Puggina.org by Percival PugginaConservadores e Liberais

Imagem Comentada

EM TEXTO BRILHANTE PADRE CUBANO DESMASCARA O REGIME

Por Cubanet

"Cuba é uma grande prisão onde, se você se comporta mal, colocam-no em outra pequena"

Há cada vez mais vozes da Igreja em Cuba denunciando publicamente a situação que atravessa a Ilha.

Se há duas semanas foi Jorge Luis Pérez Soto, sacerdote da Paróquia de San Francisco de Paula, quem atacou o regime por governar em detrimento do povo, ontem foi o padre Alberto Reyes Pías, de Esmeralda, em Camagüey, que se manifestou contra as injustiças.
Em uma extensa publicação postada em seu perfil no Facebook, o religioso cubano abordou amplamente os problemas que afligem a nação.

“Cuba é uma grande prisão onde, se você se comporta mal, eles o colocam em uma menor. E como numa prisão, finalmente, nos sentimos controlados. Temos medo de dizer o que pensamos, de dizer o que queremos. Temos medo de que, de uma forma ou de outra, bloqueiem nosso estudo ou trabalho, que tornem nossa vida mais difícil do que já é. Temos medo de sermos convocados e ouvir repreensões, avisando-nos da nossa 'má conduta' ", afirmou.

O Padre assegurou que, na ilham o povo vive em escravidã, condição marcada pelo fato de “viver sem honra e sem respeito”.

“Enquanto isso, continuamos cantando nosso hino nacional e repetindo que 'viver acorrentado é viver em insultos e na vergonha afundados' ... E não é escravidão viver com medo de dizer o que você acredita e pensa? Não poder decidir sobre a própria vida e sobre a vida do nosso país? E não é escravidão viver com o horizonte de sobreviver ou sair do país? ”, questionou o pároco.

Reyes Pías também argumentou que o medo se tornou uma condição que transcende a vida cotidiana e que define a maioria dos habitantes da ilha.

“Temos medo, nascemos com medo, crescemos com medo, vivemos com medo ... Vamos entender uma vez: sempre teremos medo, e nunca faremos nada se não aprendermos a viver apesar do medo, se não agirmos de acordo com nossa consciência enquanto o medo flui por cada uma de nossas artérias ”.

Para o religioso, "o comunismo é uma grande mentira" e "Cuba é como um grande teatro, onde mentimos uns para os outros como parte de uma peça que não precisa mais ser ensaiada".

“Que somos uma potência médica: uma mentira. Que o sistema educacional é extraordinário: uma mentira. Que somos internacionalistas por pura generosidade: uma mentira. Que o National Television News mostra a realidade do povo: uma mentira. Que as manifestações de 1º de maio e 26 de julho são naturais e voluntárias: uma mentira. Que as brigadas de resposta rápida nada mais são do que a reação espontânea do povo impetuoso que defende sua Revolução: uma mentira. Que não temos presos políticos: mentira. Que em Cuba os direitos humanos sejam respeitados: uma mentira. Que não há oposição e dissidência: uma mentira. Que, como povo, apoiamos incondicionalmente o socialismo: uma mentira. Que acreditamos que o sistema eleitoral é o melhor do mundo: uma mentira. Essa vida digna da velhice está garantida: mentira. Que somos felizes aqui: mentira”, expressou o Padre.

Alberto Reyes Pías também questionou o papel da Igreja em Cuba, cujo "silêncio cúmplice" nada mais faz do que legitimar o sofrimento dos cubanos.

“Não posso deixar de dizer com dor que sofro o silêncio dos meus bispos. Não é verdade que a Igreja não falou, não é verdade, porque somos todos Igreja e muitos leigos, padres, religiosos, até mesmo alguns bispos pessoalmente ..., dissemos o que pensamos e continuamos a dizê-lo.

O sacerdote destacou que Cuba “precisa de uma mudança” e que, a julgar pelas condições políticas existentes na ilha, “só a Igreja Católica está em condições de conduzir um diálogo e propor uma transição”.

“Há muitas pessoas empurrando na direção certa, muitas pessoas comprometidas, tenazes e corajosas. Há muita gente no exterior apoiando esse povo e lutando por essa transição, mas de onde eles estão não têm o poder de provocar uma mudança interna ”, declarou.

Na mesma linha, no dia 18 de outubro, o religioso Jorge Luis Pérez Soto fez referência à imposição do poder político sobre a vontade popular em Cuba, fato que classificou como um empecilho ao "bem comum".

Durante uma leitura de tempo normal na Paróquia San Francisco de Paula, em Havana, o sacerdote destacou que “quando um governante não está disposto a renunciar, a sair do caminho pelo bem comum, pelo bem de seu povo, pelo bom da sua sociedade ... ele é um tirano ”.

*Publicado originalmente em Cubanet (02/11/2020)

**Traduzido para o língua portuguesa pelo editor do blog.