Aqui se cultuam grandes pensadores e líderes que impulsionaram positivamente a história.

 

Se você vai passar pelo inferno, não pare de andar;

 

Winston Churchill

 

"Não existe dinheiro público. Todo o dinheiro arrecadado é tirado do orçamento doméstico, da mesa das famílias"
  

Margaret Thatcher

 

"A humanidade precisa, antes de tudo, se libertar da submissão a slogans absurdos e voltar a confiar na sensatez da razão."

 

Ludwig Von Mises

 

"Quem luta contra nós reforça os nossos nervos e aguça as nossas habilidades. O nosso antagonista é quem mais nos ajuda"

 

Edmund Burke

 

“Os tolos têm às vezes tanto gosto em serem enganados como os velhacos em os enganarem.”

 

José Bonifácio

 

"Creio que, em qualquer época, eu teria amado a liberdade; mas, na época que em vivemos, sinto-me propenso a idolatrá-la."

Alexis de Tocqueville

 

"Estamos caminhando para o socialismo, um sistema que, como se diz, só funciona no Céu, onde não precisam dele, e no Inferno, onde ele já existe."

 

Ronald Reagan

 

“Não há lugar para o egoísmo ou medo! Não temais, então, quando o amor fizer exigências. Não temais quando o amor requizer sacrifício.”

 

S. João Paulo II

 

"A educação é simplesmente a alma de uma sociedade a passar de uma geração para a outra."

 

Gilbert Keith Chesterton

 

"O ressentido passa a considerar mau o bom, pequeno o grande, feio o belo, simplesmente por estar fora do alcance de seu poder,"
 

 

João Camilo de Oliveira Torres


Artigos do Puggina

Percival Puggina

27/02/2021

 

Percival Puggina

         É fato. Há um Brasil que fala e fala muito. Fala nos microfones, diante das câmeras e nas redações dos jornais. Fala nas cátedras, nas salas de aula e em conferências. Fala nos púlpitos, nos tribunais e nos manifestos. Fala nas lives e nas redes sociais. Falam uns aos ouvidos dos outros. Mas se algo os caracteriza é o desconhecimento tátil, olho no olho, do Brasil que não fala, parte significativa do Brasil real. Para conhecê-lo, é preciso observação persistente e continuada e poucos, pouquíssimos vão até ele. Poucos se importam. Pouquíssimos se importam! Não se importam os que mantêm suas festas e superlotam seus points. E falam, uns para os outros.

         É fato. Há um Brasil mudo, dos ônibus de subúrbio, dos brasileiros cuja única esperança é continuar sobrevivendo em meio às próprias carências, tendo a fome como companheira do desemprego.

Esse Brasil não veraneia nem festeja.

Esperneia e, com sorte, toma uma cerveja.

         Também sou do Brasil falante. Também falo e sou ouvido pelos que igualmente falam. Faço conferência, escrevo, assino manifestos e gravo vídeos, que são ouvidos e assistidos por outros falantes como eu. Também eu não conheço o Brasil mudo. E vice-versa.

         Outro dia, enquanto era atendido por um trabalhador no Brasil falante, indaguei-o sobre como ficaria sua situação a partir das novas regras impostas àquela atividade. Seu olhar foi um discurso. Um manifesto. Uma live inteira.

         Não acredito que a paralisação de tantas atividades não possa ser substituída por outras medidas menos danosas a parcela tão significativa da sociedade! Não acredito! Assim como não me convencem os que acham que está tudo bem, mesmo que as UTIs estejam superlotadas, tampouco me convence esse Brasil alto-falante, que fala quase sozinho, hegemonicamente, dizendo sempre a mesma coisa. E deixando mudo - mudo! - o outro Brasil

         Não, não está tudo bem. E novamente não. A solução não pode ser, necessária e exclusivamente, essa que aumenta a miséria de dezenas de  milhões. Ouçam menos a si mesmos, senhores. Ouçam menos a quem só fala.

*Publicado originalmente em Conservadores e Liberais, o site de Puggina.org

 

Percival Puggina (76), membro da Academia Rio-Grandense de Letras e Cidadão de Porto Alegre, é arquiteto, empresário, escritor e titular do site Conservadores e Liberais (Puggina.org); colunista de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A Tomada do Brasil pelos maus brasileiros. Membro da ADCE. Integrante do grupo Pensar+.

 

Percival Puggina

25/02/2021

 

Percival Puggina

         Outro dia, em plena via pública, uma senhora foi afrontada por outra que lhe contestava o direito de usar turbante de origem africana. Tais adereços, alegava ela, seriam próprios da cultura negra e seu uso por pessoas brancas constituiria uma “apropriação cultural” e uma fragilização de seu papel como “instrumento de resistência à dominação”.

         Recebi da Editora Avis Rara um exemplar do livro “O ano em que a terra parou”, do jornalista Luciano Trigo. Suas primeiras linhas relatam o caso dos Red Skins (peles-vermelhas, equipe esportiva de Washington), que foram constrangidos pelo “politicamente correto” a mudar seu belo nome, símbolo e uniforme, porque seriam preconceituosos. Definitivamente não eram! Eu os vi, eram símbolos esteticamente perfeitos, conhecidos e vigorosos. Mas basta acusar. Na mesma linha, uma banda norte-coreana precisou alterar seu clipe com milhões de visualizações porque, em certo momento, aparecia uma divindade hindu.

         Aqui no Rio Grande do Sul houve uma tentativa de mudar o quase bicentenário Hino Rio-Grandense por racista e escravocrata... Tais tolices já não se restringem ao Ocidente, onde os mesmos segmentos enquanto zelam pelo que lhes é peculiar, deitam e rolam em cima do cristianismo, seus símbolos e presença na cultura dos povos. Vão além e espalham pelo mundo objetivos globalistas, fazendo com que o muito dinheiro de uns sustente o fanatismo de tantos e todos sirvam ao projeto de poder de outros mais. Quem defende such bullshit afirma ser teoria conspiratória identificar aí um projeto de dominação. Descobriram que pessoas bem educadas e respeitosas se constrangem quando acusadas de discriminar algo ou alguém e, facilmente, se transformam em propagadoras, por adesão, daquilo que deveriam, com firmeza, rejeitar.

         A senhora com o turbante portava o adereço por considerá-lo bonito. Diante do espelho, lhe caía bem aos olhos. A esquerda precisa decidir se quer o multiculturalismo ou se quer dividir a sociedade em guetos culturais. Não dá para querer o multiculturalismo quando convém para exigir tratamento privilegiado e rejeitá-lo quando não serve à causa.

Pertencer a algum grupo minoritário não é fonte de direito.

***

         O senador Alessandro Veira e os deputados federais Tábata Amaral e Felipe Rigoni querem reincluir no edital do Programa Nacional do Livro Didático para Ensino Fundamental I (6 anos ou +) questões de gênero, orientação sexual, homofobia e transfobia, violência contra a mulher, racismo etc..

         O fato é que o projeto de dominação existe, financiado e, em boa parte, proporcionado por grandes corporações que atuam atrás do palco, em circuito mundial, num espetáculo representado por ativistas políticos. Como toda a empreitada da esquerda, é operada por gente que não sabe perder.

         Para o globalismo e a Nova Ordem Mundial, temas nacionais e morais são irrelevantes porque é um projeto internacionalista e sua moralidade é muito simples: consiste em ser frontalmente avessa, de A a Z, aos princípios e valores compartilhados pelo Ocidente. Sua preservação, num ambiente de liberdade, deveria ser tema central de nossas preocupações.

***

         Nestes dias, muitos olham para a realidade mundial e só veem a Covid-19. Há muito mais do que isso a preocupar quem observa a movimentação das peças. Negar o flagrante antagonismo instalado mundialmente, em nome de uma boa convivência impossível, é estupro consentido. O enfrentamento político é inerente à democracia. Talvez nunca quanto neste período o voto consciente se fez tão necessário, dada a suprema natureza dos bens em jogo.

 

Percival Puggina (76), membro da Academia Rio-Grandense de Letras e Cidadão de Porto Alegre, é arquiteto, empresário, escritor e titular do site Conservadores e Liberais (Puggina.org); colunista de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A Tomada do Brasil pelos maus brasileiros. Membro da ADCE. Integrante do grupo Pensar+.

Percival Puggina

23/02/2021

 

Percival Puggina

 

Alguém precisa informar aos ministros do STF, em especial aos ministros Alexandre de Moraes e Dias Toffoli, que há uma diferença entre aquilo que chamamos instituições e democracia propriamente dita. As instituições são importantes, mas são instrumentais. Muitas vezes, o apreço à democracia impõe ao cidadão consciente o dever de se manifestar quando alguma instituição age em desfavor ou contra a democracia, ou passa a atacar a vontade manifesta nas urnas, ou quando o Judiciário assume papel de oposição ao Executivo. Ou ainda quando projetos de interesse nacional são esterilizados nas gavetas dos presidentes da Câmara e do Senado e quando denúncias contra membros de algum poder não são sequer examinadas como determinam os regimentos internos.

A sociedade, por outro lado, tem direito natural às próprias percepções. Só alguém cuja vida política se conduz às apalpadelas, ou submetida exclusivamente aos próprios interesses, não percebe que há uma carência de funcionalidade em nossas instituições, em nossos poderes de Estado.

A insensibilidade quanto a isso, a ignorância dessa realidade por parte das elites dirigentes do país dói. Dói em quem não deveria. Dói nos cidadãos pagadores de todas as contas. Dói mais, sempre, nos mais carentes. Dói em quem arduamente produz e escassamente consome. Dói nas perdas causadas pela instabilidade institucional que marca todos os períodos democráticos de nossa história republicana. Se algo assim não berra aos ouvidos e não fulge aos olhos de um ou de vários ministros do STF, a ponto de dizerem que o clamor decorrente age contra a democracia, então fica evidente que quem o diz se perdeu no bê-á-bá dos problemas nacionais. E das dificuldades alheias. No conhecimento e no convívio de suas excelências, os seres humanos mais parecidos com povo são os serviçais de suas residências.

Em palestra realizada hoje, neste dia 22 de fevereiro em que escrevo, o ministro Alexandre de Moraes afirmou:  “Se é verdade que o Brasil vive o mais longo período de estabilidade democrática de toda a República, a partir da Constituição de 1988, também não é menos verdade que com essas milícias digitais estamos sofrendo o mais pesado, o mais forte, o mais vil ataque às instituições e ao Estado democrático de direito”. Se para o ministro “estabilidade democrática” consiste em haver eleição na periodicidade certa e na sequência prevista, então Cuba é uma referência democrática há 62 anos.

Nossas instituições – exatamente elas, em seu desalinho e concepção irracional – proporcionam uma incessante instabilidade política que se reflete em tudo mais! Saímos de uma crise para outra, de um escândalo para outro. Crises e escândalos, todos, vão ficando para trás. Aquelas, as crises, sem solução porque as causas persistem; estes, os escândalos, escorados na mais reverente impunidade. Nossa bolsa de valores está sempre à beira de um ataque de nervos, à espera de um mal súbito, ambulâncias à porta. O mundo não vê o Brasil como um país de boa governança e estabilidade política e jurídica.

A desditosa combinação de um STF herdado de tempos enfermos e um Congresso Nacional de reduzido padrão moral proporciona partidos políticos em excesso e eleições custosas ao contribuinte. Mandatos são obtidos com verbas públicas de distribuição obscura (para dizer o mínimo), em eleições não auditáveis. Um grupo político hegemônico como o antigo PRI mexicano se instituiu e opera na base de todos os governos há 32 anos e há quem veja azul a grama dessas realidades. Definitivamente, os problemas que perturbam a nação não são os mesmos que afetam a sensibilidade dos ministros do STF. Suas desavenças com alguns jornalistas militantes e as ditas “fake news” são infinitamente menos importantes que as fake analysis cotidianas da grande mídia militante e a ação política exercida por membros do Supremo.

Ninguém está tão longe da solução quanto quem sequer percebe que a democracia em nosso país tem problemas institucionais infinitamente maiores que os que possam ser causados por meia dúzia de jornalistas nas redes sociais. Essa é a mais escancarada manobra diversionista da história do Brasil.

*   Publicado originalmente em Conservadores e Liberais, o site de Puggina.org

 

Percival Puggina (76), membro da Academia Rio-Grandense de Letras e Cidadão de Porto Alegre, é arquiteto, empresário, escritor e titular do site Conservadores e Liberais (Puggina.org); colunista de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A Tomada do Brasil pelos maus brasileiros. Membro da ADCE. Integrante do grupo Pensar+.

Outros Autores

Gilberto Simões Pires, em Ponto Crítico

25/02/2021

Leia mais

Valdemar Munaro

25/02/2021

Leia mais

Érika Figueiredo

23/02/2021

Leia mais

Por que criei este site

Minha posição política é conservadora em relação ao que tem valor permanente. Quer mudar dentro da ordem o que precisa ser mudado. É democrata e serve ao bem da pessoa humana segundo uma antropologia e uma ética cristã. É pró-vida e sustenta a superior dignidade da pessoa humana. Vê a liberdade como sócia bem sucedida da verdade e da responsabilidade. É liberal porque sabe o quanto é necessário impor freios e limites ao Estado, cujos poderes deveriam agir para se tornarem cada vez menos necessários. Defende o direito de propriedade e as liberdades econômicas. Sem prejuízo de muitas outras exclusões, nessa posição política não há lugar para defensores de totalitarismos e autoritarismos, para fabianos e companheiros de viagem de esquerdistas, nem para políticos patrimonialistas.

 

Para defender essas posições, nasceu este website em 2003. Mediante sucessivas incorporações de novas tecnologias chega a esta quarta forma visual de apresentar os conteúdos com que espera proporcionar a seus leitores bom alimento à mente e ao espírito. Sejam todos muito bem-vindos e que Deus os abençoe.

Fique Sabendo

A RESPONSABILIDADE DOS GOVERNADORES

Percival Puggina

27/02/2021

 

Percival Puggina

Leio em MoneyTimes (1)

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta sexta-feira que o auxílio emergencial deverá ser pago por alguns meses e destacou que o governador que tomar medidas de restrição de atividades é quem deve bancar o benefício, em meio ao aumento número de casos e mortes por Covid-19 no país.

“O auxílio emergencial vem por mais alguns meses e, daqui para frente, o governador que fechar o seu Estado, que destrói o seu Estado, ele que deve bancar o auxílio emergencial”, disse.

“Não pode continuar fazendo política e jogando no colo do presidente da República essa responsabilidade”, emendou ele, em rápido discurso durante solenidade de entrega de unidades habitacionais no Ceará.

  1. - https://www.moneytimes.com.br/bolsonaro-diz-que-governador-que-fechar-estado-deve-bancar-auxilio-emergencial/

COMENTO

É perfeitamente razoável não gostar do modo como o presidente expressa suas posições. Mas não há como discordar da lógica contida na afirmação que fez. O governo federal financiou os déficits de caixa dos estados e municípios (R$ 75 bilhões). Enviou bilionários recursos da União para custear o combate à covid-19, permitindo o reaparelhamento dos sistemas de saúde de todo o país. Suspendeu o pagamento de dívidas para com a União (R$ 35 bilhões). Custeou a atenção às dezenas de milhões de carentes produzidos pela danosa paralisação das atividades produtivas. Respeitando as prudentes e técnicas orientações da Anvisa, disputa no mercado internacional a compra de vacinas aprovadas.

Como consequência de toda a atenção prestada, apenas Rio Grande do Sul e Minas Gerais fecharam no vermelho o ano de 2020. Todos os demais Estados (incluído o Distrito Federal) fecharam no azul, com um superávit total de R$ 82,8 bilhões. E a União? Acumulou um déficit de R$ 745 bilhões, tendo gasto em 2020, R$ 524 bilhões com a covid-19, incluindo auxilio emergencial a pessoas em situação de vulnerabilidade (R$ 293 bilhões).

Ao mesmo tempo, criticado por toda a mídia militante, se vê às voltas, já no início de 2021, com a reiteração das demasias adotadas pelos governadores que geraram a queda do PIB e o desastre econômico e social do ano passado, fazendo com que esta última conta tenda a se agravar.  

Quem achar que deve derrubar a economia do próprio estado, que arque com os ônus decorrentes. A medida deve contar com a simpatia de ninguém. No entanto, a realidade não é simpática. Diante da experiência do ano passado e das notórias dificuldades de caixa da União, cuja receita sofre tanto quanto a dos outros entes federados, parece impossível não ver a razoabilidade da ponderação feita.

Leia mais

O SOCIALISMO E O CANTO DAS SEREIAS

Percival Puggina

24/02/2021

 

Percival Puggina

Nota do editor do site:

De um texto bem mais longo, produzido pelo filólogo e premiado escritor cubano Ernesto Pérez Chang, publicado em Cubanet, extraio o trecho abaixo. O artigo aborda o tema da prostituição na ilha, seja como fonte de renda de quem não consegue de outro modo prover as próprias necessidades e as necessidades familiares; seja como acusação do governo lançada sobre quem encontra um “marido” ou “esposa” e, com ele ou ela, sai da ilha; seja, ainda, como propaganda insinuada para estimular o turismo...

Diz Ernesto Pérez Chang:

Havana Cuba. - Segundo estimativas do The Havana Consulting Group, em 2019 as remessas para a ilha rondaram os três bilhões de dólares enquanto o embarque de mercadorias [doadas a pessoas físicas] elevou a cifra a cerca de seis bilhões.

Poderíamos acrescentar mais um bom dinheiro a esse montante se considerarmos que mais de 600 mil cubanos que vivem no exterior – 550 mil dos quais residentes nos Estados Unidos – viajaram a Cuba principalmente para visitar parentes ou em férias.

Segundo a mesma fonte, na década de 2008 a 2019, as remessas totais ao país somaram cerca de 30 bilhões de dólares, que, acrescidos aos mais de 27 bilhões recebidos em forma de mercadorias, perfizeram um total de 57 bilhões de dólares, mais de 90 por cento dos quais procedentes dos Estados Unidos.

São cifras espantosas para a prosperidade zero que observamos ao nosso redor, mas, ainda assim, junto com as receitas geradas pela indústria do turismo cubana, não só mostram quais são as bases em que se lastreia a economia nacional, mas também evidenciam que o regime cubano sobreviveu nos últimos anos graças a emigrantes, exilados e estrangeiros que fazem turismo.(...)

Assim, poderíamos continuar a deduzir que uma condição indispensável para a construção do socialismo “à cubana” é a existência de um financiamento forte e constante daquele capitalismo que, no discurso do regime, tem sido o principal obstáculo ao sucesso da “Revolução”. .

O paradoxo de um Partido Comunista "tropical" é tão grande e desavergonhado que, para forjar "novos homens" à imagem e semelhança de Che Guevara, é necessário aumentar constantemente seu exército de remetentes ao exterior e vender a Ilha nas agências de turismo como “paraíso dos prazeres”.(...)

COMENTO

O que mais me impressionava enquanto a mente fervilhava na redação de A tragédia da Utopia era saber que, naquele mesmo momento, em salas de aula brasileiras, professores ensinavam o oposto. Capturavam seus alunos nas armadilhas de suas narrativas, como o canto das sereias da Odisseia atraía os navegantes para naufragarem nos arrecifes do Mar Tirreno.   

Odisseu escapou dessa irresistível tentação amarrando-se ao mastro do navio e tapando com cera os ouvidos de seus marujos. Pergunto,  então: e quando as sereias do Tirreno cantam em sala de aula as maravilhas do socialismo, recortam a história universal para dela extrair apenas o que lhes convém, destroem nos alunos os valores do espírito e dos bens culturais de seu apreço? O mais provável é que décadas de vida sejam prejudicadas enquanto encalhadas nos arrecifes ideológicos para onde foram sedutoramente conduzidos.

Não amarre seus filhos num mastro. A melhor cera para os ouvidos é a verdade, é a boa informação. Foi pensando nisso que escrevi A Tragédia da Utopia.

Leia mais

UM PAÍS PARADO POR NADA

Percival Puggina

16/02/2021

 

Percival Puggina

 

         Fevereiro, 16. Olho a cidade morta. O silêncio de cemitério só é rompido, vez por outra, pelo motoboy que  passa levando remédio a alguém.

      Não me restam dúvidas. Vivemos, também, uma pandemia da tolice. Sinto vontade de recitar a consigna universal dos grevistas: “Por que, parou? Parou por quê?”. Ninguém responde porque a resposta é a confissão de uma imensa asneira nacional.

         Quem se arriscaria a dizer que paramos porque é carnaval?

         Carnaval? Onde? Como? Quando? Carnaval nesse silêncio de lockdown com tropas nas ruas?

         O Brasil que já parou por muitos motivos fúteis, nunca parou tanto e nunca parou por nada, como hoje.

        Graças ao modo brasileiro de ser, o carnaval é uma festa pagã que, por tanto transbordar a taça das liberdades, pediu vaga no calendário nacional. Posso não gostar, mas admito. No entanto, neste ano não há festa alguma! Elas estão proibidas em virtude da pandemia causada pelo coronavírus.

       Mantido o feriado, as pessoas foram concentrar-se nas praias onde ocorrem festas em tudo avessas às necessárias medidas de distanciamento e proteção. Então, para-se o país para que não aconteça o que acaba acontecendo porque o país parou.

        Não precisa explicar, leitor amigo. Como o macaco Sócrates, eu só queria entender.

Leia mais

Cadastre-se e receba a Newsletter

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt.


Vídeos


BLACK FRIDAY NA CÂMARA DOS DEPUTADOS

22/02/2021

O triste dia em que deputados trocaram preciosas garantias constitucionais por sorrisos amáveis do outro lado da praça.

OS 32 ANOS DE CENTRÃO E A HIPOCRISIA DA MÍDIA MILILTANTE

15/02/2021

A hipocrisia desvelada em oito minutos.

O QUE O CONGRESSO FINALMENTE FARÁ E O QUE INFELIZMENTE NÃO FARÁ.

04/02/2021

Uma leitura realista das eleições para as presidências do Congresso Nacional.

DEMOCRACIA SEM PRINCÍPIOS, SEM VALORES E SEM VERGONHA NA CARA?

31/01/2021

Por que é preciso laicizar todo o espaço público e tornar íntima toda expressão de religiosidade?

O PLURALISMO SINGULAR DA UFPEL

15/01/2021

Grande número das universidades federais está a serviço de pautas e causas políticas em prejuízo do pluralismo e da própria universalidade do conhecimento.

UMA VACINA NECESSÁRIA, MAS NÃO OBRIGATÓRIA, CONTRA O VÍRUS DO TOTALITARISMO. DOSE ÚNICA.

29/12/2020

Como proteger-nos da epidemia totalitária que ameaça a humanidade. Uma uma "vacina" filosófica antiga pode reforçar nossas convicções e evitar que as profecias de Orwell se concretizem.


LIVRO - A Tragédia da Utopia

É meu mais recente livro publicado. Aos 60 anos da revolução que destruiu a antiga Pérola do Caribe, ampliei e atualizei neste livro a primeira edição da obra, publicada em 2004. A análise da realidade cubana segue os mesmos passos, mas o foco do texto vai posto, principalmente, no jovem leitor brasileiro. Enquanto a primeira edição olhou de modo descritivo a realidade em si, esta segunda edição amplia as informações e registra as alterações constatadas ao longo dos últimos 15 anos, levando em conta a necessidade de confrontar as mentiras que a propaganda pró Cuba conta com a verdade que lá se vê, e de destruir com as razões da Razão os sofismas que são construídos para justificar a perversidade do regime.

 

Contato para aquisição através do link abaixo ou na seção Livros do Autor.


  Adquira o Livro

Fato Comentado

 

Veja como votaram os deputados de seu Estado em relação à prisão do deputado Danilo Silveira. Ele desrespeitou o próprio mandato, mas não poderia ser preso sem autorização da Câmara dos Deputados. E foi. Ao prendê-lo, o STF violou preceito inflexível da Constituição. A prerrogativa que a maioria da Câmara dos Deputados cedeu ao STF não é dela! É sua. A inviolabilidade do congressista por suas opiniões existe em respeito ao seu voto, eleitor.  Ao voto do cidadão. Existe para que seu parlamentar possa falar sem medo, possa dizer o que você não pode.  

Durante a sessão, um observador cuidadoso veria que alguns deputados já demonstravam receio de criticar o STF. Esvaziaram o próprio poder, furaram os próprios pneus  e aumentaram a arrogância dos arrogantes. Respeitaram quem não os respeitou!

É possível que órgãos de imprensa de seu estado tenham listado os votos dos deputados daí na sessão do dia 19 de fevereiro. Copie e guarde essa lista. Se não, acesse o link abaixo e anote os nomes. Veja como votaram, um por um, os deputados federais de seu estado. Guarde essa lista. Se foi eleitor de quem que se tenha posicionado a favor da manutenção da prisão, não renove esse voto em 2022.

Examine a lista aqui: https://congressoemfoco.uol.com.br/legislativo/prisao-de-daniel-silveira-veja-como-cada-deputado-votou/

  • Percival Puggina
  • 20 Favereiro 2021

Do site Templário de Maria

Em uma carta destinada ao Presidente da CNBB e o Núncio Apostólico, Dom Fernando Guimarães fez um alerta exemplar, de que o tempo da Quaresma não é espaço para se dialogar sobre temas polêmicos e contrários à autêntica doutrina de nossa Igreja. Comunicou que seus Capelães Militares não utilizarão o material da Campanha da Fraternidade deste ano, e informou que o valor da coleta será destinado aos pobres.

 

Brasília, 8 do fevereiro de 2021
Exma. e Revmo.
Dom WALMOR OLIVEIRA DE AZEVEDO – Presidente da CNBB
Brasília, DF – (C/C Nunciatura Apostólica no Brasil)
Assunto: Campanha da Fraternidade 2021
Excelência e prezado Irmão,
Com relação à Campanha da Fraternidade de 2021, em consciência, devo declarar o seguinte:

1.    O Serviço de Assistência Religiosa às Forças Armadas e Auxiliar o ecumênico em sua própria natureza e na atuação concreta junto à família militar. Os segmentos católicos, protestante o kardecista, aos quais pertence a maioria dos membros das Forças Armadas, convivem em harmonia e trabalham juntos. Nas celebrações inter-religiosas procuramos insistir sobre os valores comuns, partilhados por todos, e evitamos aqueles temas que são contraditórios ou não aceitos por todas as igrejas e denominações. O diálogo inter-religioso é necessário e oportuno somente quando, no respeito às diversas expressão de fé, é realizado em sedes competentes. A evangelização dos fiéis, no entanto, em qualquer tempo e ainda mais em um tempo especial como é a quaresma católica, não é espaço para se dialogar sobre temas polémicos e contrário à autêntica doutrina de nossa Igreja.

2.    Compete aos bispos diocesanos, como autênticos Mestres e guardiães do Depósito da Fé, garantir a ortodoxia da fé que é pregada aos seus diocesanos. Esta missão, objeto de solene juramento por parte de cada um de nós antes de nossa ordenação episcopal, compromete a minha consciência de bispo e a ela jamais poderei renunciar.

3.    Por este motivo, comunico-lhe que no Ordinário Militar do Brasil, durante a quaresma deste ano, seguiremos apenas as orientações teológico-litúrgicas próprias do tempo quaresmal e não serão utilizados quaisquer dos materiais produzidos oficialmente para a Campanha da Fraternidade deste ano. Nossos Capelães Militares estão sendo orientados, caso desejem abordar o tema da mesma, a utilizar unicamente a Fratelli Tutti do Papa Francisco.

4.    Também o percentual da coleta destinado a esta Conferência Episcopal – e repartido com outras entidades promotoras da Campanha – não será enviado e sim, real e efetivamente, empregado no socorro aos pobres, através de obra social reconhecida pelo Ordinariado Militar. Sobre este uso, será meu cuidado prestar contas posteriormente à Presidência.

Em união de oração, pela construção de uma autentica comunhão episcopal,

Dom Fernando Guimarães,
Arcebispo do Ordinário Militar do Brasil

  • Do site Templário de Maria
  • 15 Favereiro 2021

 

Percival Puggina

 

         Do que tenho lido, a indicação da deputada Bia Kicis  para o comando da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados encontra resistência nos lugares certos. Haveria algo errado se concordassem, se é que me faço entender. Eles estão sempre a postos, como faróis piratas para desviar o Brasil de sua rota. Deixe de lado esses faróis fajutos e siga em frente.

         São os mesmos comentaristas, analistas, opiniáticos e palpiteiros de todo dia, atuando em três turnos de oito horas, sete dias por semana. “Como pode ser presidente da mais importante comissão da Câmara dos Deputados uma parlamentar bolsonarista?”, perguntam com fingido espanto. Fico pensando. E pergunto aos ventos: “Será uma mulher presidindo a CCJ. Sumiram as feministas?”. Sim, responde o sábio vento. Estas só defendem as companheiras.

         Depois de tanto ouvir a mesma lengalenga fui dar uma pesquisada e, para surpresa minha, de fato, nenhuma mulher, até hoje, presidiu aquela comissão. Nenhuma! E quando surge uma, credenciada, cai sobre ela o “estigma” de bolsonarista, de extremista. Interessante é que quando o Dr. Luiz Eduardo Greenhalgh, petista, advogado do MST, extremista de fazer dó, assumiu a CCJ em 2003, no início do governo Lula, ninguém apareceu para dizer que ele não poderia fazê-lo por ser lulista, petista e extremista.

         Nada foi dito, tampouco, contra a indicação ao mesmo cargo, já na era Dilma, do famoso João Paulo Cunha, lulista e dilmista, condenado posteriormente no mensalão e indultado em 2016. Nem contra a do também petista Vicente Cândido em 2014.

         Dê a esse tipo de conduta o nome que quiser. Só não leve toda essa hipocrisia a sério porque ela desdenha de seu discernimento. Sempre que perdem, querem que tudo continue como antes.

  • Percival Puggina
  • 13 Favereiro 2021

 

Leio em CubaNet

Uma exigência do Departamento Técnico de Investigações (DTI) às instituições de ensino de Trinidad pede aos alunos do ensino médio e pré universitário dados de suas redes sociais

No grupo privado do Facebook Trinitários, uma usuária identificada como Mercedes denunciou que as escolas do município pedem a crianças e adolescentes dados relativos a seus perfis em redes sociais e celulares. Eles atribuem essa demanda a uma exigência do DTI às instituições de ensino.

Na publicação, outros usuários corroboraram a ordem e expressaram sua contrariedade. "É verdade, minha filha foi convidada", escreveu Jenny, ao que outra mãe, Yuleydi, acrescentou que, no caso dela, a mesma coisa aconteceu.

CubaNet confirmou a denúncia com outros quatro familiares dos alunos envolvidos. Todos concordaram que entre os dados que os meninos deveriam compartilhar estavam: número do celular e nome do dono da linha, perfis nas redes sociais e grupos a que pertencem nos canais do Facebook, WhatsApp  e Telegram. Nenhuma dessas famílias foi informada ou pediu consentimento.

As famílias relatam que em meados da semana anterior, em vários centros de ensino médio e médio da cidade, os professores colocaram uma folha em branco na frente dos alunos para que eles preenchessem os dados descritos acima. Como disse a CubaNet Margarita, tia de um dos adolescentes, poucos dias depois no colégio urbano Eduardo García Delgado, os professores chamaram os pais porque alguns jovens haviam fornecido informações falsas sobre seus perfis. Eles não concordaram em fornecer os dados e mentiram. A demanda de registro, expressaram então, partiu do DTI e não da escola. Eles não devem resistir.

Quando questionada sobre o motivo de quererem localizar os perfis de cada um dos meninos e dos grupos a que pertencem, Margarita especula que parece um “mecanismo de vigilância para limitar o que eles podem compartilhar ou falar nas redes”.

Em 2017, uma análise da Anistia Internacional da censura de Cuba ao espaço virtual e aos mecanismos de controle os descreveu como uma extensão da vigilância cidadã realizada no mundo offline. O estudo acrescenta que saber que você está sendo observado na Internet aumenta a probabilidade de a autocensura consumir ou compartilhar conteúdo que pode ser crítico para a gestão do Estado. Este, para alguns dos familiares entrevistados, pode ser um dos objetivos da medida.

Vários estudantes cubanos, principalmente de nível superior, têm sido perseguidos por suas postagens em redes críticas à gestão do Estado. Em setembro de 2020, o estudante de medicina José Carlos Santos foi expulso da carreira após intercâmbio online que manteve com um empresário da província de Artemisa. O jovem de 23 anos foi separado da universidade por responder a um oficial de Mariel quando ele chamou os emigrantes cubanos de "vermes". Com esta medida de vigilância, um funcionário local entusiasta procura impedir a liberdade de expressão dos adolescentes?(...)

COMENTO

Quando estive em Havana, pela segunda vez, já havia internet na Ilha. Algo que pareceria uma lan house funcionava em ponto comercial no centro da cidade. No entanto, quando quis expedir um artigo por e-mail, com observações sobre a Ilha, para o jornal Correio do Povo, percebi que a tarefa de digitação e envio ficava a cargo de uma servidora do Estado... Mudei de ideia. De outra feita, os hotéis já dispunham de internet na portaria, o que dava mais ou menos no mesmo, mas era por ali que operavam os correspondentes estrangeiros. Em 2011, os celulares já haviam chegado e o controle estatal chegou junto.

Se hoje nos incomoda, justificadamente, a censura das plataformas, o fechamento de contas incômodas, imagine o que significa viver permanentemente, desde a infância, sabendo que está sob observação e que toda expressão de seu pensamento é controlado pelo Estado. Mas a esquerda brasileira, "democrática" como ela só, adora aquele regime e seus criminosos.

  • CubaNet
  • 11 Favereiro 2021

 

Percival Puggina

 

         O normal teria sido o ex-presidente Rodrigo Maia, antes de sair, demitir os ocupantes de cargos de confiança que serviram durante sua gestão. Dele, porém, não se esperem gestos dessa natureza, que acentuassem sua perda de prestígio. Então, o novo presidente da Câmara dos Deputados demitiu a totalidade dos cerca de 500 ocupantes de cargos de confiança cujas nomeações e demissões passam, agora, pela sua caneta. Parte não tem vínculo funcional com o Legislativo; parte integra os quadros permanentes da Casa e perde as gratificações correspondentes.

         O fato e o quantitativo são aberrantes. Quinhentos cargos de confiança na gestão da Casa mostra uma desproporção entre o custo de produção e a mercadoria entregue.  Dei uma olhada no Portal de Transparência da Câmara e encontrei um total de 16,6 mil servidores. Quantas empresas brasileiras têm tantos funcionários? Quinhentos só na conta da diretoria?

         Se, por um lado, impressionou-me a notícia divulgada pela imprensa, por outro, impressionou-me ainda mais o modo acrítico com que foi transmitida à sociedade, como se nada houvesse ali a ser dito em favor desta, contra tamanha prodigalidade.

Ou esse silêncio é uma proteção ao ex-quase-primeiro-ministro cortejado pela mídia militante, ou é um total descaso ao interesse nacional.

Em virtude dessas omissões, nos próximos dias todos os cargos agora vagos estarão preenchidos por novos ocupantes...

  • Percival Puggina
  • 08 Favereiro 2021