Segundo o The Gap Report, feito pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids, o número de novos casos de infecção cresceu 11% no Brasil entre 2005 e 2013, período durante o qual cerca de 42 mil pessoas contraíram o vírus. Estima-se que três em cada mil brasileiros sejam portadores da doença.
 É fácil entender por quê. Infelizmente, no Brasil, quando se fala em prevenção da AIDS e em educação sexual, toda o esforço didático está posto na fisiologia e no preservativo de borracha para evitar gravidez indesejada e contaminação por doenças sexualmente transmissíveis. Nenhuma palavra é dita sobre a enorme responsabilidade inerente ao ato sexual.
 Conhecidas as características da AIDS, seria de imaginar que o governo e os meios de comunicação investissem em campanhas visando a combater as causas. Mas não. O que mais se vê é um constante e sedutor estímulo à promiscuidade e ao desregramento, desde a mais imprudente idade. Isso é o mesmo que promover, para segurança no trânsito, uma campanha assim: "Pise fundo no acelerador, mas use cinto de segurança".
 

  • 18 Julho 2014

LEGADOS DA COPA

Eis que, finalmente, estamos conhecendo de perto um "legado da Copa". Centenas de ganeses estão pedindo asilo no Brasil. Oficialmente como turistas, eles vieram para "assistir aos jogos da Copa". Mas desejam permanecer no país sob variadas alegações cujo intuito final é fazer crer que correm risco de vida se retornarem a Gana.

O que não se consegue entender é como nossa embaixada em Gana concedeu vistos de turistas para pessoas em situação miserável, que viajavam apenas com passagem para chegar no Brasil, sem bilhete de retorno, sem dinheiro no bolso e sem tíquete de ingresso para qualquer jogo da Copa. Todo o desenho da situação aponta para um caso de tráfico humano a exigir tratamento caridoso às vítimas, rigorosa investigação da conduta criminosa de quem agenciou essa inusitada imigração, e procedimentos administrativos em relação à pouco razoável expedição de vistos pela Embaixada do Brasil em Gana.
 

  • 17 Julho 2014

UMA CAMPANHA BILIONÁRIA

 Pela primeira vez a eleição presidencial, na soma dos gastos de todos os candidatos, deve encostar no teto de R$ 1 bilhão. É o que informam os próprios postulantes ao TSE. E há quem queira transferir esse custo para o orçamento da União, vale dizer, mandar a conta para mim e para vocês que me leem!

 Isso é um completo disparate que só pode contar com a concordância de quem for beneficiado pelo nosso desembolso. É incrível que o mundo político ainda albergue pessoas que veem os recursos da União como algo próprio dela, captado dos ventos... E o pior é que esse gasto, para escolha do governante federal simplesmente desapareceria com a adoção do parlamentarismo.
 

  • 15 Julho 2014

Se não hoje, muito certamente no decorrer desta semana, será votado o PDC 1491/14. Se aprovado, revogará o perigosíssimo decreto presidencial 8243/14 que pretende espalhar conselhos populares ao longo de todos os troncos, galhos, ramas e folhas da gigantesca administração pública federal. Tal decreto ficou conhecido como "decreto dos sovietes" em alusão aos conselhos que atuaram no início do processo russo de transição para o comunismo. Por isso, é importante apoiar o PDC 1491/14. O número telefônico acima atende e grava as mensagens transmitidas sobre o assunto. 

  • 14 Julho 2014

O futebol não é exatamente a minha praia. No entanto, o sofrível desempenho da seleção brasileira me leva a algumas ponderações. Nossos atletas convocados atuam em algumas das melhores equipes européias e não me consta que estejam relegados ao banco ou ao ostracismo. Enfrentam equipes qualificadas. Recebem altos salários e têm passes valorizados. Todos seriam titulares, também, em qualquer equipe brasileira. Onde encontrar, então, a explicação para esse desastre? A meu ver, os visíveis problemas dos clubes e da seleção brasileira devem estar relacionados aos treinadores. Enquanto todos os grandes clubes buscam atletas brasileiros, nenhum está interessado nos nossos treinadores. Por quê?

  • 12 Julho 2014

POLITICAMENTE CORRETO - DOIS CONCEITOS

Atribui-se a um estudante australiano a frase segundo a qual - "Politicamente correto é uma doutrina, sustentada por uma minoria iludida e sem lógica, que foi rapidamente promovida pelos meios de comunicação e que sustenta a ideia de que é perfeitamente possível pegar num pedaço de excremento pelo lado limpo".

Também a respeito do tema, pode-se afirmar, sem medo de errar que o "politicamente correto" constitui uma forma de opressão estabelecida no plano da cultura. Em seus desdobramento favorece a ditadura da minoria.
 

  • 11 Julho 2014