Puggina.org by Percival PugginaConservadores e Liberais

Artigos do Puggina

Voltar para listagem

REFORMA POLÍTICA DA CNBB? NÃO ASSINE!

por Percival Puggina. Artigo publicado em

 Sou leigo católico. Não faz parte de meus deveres de batizado seguir a orientação da CNBB para uma reforma política no Brasil. Reforma política é tema político e quem entra na pauta vai, necessariamente, para o contraditório. Ao se comprometer tanto com o assunto, a CNBB se envolve em algo que não lhe diz respeito e onde, mesmo entre juristas e cientistas políticos, as opiniões divergem. Como leigo, sou membro do Corpo Místico de Cristo (que é a própria Igreja, cuja unidade defendo e integro), mas quando a Conferência envereda no campo político, é ela que desliza para o espaço das opiniões e para os conflitos inerentes a essa atividade, desligando-se do que deve ser unitário. Nem fica bem invocar a unidade para eximir-se do contraditório, ou para fazer um tipo de crítica que tenta desqualificar a crítica.

 Um grupo de 112 entidades uniu-se em torno de um projeto de reforma política para o país. Seguindo a velha cartilha da mobilização, iniciaram coleta de assinaturas, em busca do mínimo constitucionalmente exigido para os projetos de iniciativa popular - 1,5 milhão de adesões. O projeto foi amplamente divulgado em outubro de 2014 pelo movimento Eleições Limpas (www.eleicoeslimpas.com.br) e hoje é acionado por uma certa Coalizão pela Reforma Política Democrática e Eleições Limpas (procure no Google por esse nome e clique em "Quem somos").

Examine a lista e depois me responda: qual o partido ou tendência ideológica que lhe vem à mente quando lê MST, CUT, Via Campesina, CONTAG, UNE, FENAJ? Em meio a uma batelada de ONGs que vivem às nossas custas, com acesso franqueado a verbas públicas, também integram a tal Coalizão: o MMC (Movimento das Mulheres Camponesas, aquelas que destruíram os laboratórios da Aracruz em 2006 e atacaram recentemente, em Itapetininga, um laboratório da Suzano Papel e Celulose), a UBM (entidade de mulheres pró-aborto), a RFS (Rede Feminista de Saúde, pró-aborto), a REBRIP (rede de ONGs e movimentos sociais com propostas "alternativas"), a Liga Brasileira de Lésbicas, o Movimento Evangélico Progressista, a Articulação Mulheres Brasileiras (pró-aborto e contra os direitos dos nascituros). Que interesses em comum podem ter com a CNBB?

Qualquer pessoa minimamente informada percebe que "tem PT nesse negócio". E tem. A proposta é um espelho das questões centrais do projeto petista de reforma política: voto em lista (acrescentando um segundo turno com voto nominal); financiamento exclusivamente público, ou seja, custeado pelos pagadores de impostos; um reforço aos instrumentos de democracia direta (bebendo água no Decreto Nº 8243, aquele dos sovietes). Agora, uma diferença. Enquanto a proposta petista falava em igual número de candidaturas masculinas e femininas aos cargos legislativos, a proposta da CNBB é mais moderninha e fala em igualdade de "gênero". Pode? Pode. É a CNBB. Enfim, a concepção do projeto é tão petista que o site do PT, em 26 de fevereiro, comemorou o manifesto da CNBB, conforme pode ser lido em (http://www.pt.org.br/cnbb-e-oab-lancam-manifesto-em-apoio-a-reforma-politica/).

Os católicos já foram solicitados pela CNBB, em 2002, a assinar por um calote da dívida externa (chamado de "auditoria") que absolutamente não era necessário; convidados a assinar por um plebiscito e uma nova constituinte que a ninguém interessou; convencidos de que a salvação moral da política viria da lei da ficha limpa (uma lei boa, aliás) que precedeu a maior ladroagem da história. Agora estão escaldados, e as assinaturas pela Reforma Política patinam, distantes do 1,5 milhão de adesões. Por isso, surgiu um formulário suprimindo do cabeçalho os nomes das entidades que revelam a vinculação da iniciativa aos já desacreditados interesses petistas. Desculpem-me, mas isso não se faz. Parece coisa de, digamos assim, petistas.

________________________
* Percival Puggina (69) é arquiteto, empresário, escritor, titular do site www.puggina.org, colunista de Zero Hora e de dezenas de jornais e sites no país, autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia e Pombas e Gaviões, integrante do grupo Pensar+ e membro da Academia Rio-Grandense de Letras.
 

Compartilhar

Comentários

Felipe Giollo .

Prezado Puggina Obrigado pelos teus esclarecimentos. Onde tem dedo de padre normalmente vira coisa obscura,imagina mancomunados com o PT.

Márcia Barberio .

Prezado Sr. Pugina, Muito bom seu artigo, mas ....será atinge a grande massa que é usada para manobras do PT e todos esses movimentos sociais (que eu considero criminosos) que vivem à custa do contribuinte brasileiro inclusive a CNBB.

Sérgio Alcântara, Canguçu - RS .

Reforma política para valer, virá naturalmente pelo aprimoramento dos verdadeiros movimentos políticos e populares como o Vem Pra Rua, o Brasil Livre, entre outros. Estes sim, suscitam um verdadeiro e necessário redirecionamento e redimensionamento das relações político- institucionais, atualmente condicionadas pelo pensar marxista e alicerçadas no lulo-petismo. Entidades "politicamente comprometidas" ( bota comprometimento nisto) como a CNBB, a OAB, a UNE e outras do gênero, buscam exatamente uma "reforma" que cristalize na base do Estado e das instituições em geral, os dogmas ideológicos responsáveis pela naturalização de todo esse processo de deterioração dos valores mais elementares da convivência humana, com o qual nos deparamos hoje.

Luiz Alberto Mezzomo .

É preciso que fique claro: A cnbb é inimiga de fato da Igreja Católica. É mais um dos diversos sindicatos e instituições, ligados ao pt; e a sua função é a de se infiltrar na Igreja. Ha muitos anos, que não contribuo com nada, que envolva este sindicato.

Luis Gonzaga .

Caro Puggina, Basta um dito popular para chamar "as falas" essa - mais uma - malfadada iniciativa da CNB do B: " Diz-me com quem andas e te direi quem és!". Não sou contra a Igreja e seus desdobramentos administrativos / organizacionais envolverem-se em política. Aliás, recentemente o Papa Francisco chamou a atenção dos Católicos para a necessária atuação na política, de forma a não deixar, como agora, espaços para os adversários. Porém sou contra o ENGODO, a DISSIMULAÇÃO

Gustavo Pereira dos Santos .

A excomungada CNBB tá mais suja que pau de galinheiro. O eleitorado petista paulofreirista não sabe ler, não assinará. Os demais 87% passarão batidos. Um abraço, Gustavo.

Clóvis A Cervi .

É bom que se diga: a CNBB nunca pertenceu à hierarquia da Igreja Católica. É um congregação de bispos brasileiros (marxistas, diga-se), que usa a Igreja para fins não muito republicanos.

Odilon Rocha .

Prezado Professor Puggina A supressão das siglas que identificam as diversas agremiações e grupamentos de interesse marxista gramscista, por si só, entrega a cabeça, de bandeja. Cabeça sem um pingo de moral. Confederação Nacional de Bispos, sim, Bolcheviques. Como o marxismo/gramscismo é basicamente uma seita, o termo bispo até faz sentido.

artur nogueira .

Li recentemente no blog do Políbio Braga que em PA, a Igreja Católica(leia-se CNBB) envia listas aos "fiéis" para que assinem o apoio ao projeto de reforma política do PT(não sei se é mencionado o nome do partido).

Francisco de Assis .

Caro professor , obrigado pelas informações contidas no seu artigo. Sou católico também e para seguir a religião, necessariamente não tenho que seguir a CNBB.
1/1
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Artigos do Puggina