Puggina.org by Percival PugginaConservadores e Liberais

O “CONFORTO” DAS ANIMOSIDADES E O BEM DO BRASIL

por Percival Puggina. Artigo publicado em


Por Percival Puggina


Em artigo com o título “Sound and fury”, publicado no Estadão de hoje (12/04), o amigo professor Francisco Ferraz, ex-reitor da UFRGS analisa as relações institucionais entre o presidente Bolsonaro e Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados. Ao final, arremata assim:

Bolsonaro tem sob controle a caneta das nomeações para muitos milhares de cargos, o talão de cheques das liberações, o sistema bancário da União, as indicações para conselhos e agências, as necessidades dos Estados e municípios, a publicidade do governo, que por certo não ficará limitada às redes sociais, a capilaridade dos órgãos dos ministérios e, last but not least, sua comunicação pessoal com eleitores, além de poder adotar decisões simpáticas e populares para reconquistar e remobilizar aqueles que o apoiam.

Não é, pois, prudente subestimar quem tem grande parte dos meios e recursos políticos que outros presidentes da  República também tinham... sem tê-los gasto.

 

COMENTO

 

 Tem inteira razão o eminente professor. E, se algo puder acrescentar, direi que ao manter intacto seu estoque de meios, o presidente revela coerência irretocável com afirmações que fez e faz. Sua gestão passará ao largo de certas práticas que a sociedade reprova.

 Não deixa de ser curioso que a imprensa, seguindo na mesma toada da campanha eleitoral, esteja a criticá-lo por não usar esses meios para aprovar a reforma da Previdência. Ora vejam só! É impossível que qualquer jornalista ciente de suas responsabilidades profissionais não tenha, até este momento, tomado posição sobre esse assunto. Se o fez, conforme dele se espera, não deveria expor à sociedade sua opinião? Terá esse venerável direito seus momentos de clausura e silêncio? Haverá tópicos dos quais manter confortável distância?

 Porque – sabem leitores? – uma coisa é o que as autoridades do governo dizem sobre temas que este produz e pauta; outra, bem diferente é o que manifestam comentaristas, analistas e formadores de opinião. Aliás, verdade seja dita: a mídia forma opinião no Parlamento e raramente o inverso é verdadeiro.

O país lucraria se esses cavalheiros e damas usassem mais seus espaços para o bem do Brasil do que para gotejar nos teclados, câmeras e microfones a animosidade que têm em relação ao presidente que a nação elegeu sem lhes dar olhos nem ouvidos. O bem do Brasil não vale mais do que esse ânimo? O bem do Brasil não os beneficiará também?