Puggina.org by Percival PugginaConservadores e Liberais

Artigos do Puggina

Voltar para listagem

"VEIAS ABERTAS DA AMÉRICA LATINA"

por Percival Puggina. Artigo publicado em

NOTA: Atendendo muitas solicitações, para mais fácil uso pelos leitores que o desejam reproduzir, transformei em artigo dois textos anteriores sobre esse tema .

 No Correio do Povo do dia 20 deste mês, o jornalista Juremir Machado da Silva recordou o quanto era difícil, nos anos 80, encontrar nas bibliotecas exemplares do livro Veias Abertas da América Latina. Esse era o livro mais indicado pelos professores e mais procurado pelos alunos. E continua muito recomendado, ao que me informam. Malgrado seja um amontoado de asneiras, Veias Abertas tornou-se o texto introdutório ideal da pregação marxista, objetivo primeiro de grande parte do mundo acadêmico nacional.

Talvez ninguém expresse melhor do que o próprio autor o que acabei de afirmar a propósito de seu louvado trabalho. No dia 11 de abril passado, o uruguaio Eduardo Galeano concedeu uma entrevista em Brasília. Ele era o homenageado da 2ª Bienal do Livro e da Leitura. O destaque que recebia tinha tudo a ver, por certo, com a popularidade que lhe adveio desse livro (alguém conhece outra obra de Galeano?). Na entrevista, com todas as letras, ele declarou: "Veias Abertas tentou ser um livro de economia política, só que eu não tinha ainda a formação necessária. Não estou arrependido de tê-lo escrito, mas é uma etapa superada. Eu não seria capaz de ler de novo esse livro. Cairia desmaiado. Para mim, essa prosa de esquerda tradicional é chatíssima. Meu físico não aguentaria. Teria que ser internado em Pronto-Socorro. 'Tem alguma cama livre', perguntaria".

Nesse trem do qual Galeano já saltou fora ainda existe muita gente embarcada, com o livro dele na mochila. Pois bem, para quem leva Veias Abertas a sério, Cuba vive, há 55 anos um modelo mais do que perfeito. Todo o patrimônio das espoliadoras empresas norte-americanas caiu, de um dia para o outro, nas mãos do Estado cubano sem que o Estado tivesse que pagar um centavo por ele, cessando, também, a remessa de qualquer lucro. Dois anos mais tarde, Fidel estabeleceu com a URSS uma aliança altamente vantajosa: os soviéticos passaram a lhe prestar ampla ajuda técnica, militar e científica, se responsabilizaram pelo seu superávit comercial comprando açúcar e níquel cubano a preços superiores aos de mercado e vendendo seus produtos a preços inferiores aos de mercado. Um negócio da China, segundo o qual o regime não só fechou suas veias como cravou a seringa na artéria dos russos.

Contudo, para absoluto espanto, malgrado a massiva expropriação que procedeu, malgrado as veias fechadas, malgrado quase três décadas favoráveis no balanço hematológico com a URSS, malgrado 55 anos de um padrão de consumo que faria padecer um monge franciscano, Cuba é, ainda hoje, um país tão pobre quanto você imagina um povo obrigado a enquadrar suas necessidades numa renda mensal inferior a 12 dólares e onde as atividades mais estimuladas batem num teto de 30 dólares. Um exército de policiais e informantes vigiam a vida privada e coontrolam o procedimento, nas ruas, dessa multidão de carentes.
 

Compartilhar

Comentários

Decio Broilo .

Creio que Cuba implantou a monarquia que se esconde atrás de um "presidencialismo" ditatorial.

Carlos Flávio .

Puggina, mais uma vez mostra a incoerência de uma esquerda claudicante, caduca e cega que nega veementemente a verdade. Mas o que significa a verdade se não aquela defendida pela ideologia do atraso? Nada!

Roberto .

Olá: seria de bom tom corrigir, antes que muita gente leia o título: VEIAS ABERTA é incorreto. O certo é VEIAS ABERTAS. Obrigado.
1/1
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Artigos do Puggina