar o Senado dos EUA e o Brasil para instituir nosso próprio Senado em 1824. Tudo isso sem esquecer algo pitoresco: foi a associação entre idade e sabedoria que fez valer ao judiciário britânico o uso das perucas brancas, vigentes durante séculos, até 2007.

Diante de tantas e tais evidências, proporcionada no decurso de milênios, o desinteresse pelo voto dos idosos se revela rematada tolice. No último pleito, talvez em função da pandemia, a abstenção em Porto Alegre chegou a um terço dos votantes. A esses eu digo que no domingo passado, valendo-nos do horário prioritário dos idosos, minha mulher e eu tivemos mais facilidade e agilidade para votar do que em qualquer outra ocasião. Saímos convencidos de que se alguém pode ir ao supermercado, certamente estará mais bem resguardado num rápida chegada à sua seção eleitoral no horário apropriado. Aos que estão dispensados da obrigação, lembro:

Vocês são eleitores altamente qualificados por sua experiência, pelo que testemunharam na história vivida, pelo Brasil que conheceram e pelo Brasil que conhecem. Ele precisa de vocês.

 

* Percival Puggina (75), membro da Academia Rio-Grandense de Letras e Cidadão de Porto Alegre, é arquiteto, empresário, escritor e titular do site Conservadores e Liberais (Puggina.org); colunista de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A Tomada do Brasil pelos maus brasileiros. Membro da ADCE. Integrante do grupo Pensar+.
 

Compartilhar

Comentários

BILL FERREIRA .

É Sr Puggina! Depois de uma preleção ESCRITA tão inteligente e tão eloquente; também dos comentários CONSCIENTEMENTE, fico a meditar AQUI no meu cantinho, NUMA periferia de um bairro esquecida, a importância das suas palavras escritas com tanta SABEDORIA. Enquanto houver PESSOAS com a sua dignidade, embora, pra mim pregando no DESERTO (desculpe), para POLÍTICOS MANIPULADORES, CORRUPTOS, talvez um dia, suas PALAVRA SEJAM de algum MODO, senão atendidas, PELO MENOS ouvidas! LEMBRA-SE DO VELHO RUI BARBOSA? Nos MEUS TEMPOS de COLÉGIO ( na ÉPOCA chamava-se assim o segundo grau) "... CHEGARIA O TEMPO DE O HOMEM VER TRIUNFAR A VERGONHA; VER AGIGANTAREM-SE OS PODERES NAS MÃOS DOS MAUS E QUE CHEGARIA A TER VERGONHA DE SER HONESTO..." ? ISTO ESTAVA AFIXADO NA PORTA DE UMA FARMÁCIA, QUASE EM FRENTE À MINHA ESCOLA! ESTES TEMPOS SÃO CHEGADOS! E NÓS, PESSOAS DO BEM PATRIOTAS DE DIREITA, QUE SÓ QUER VER NOSSO PAÍS MELHORAR FICAMOS ONDE? ESTAMOS RODEADOS DE CAVALGADURAS, QUE NÃO VALORIZAM A PÁTRIA (NEM SABEM O QUE É PÁTRIA!) A CIDADANIA; DIREITOS E DEVERES; A FAMÍLIA E TUDO MAIS! PRA ESSES, QUANTO MAIS PROLIFERAR A PROSTITUIÇÃO; CRESCER O ANALFABETISMO, A DESINFORMAÇÃO; E, QUANTO MAIS ESTÚPIDA FOR A POPULAÇÃO; PARA SER INSTRUMENTO DE MANOBRA NAS MÃOS DESSES CORRUPTOS, PRA ELES SERÁ MELHOR! QUERERÃO PREOCUPAR-SE COM VELHOS? QUE EMBORA TENHA DADO TUDO DE SI À PÁTRIA??? OBRIGADO POR O SR. EXISTIR, SENHOR PERCIVAL! SUA INTELIGÊNCIA ESTÁ ACIMA DA MÉDIA; É CAPAZ DE ENXERGAR ALÉM DAQUELES QUE NADA VÊEM!!!

Vanderlino Horizonte Ramage .

Penso que quando legislador facultou o voto ao idoso, não foi pensando no bem estar dos mesmos. Sendo o Brasil um país surrealista, o legislador (político) ficou temeroso exatamente da sabedoria e da experiência dos idosos. Na dúvida, ficou com o voto menos qualificado?!

Decio Antônio Damin d .

A 130km, em isolamento social no litoral, achei um exagero percorrer 260km para dar meu desptezado voto a alguém que muitas vrzes promete o impossive., fazendo-nos perfeitos idiotas! Vou fazer o possivel para vptar no segundo turno para homenagear a lucidez do teu artigo!

Adilson .

Eu creio que fomos algoritimizados há tempos.E a ia,uma criança,foi posta de babá da humanidade.E a tolerância inserida foi:faça o que quiser c eles,só não deixem se matarem muito e se desobedecerem muito,tranque os em casa e diga que o bicho chineisão vai pegá los.Qdo eu vejo as atitudes tomadas supostamente de quem deveria saber o que fazer,penso nessa hipotese.Sairam de férias e nos deixaram nas mãos de adolescente,que quer tudo,menos cuidar de gente!

Adão Silva Oliveira .

O texto é mais que perfeito. Os comentários idem. Só não podemos esquecer um detalhe. Está cheio de velhos Comunas por aí. Ou como dizia meu velho avó, os idiotas também envelhecem,...

Marisa Van de Putte .

Concordo com o senhor completamente. Onde moro, Estados unidos, o voto nao e obrigatorio, mas para mim desde 1980 quando tornei-me cidada procurei nunca deixar de votar e para meu prazer meus candidatos fizeram bons governos. Nao sou afiliada a partido e vou mais longe, nao acredito que tenhamos dois partidos. Com a eleicao de Trump isso ficou mais claro. Ele trouxe a tona uma quantidade de "camaleoes," de bestas ferozes pelo poder que como no Brasil, todos tem suas panelinhas ( clique em ingles). Eles se revezam, mas no final sao tudo o mesmo. O incentivo aqui torno-se claro. Os idosos devem dar a oportunidade para os jovens decidirem sobre o futuro do pais. Minha neta disse-me isso, e que eu poderia responder? A eleicao de 2020 foi minha ultima, nao vou me dar mais ao trabalho de sair de casa para votar. Seja quem for o presidente que assuma em Janeiro, eu nao serei afetada, so levarei para o tumulo uma tristeza muito grande do que as "forc,as ocultas" fizeram a America.

Brenda Fernandes Aprigliano .

Com certeza, o voto dos idosos é bem mais qualificado que o dessa garotada entre 16 e 18 anos, que nem deveria estar lá, a menos que se votasse a mudança de maioridade penal para 16 anos e eles tivessem que assumir os seus atos. Dá para entender porque os políticos baixaram a idade de votar para 16 anos, porque perceberam nas escolas como é fácil manipulá-los. Por outro lado, os idosos passaram a ser os pagadores das contas nas famílias dos membros que crescem, mas não ficam adultos , e se tornam incompetentes e dependentes. Fato bastante comum em famílias onde os jovens foram cooptados para as agendas da esquerda. Agora nessa "fraudemia" esses idosos foram classificados de "grupo de risco" e fingindo se importar com a saúde deles foram aproveitando para tirar sua liberdade e ânimo de viver. Na Itália alguns chegaram a ser largados sozinhos sem tratamento para serem recolhidos depois. As perucas do judiciário britânico já não inspiram mais tanto respeito assim, considerando todos os absurdos que se cometem atualmente na Inglaterra e nos outros países da UE. Sem falar nos idosos do nosso STF (com direito a Pec da bengala) que não demonstram propriamente demência senil, mas uma enorme deficiência de caráter, comprovada pelo despudor com que prejudicam os anseios do povo e a segurança e prosperidade do País. Na verdade, a realidade se impõe. Qual o valor de votos feitos em urnas sem voto impresso, descaradamente fraudadas, que nem se sabe realmente quem conta esses votos e com resultado impossível de ser auditado e recontado? Votar ou não votar, eis a questão! Você perde a dignidade por ir ou por não ir! Chegamos à esse ponto por inércia, omissão ou desconhecimento dos bastidores dessa política suja do último século, mas com certeza, tudo que nos resta antes de partir é convencer os jovens do tamanho dessa luta que eles terão que empreender, se quiserem liberdade para eles próprios e seus filhos. A esquerda nos roubou tudo, é hora do resgate, que terá que vir dos jovens que já foram resgatados!

Sergio Augusto Sempé .

Permita -me trata-lo por Puggina, afinal, antiguidade é "posto". Portadores de ideias corretas ou errôneas, o que também depende de quem as avalia, é inegável o peso da experiência. Quanto aos demais, a mim me parece que pouco ou menos valem seus votos, dados os valores de multa por não ter exercido seu "direito de escolha", mesmo que pelo "menos pior". Somos, todos, massa de manobra pelos mais espertos e muito desonestos. Assim mesmo, nos setenta e cinco anos da minha existência, jamais deixei de votar por me sentir responsável por todos ( O meu voto pode ser o de desempate!)

EDISON BECKER FILHO .

Um apelo para que coloquemos nas urnas maturidade, bom senso, e especialmente valores tão necessários a nossa sociedade. Com certeza apesar do momento não podemos abrir mão de nossa contribuição para uma sociedade mais madura, justa e experiente.

Alberto Monteiro Rocha .

Não resta dúvida de que o voto do idoso é um voto qualificado. Porém, na cidade que resido (Recife), os candidatos que foram escritos para disputar ao cargo de Prefeito estavam a centenas de milhares de milhas de distancia da real necessidade da cidade, de suas palafitas, dos seus morros, da enorme periferia esquecida... Os discursos foram simplesmente ideológicos. Estaremos no segundo turno, com dois candidatos que são primos e creiam-me: um do Partido dos Trabalhadores (PT) e o outro do Partido Socialista Brasileiro (PSB). Não dá para encarar o exercício de ir as urnas desqualificar o meu voto. Anote aí meu Caríssimo Percival Puggina a cidade do Recife estará em maus lençóis a partir de Janeiro de 2021. Um Abraço.

GELSI .

Meu admirável pugina, tenho conversando com vários conhecidos, amigos e tenho visto isso, alguns me dizem graças a Deus não precisamos votar mais. Fico a pensar porque a pessoa só pensa nela mesma, não vê que se eximindo desse direito está prejudicando os seus, pois netos não votam,eo que queremos é nosso país de volta, ATÉ concordo quanto as desilucões quanto aos que querem se eleger, mas se não escolher o mesmo pior COMO ficaremos. Meu marido tbm está contando o tempo pra chegar aos 70. Eu quero ajudar o meu país a ser LIVRE e próspero e acho que assim estarei ajudando. Abç.

Almir Bittencourt barros .

Realmente essa lei é esdrúxula .,ao dizer que um ser humano ao chegar aos 70 anos fica isento de opinar quais os caminhos que a nação deva seguir..Em contra partida colocam jovens da mais tenra idade .Que não sabem nem quanto custa um pãozinho. . Sábias palavras mestre Puggina.

Ursula .

Depois de ler seu comentário até me arrependi de não ir votar.Ao mesmo tempo a falta de opção me desestimulou totalmente .

José B. grilo Natal R N. .

Total e Irrestrito apoio a este grande Homem Percival Pugguina.

Luiz Eduardo Paes LemeMestre, .

Mestre, de algum tempo a esta parte, nós os idosos passamos a ser considerado um peso pelo sistema. Mas a grande verdade é que somos os verdadeiros guardiões da democracia e mais do que isso, da civilização ocidental. Esse é o grande pavor daqueles que só pensam com o bolso.
1/2
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Artigos do Puggina