Puggina.org by Percival PugginaConservadores e Liberais

CHEGA AO FINAL UM DOS MAUS NEGÓCIOS FEITOS COM A DITADURA CUBANA

por Percival Puggina. Artigo publicado em

 

Leio em O Globo.com:

 O Ministério da Saúde informou que já foram selecionados 7.871 médicos para as 8.517 vagas abertas no último edital do programa Mais Médicos . Isso representa 92%% do total. Nesta sexta-feira, 40 médicos se apresentaram aos municípios que irão trabalhar.

As vagas foram abertas após o anúncio do governo de Cuba de retirar seus profissionais do programa, em reação às mudanças planejadas no Mais Médicos pelo presidente eleito Jair Bolsonaro. Ele é contra a retenção de parte dos salários dos profissionais cubanos, e a favor da obrigatoriedade de passar por um exame de revalidação do diploma obtido no exterior.

O balanço, com dados que vão até as 16h30 desta sexta-feira, mostra 25.900 inscrições, das quais 17.519 são de profissionais com registro válido no Conselho Regional de Medicina (CRM). Deles, 7,8 mil já tiveram um destino escolhido.

O prazo para inscrição iria até este domingo, mas, na quinta-feira, o Ministério da Saúde anunciou sua prorrogação até 7 de dezembro. A extensão ocorreu em razão de instabilidade no sistema que, segundo o ministério, foi causada por "ataques cibernéticos" identificados desde o primeiro dia de inscrição. Segundo a pasta, o sistema está estável neste momento.

De acordo com o edital, são 8.517 vagas para atuação em 2.824 municípios e 34 distritos indígenas que antes eram ocupadas por médicos cubanos.

 

COMENTO

 O governo petista usou dinheiro do povo brasileiro para fazer negócios com parceiros ideológicos e com ditadores latino-americanos e africanos. Perdoou dívidas para poder conceder novos financiamentos alguns dos quais já se tornaram inadimplentes.

O programa Mais Médicos foi um desses instrumentos para repassar recursos. Os fatos são conhecidos. Profissionais com habilitação pouco esclarecida, submetidos a regime jurídico incompatível com a legislação brasileira, impedidos de trazerem a família e gerando ao governo cubano um overhead de 70% do valor pago. Esse tipo de locação de serviços médicos, aiás, é a maior item da indigente pauta de exportação do governo cubano.

O que aconteceu nestes primeiros dias de inscrições desmonta a farsa. Um ataque cibernético para derrubar o sistema com o intuito de impedir as inscrições. A quem isso poderia interessar? Pois é...

O Brasil não precisava dos profissionais cubanos. O número de inscrições supera o dobro das necessidades totais. O governo petista estimulou o desemprego de médicos no país e submeteu a população a ser atendida por cubanos atuando em regime de escravidão autorizada, sobre cuja competência persistem dúvidas não devidamente esclarecidas.

O que dirão agora que a farsa se evidenciou?