Puggina.org by Percival PugginaConservadores e Liberais

Artigos do Puggina

Voltar para listagem

POLÍTICA NA CNBB E NOS TEMPLOS EVANGÉLICOS

por Percival Puggina. Artigo publicado em

 

O Estadão do último domingo publica entrevista com D. Leonardo Steiner, secretário-geral da CNBB. A matéria leva o título "Igreja Católica não tem curral eleitoral" e destaca a frase "Igreja não é palanque", mostrando o secretário-geral interessado em despegar a Igreja do debate eleitoral em curso, tratando da política num sentido amplo. Suas falas apontam para um contraste entre a orientação católica e o modo partidarizado e personalizado que marca o procedimento usual em muitos templos evangélicos nesses períodos.

De longa data, as igrejas evangélicas mantêm transparente e militante atuação em favor de seus candidatos. Distribuem materiais de campanha e proclamam que votar neles é uma forma de "servir a Jesus". É certo que, em muitos casos, Jesus se sente desconfortável com tais vinculações, mas o fato é que eleitoralmente a tática funciona.

A CNBB age de outro modo, mas não com a isenção que fez crer o secretário-geral em sua entrevista. A entidade não indica nomes. Desaconselha o uso das igrejas como locais para propaganda de candidaturas. Mas presta serviço inestimável a um específico partido através de pastorais sociais e organismos vinculados, bem como nos seus documentos, cartilhas e análises de conjuntura. E eu tenho certeza de que não preciso escrever aqui as letrinhas para que todos, sem exceção, saibam a qual das 32 legendas existentes estou me referindo. Repito: é certo que, em muitos casos, Deus se sente desconfortável com tal vinculação, mas o fato é que eleitoralmente também tem funcionado.

Quem acessou dia 7 de setembro o site da CNBB deparou-se com uma convocação da 20ª edição do "Grito dos Excluídos", chamando para "ocupar as praças por liberdades e direitos". Não pense que esse grito vai contra o governo da União. Não, o grito sempre vai contra a economia de mercado, as privatizações, os meios de comunicação, o neoliberalismo, o agronegócio, o direito de propriedade, o "grande capital". Aliás, senhores bispos, ser contra o grande capital significa ser contra todo capital porque pequeno capital só é capital se quiser crescer, caso contrário é dinheiro na mão. E vira vendaval.

Quem acessar a última Análise de Conjuntura, lerá, por exemplo: "Nestes dez últimos anos, houve tentativas para corrigir as desigualdades, pelo aumento do salário mínimo acima da inflação e pelo programa Bolsa-Família, aumentando assim os chamados gastos sociais. (...) Essas políticas não tocaram nas estruturas sociais e culturais, mas as elites econômicas e financeiras as criticaram como sendo políticas “intervencionistas” do governo, por serem responsáveis do suposto descontrole do tripé que regula a economia: controle da inflação, do câmbio e fiscal, e por desrespeitar a doutrina liberal. (...) A sensação de um clima inflacionário espalhado pela mídia, baseando-se sobre os gastos ditos excessivos, sobretudo sociais, visa difundir um temor da volta da inflação, temor que é responsável por uma difusão da inflação." Arre, português ruim de IDEB!

A seguir, o documento parece escrito pelo ministro Guido Mantega: "Entretanto, a taxa de inflação de agosto pode ficar mais baixa ou próxima daquela de julho (0.01%), contrariamente às previsões dos analistas do mercado financeiro. A aproximação das eleições acirra a disputa econômico-financeira entre governo e especuladores. A imprensa não está contribuindo para o debate político-econômico, substituindo a informação pela ideologia da crise permanente. A mídia, porta-voz das elites financeiras, informa que o Brasil está indo à falência. As manchetes dos jornais (impresso e TV) não param de denunciar erros na política governamental que teriam provocado ondas de desconfiança." Duvida? Vá no site e leia.

Agora, imagine trinta anos disso, com Pastoral da Terra, CIMI, Pastoral da Juventude, Campanhas da Fraternidade e seus documentos, Teologia da Libertação, Comunidades Eclesiais de Base, apoio a ridículos "plebiscitos", como o do não pagamento da dívida externa, o da limitação da extensão das propriedades rurais e, agora, o da constituinte exclusiva para reforma política.

Às diferenças entre a política da CNBB e a dos templos evangélicos, acresça-se o fato de que, enquanto estes não param de crescer, a minha Igreja Católica não para de minguar.

_____________
* Percival Puggina (69), membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e titular do site www.puggina.org, colunista de Zero Hora e de dezenas de jornais e sites no país, autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia e Pombas e Gaviões, integrante do grupo Pensar+.
 

 

 

Compartilhar

Comentários

Tereza Thompson .

Francamente Professor Puggina, eu sou catolica mas sinto-me muito envergonhada pela posicao ideologica da CNBB que comecou com as tais Comunidades Eclesiais de Base e pelas Pastorais da Juventude, Teoria da Libertacao e outras invencoes dos iluminados de plantao. Chega a ser um escarnio o que acontece nas nossas conviccoes religiosas quando deparamos com observacoes como esta: "A CNBB presta serviço inestimável a um específico partido através de pastorais sociais e organismos vinculados, bem como nos seus documentos, cartilhas e análises de conjuntura. E eu tenho certeza de que não preciso escrever aqui as letrinhas para que todos, sem exceção, saibam a qual das 32 legendas existentes estou me referindo" Eu nao tenho nenhum problema em dizer, meu caro Professor: o PETE, de Lularapio.

pedro azevedo nunes de carvalho .

Esses padrecos e bispos comunas que infestam a CNBB estão destruindo a Igreja Católica! Eu pergunto: Porque não fundam uma outra Igreja? Resposta: A missão deles é essa mesmo, de destruição da Igreja Católica, é o maligno dentro da Igreja ! CNBB - Conferência Nacional para Bolivarianização do Brasil.

Odilon Rocha .

Prezado Percival É o desespero, Percival! É um Deus nos acuda, é o vale tudo para encher curral e palanque, sim! Creio que morderam a língua.

Ismael Façanha .

O pastor Everaldo defende a Liberdade, defende a economia de mercado, defende as privatizações, defende o "estado mínimo" e defende a Família na sua acepção normal, porque a Igreja Protestante é uma igreja "tabernacular", de nômades em um mundo onde vivem sem a ele realmente pertencerem, pois sua pátria última é o Céu e o Novo Mundo que virá; é uma Igreja que não se prende a legalismos, ao clericalismo, pois sua normatividade tira diretamente das escrituras, pelo exercício de um profetismo contínuo de leigos que leem e oram, movidos pelo Espírito, o "Parákletos". Não transigem, não caem no ebionismo primitivo do cristianismo, que chega a confundir o amor aos pobres com o amor à pobreza; é exatamente isso o que a CNBB vem fazendo. É no atribuir santidade à pobreza em si mesma, que erram.

Julio Rosais .

Eu fui ler a Análise de Conjuntura de Ago/14. O cheiro de mofo e bolor era insuportável. O mesmo velho discurso surrado das "Cartilhas" das décadas de 60/70 estão por todos os parágrafos. É impressionante.
1/1
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Artigos do Puggina