• Eng. Eduardo A. A. Domingues
  • 27 Maio 2021

 

Eng. Eduardo A. A. Domingues

 

Sabem o que aconteceu no Brasil? 

Ah! Ainda não acordaram...? 

O poder está mudando de mãos.

O poder econômico está no agronegócio que representa 40% do PIB...!

A indústria...? Meros 14,5 %! 

O petróleo...? Caminha para o seu funeral.

 Imagina que apenas em uma região de Minas, a mais pobre, o Norte de Minas, até 2022, 70% de um projeto de geração de energia solar estará concluído e corresponderá à geração de  meia Itaipu.

É de uma única empresa: a Solatio, sem dinheiro público. 

Já imaginou...? Cadê a poderosa Petrobras...? Cadê o petróleo...? 

O poder mudou de mãos. Acordem...! 

Mesmo com a pandemia o agro continua crescendo.

Hoje, é responsável pelas reservas internacionais, pela exportação crescente.

Cadê o poder dos sindicatos...? 

Cadê o poder da mídia tradicional...? 

Cadê o MST...? 

Cadê a Bossa Nova...? 

O Brasil que está crescendo não é socialista, não...!

Não está nem no Rio nem em São Paulo. Está no agro. 

A música que dominou, é a sertaneja. Não é a Bossa Nova, não. 

Vejam como a viola sertaneja faz sucesso. 

Como muitos artistas que representam o campo estão ricos. 

Vejam os festivais de viola sertaneja. 

Escutem os grandes violeiros. 

 

Este poder do campo dominou o país financeiramente e culturalmente. 

O sucessor de Bolsonaro será provavelmente um conservador.

Da bancada ruralista. 

Este poder do campo foi criado por um estrategista, General Geisel, que criou a Embrapa. 

A maior empresa de pesquisa de agricultura tropical. 

A Embrapa é pura  tecnologia em seus 41 centros de pesquisa... cheios de PHDs. 

O poder é tecnológico. 

Tecnologia pura! 

O Brasil mudou mesmo. 

Nada de socialismo. 

Não existe fazendeiro socialista 

Andam de jatinho mas escutam Chitãozinho e Xororó, Bruna Viola, Tião Carreiro, Adriana Farias, Zezé di Camargo e Luciano, Marcus Biancardini, violeiro com nome de tenor italiano, mas, capiau de Goiânia.

Vejam a cara de rainha da Ministra da Agricultura. 

A rainha Tereza Cristina.

Agrônoma.

Vejam o programa ferroviário que está sendo implantado para exportar soja e milho. 

Veja a abundância de investimentos no setor. 

Já somos o maior produtor de soja do mundo. 

Já somos o maior exportador de alimento do planeta e estamos apenas começando.

A mídia tradicional, os sindicatos, os partidos socialistas, o petróleo combustível já se foram. 

Já pensou a fruticultura no Nordeste, após a transposição do São Francisco...?

 A combinação água e energia solar produzida localmente, sem depender de Itaipu, de Furnas.

Novos polos produtivos vão nascer, produzindo ovinos, caprinos, peixes, uvas, vinhos... e muito forró para mostrar que a cultura nordestina é alegre e riquíssima...!

Os nordestinos que foram escravizados durante anos pela esquerda agora estão sendo cuidados pelo governo federal.

 Vão colorir o Brasil com sua arte Naif, suas rendas lindas e seus trançados de palha cheios de arte.

Acordem...!

O poder mudou de mãos.

*O autor é diretor da NOVA Comunicação

Continue lendo
  • Leandro G.M. Govinda
  • 25 Maio 2021

 

Leandro G.M. Govinda

 

Quando a pandemia acabar, os cientistas poderiam começar a investigar um transtorno muito comum na atualidade. Ainda não existe nome para isso, mas poderia muito bem ser chamado de transtorno do discurso contraditório ou síndrome do duplo standard. O sintoma mais eloquente consiste em sustentar ideias incoerentes e lançar mão de rótulos como fascista, racista e machista para terminar qualquer discussão quando seus argumentos não convencem o interlocutor. Trata-se de um distúrbio de fácil diagnóstico, bastando observar a opinião do paciente sobre os temas que estão rotineiramente nos noticiários.

Por exemplo, há pessoas que defendem o aborto aduzindo que a mãe tem o “direito” de matar o próprio filho enquanto o hospeda no seu ventre. Agora, é um sinal do transtorno se o militante pró-aborto sai às ruas para protestar contra o abate de animais para consumo humano. Escapa à razão uma pessoa sugerir que um porco tem direito à vida, mas um bebê em gestação não. A propósito, registre-se que já tem lunáticos defendendo que a mãe possa dar cabo da vida do filho enquanto este não tem consciência de si mesmo, ou seja, até os 4 anos de idade (1).

Outro caso grave é o do sujeito que defende a liberação da prática sexual entre pedófilos e crianças ao argumento de que uma criança, mesmo de tenra idade, tem discernimento para consentir com um ato sexual. Geralmente, esse sujeito anda de mãos dadas com a turma que sobe nas tamancas quando uma mulher adulta recebe uma cantada de um colega de trabalho. É simplesmente um disparate dizer que uma criança pode se defender de um pervertido e, por outro lado, sugerir que uma mulher adulta seja incapaz de lidar ou se esquivar de um assédio no ambiente de trabalho.

Mais um sinal claro da síndrome consiste em advogar a favor da liberação do uso de drogas alegando que fumar maconha no parquinho traz malefícios apenas para a saúde do maconheiro e, ao mesmo tempo, querer impor uma dieta vegetariana para todo mundo e proibir o churrasco do final de semana porque comer carne aumenta o colesterol.

Também é um indicativo de confusão quando o sujeito defende o direito das pessoas, inclusive adolescentes, de se submeterem a uma cirurgia para mudar de sexo sem maiores reservas, mas promove campanhas para impor severas restrições à mulher ou ao homem que deseja se submeter à laqueadura ou à vasectomia ao argumento de que se trata de um ato irreversível.

Se você ainda não reparou, note que essas ideias permeiam a cartilha do discurso progressista. Daí porque é tão difícil debater ou dialogar com a turma do “progresso”. Como discutir com alguém que apoia o desarmamento da população, mas ao mesmo tempo acredita que o bandido na favela tem o “direito” de portar fuzis para se “defender” da polícia? Como argumentar com alguém que chama de “ataque” à religião muçulmana o arremesso de pedaços de bacon contra uma mesquita e, por outro lado, classifica como “manifestação” o ato de atear fogo em igrejas católicas? O que dizer para aqueles que defendem o confinamento das pessoas em casa para conter a disseminação do vírus chinês, mas não veem nenhum problema em multidões saírem nas ruas para protestar em nome de minorias? O que fazer diante de um sujeito que acredita que é desproporcional e injustificada a contraofensiva de Israel lançando meia dúzia de foguetes contra alvos certos do grupo terrorista Hamas em resposta à chuvarada de mísseis que esses terroristas lançaram contra Israel?

A adoção de dois pesos e duas medidas para julgar os fatos torna quase impossível o debate sério e honesto. O resultado disso está aí para quem quiser ver: uma sociedade de pessoas desorientadas e incapazes de se comunicarem umas com as outras. E talvez seja esse mesmo o objetivo do movimento progressista: disseminar pensamentos desconexos para confundir as pessoas até que elas percam a sua racionalidade, tornando-as vulneráveis ao controle social, afinal é muito mais fácil manipular uma pessoa que não consegue raciocinar direito do que outra em pleno domínio das suas faculdades mentais.

Por isso, se você conhece alguém com sintomas do transtorno do discurso contraditório ou da síndrome do duplo standard, não perca seu tempo discutindo. Ou, antes, exija uma única virtude do seu interlocutor: coerência. Sem esse mínimo, qualquer debate é inútil, como semear no deserto. E você ainda corre o risco de perder um amigo e ser chamado de fascista, racista, machista...

(1) https://www.gazetadopovo.com.br/ideias/pratica-do-aborto-pos-nascimento-ganha-defensores-no-meio-academico-egsrbjqxywkrxj05zgb7aiy4u/

Leandro G.M. Govinda é Promotor de Justiça em Santa Catarina. Formou-se em Direito na Universidade Federal de Santa Catarina, especializou-se em Direito Tributário pela Universidade do Sul de Santa Catarina e estudou na Universidade George Washington em Washington D.C. Foi pesquisador do CNPq, Técnico e Auditor-Fiscal da Receita Federal e Procurador da Fazenda Nacional. Ex-Professor da Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL) e da Escola do Ministério Público.

Continue lendo
  • Alex Pipkin, PhD
  • 23 Maio 2021

Alex Pipin, PhD


Ontem me envolvi numa conversa com amigo, saudando o cessar-fogo entre os terroristas do Hamas e Israel.
Israel tem se defendido dos mais de 4.000 foguetes que foram lançados pelo grupo terrorista a seu território.
Obviamente, Israel respondeu, uma vez que não poderia deixar de defender seu território e seus cidadãos.
Imaginem se qualquer outra nação fosse atacada por mísseis terroristas, o quê fariam? Revidariam com flores?!
Claro que há mortos, é uma guerra, mesmo que objetivamente as tropas israelenses se preocupem com os civis em Gaza, a estratégia terrorista é justamente se esconder em meio a população a fim de mitigar a possibilidade de serem abatidos.
O cessar-fogo, absolutamente, será apenas uma pausa para o “recarregamento” de armas, com o inestimável apoio do Irã.
O objetivo explícito dos terroristas do Hamas, sua razão de viver, é varrer o Estado de Israel do mapa, custe o que custar.
Os palestinos de bem não querem os terroristas do Hamas, que se auto denominam como os genuínos guerreiros da causa palestina, na Faixa de Gaza.
A “administração” do Hamas em Gaza é de fato um circo estabelecido para montar e armazenar armamentos pesados em escolas, em hospitais e em prédios estratégicos na região.
Infelizmente, não sou otimista em relação a qualquer acordo com esse tipo de grupo terrorista. Eles não desejam a ordem e a paz, eles querem sangue e mortes.
É sim cruel para os habitantes de Gaza, mas o ciclo terrorista não vai acabar.
O assunto é por demais complexo, a lógica da guerra é perversa e destruidora, mas com terroristas insanos não há possibilidade de negociação.
Portanto, o que prognostico é a abissal probabilidade de que o Hamas volte a encher o céu de Israel com mais e mais foguetes.

Continue lendo
  • Gilberto Simões Pires, em Ponto Crítico
  • 22 Maio 2021

Gilberto Simões Pires

          

TIME DE RANCOROSOS

No dia 28 de outubro de 2018, quando, em 2° turno, Jair Bolsonaro foi eleito presidente do Brasil, tanto a OPOSIÇÃO quanto a MÍDIA ABUTRE já davam claros e efetivos sinais de que estavam dispostos a inviabilizar, de todas as formas possíveis e imaginárias, as ações do governo. Mais: tratariam, o quanto antes, aí já com a importante colaboração do STF, que se juntou, de forma determinada, ao -TIME DE RANCOROSOS-, de incutir na mente do povo brasileiro que o Chefe do Executivo deveria ser mandado às favas o mais rápido possível. 

MANIFESTAÇÕES DO POVO

De lá para cá, tudo aquilo que já se previa em termos de pressão visando a inviabilização das propostas que estão contidas no Plano de Governo do presidente Bolsonaro foi cumprido à risca, sem a mínima moderação. Entretanto, o que não se confirmou, para desespero do TIME DE RANCOROSOS, foi a ideia de que o povo brasileiro, mais dia menos dia, se deixaria levar pelas NARRATIVAS e AÇÕES TERRORISTAS que resultariam em efusivas manifestações PRÓ IMPEACHMENT do presidente.

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Vejam que a REFORMA DA PREVIDÊNCIA, por se constituir num problema extremamente dramático e crucial para as Contas Públicas, independente de quem era ou viesse a governar o Brasil, foi a única medida que ficou fora das garras do poderoso TIME DE RANCOROSOS. As demais, sem exceção, quando resultaram aprovadas foram sob tiros de canhões apontados por opositores desbragados. Mais: a maioria das propostas segue mofando no Legislativo, com alegações infundadas e/ou absurdas, impedindo que o Brasil decole de uma vez por todas.

A ECONOMIA PRONTA PARA A GUERRA

Pois, com tudo isto que está acontecendo, sem a menor possibilidade de NEGAÇÃO, a ECONOMIA BRASILEIRA vem mostrando que tem força para garantir um razoável crescimento. Quem se dispõe a olhar o panorama que se desenha na janela que descortina o horizonte do segundo semestre de 2021 verá, com boa clareza, que a ECONOMIA BRASILEIRA reúne condições para GANHAR A GUERRA imposta, de maneira suja e rasteira, pelo lamentável TIME DOS RANCOROSOS.    

PRIMEIRA DIVISÃO

Queiram ou não os fervorosos apoiadores/torcedores do TIME DOS RANCOROSOS, certas ações, notadamente aquelas que resultam em possibilidades reais de PRIVATIZAÇÕES, NOVAS CONCESSÕES e AÇÕES VOLTADAS PARA  A INFRAESTRUTURA, o governo tem tudo para fazer com que o TIME FORMADO PELA INICIATIVA PRIVADA marque gols necessários para levar o nosso empobrecido Brasil à sonhar com a PRIMEIRA DIVISÃO. 

GOLDMAN SACHS

Aliás, as apostas no crescimento da economia brasileira para 2021 já podem ser vistas e comentadas por várias instituições financeiras internacionais. Vejam, por exemplo, o que disse nesta semana o chefe de pesquisa econômica do Goldman Sachs para a América Latina, Alberto Ramos: - O Goldman Sachs elevou de 4,1% para 4,5% a previsão de crescimento do PIB brasileiro em 2021 após dados mostrarem que o país teve uma atividade maior que a esperada em março deste ano e demonstra força nos dados referentes ao segundo trimestre, assim como uma melhora nos termos de troca (relação entre o valor das importações e o valor das exportações de um país em determinado período). Esperamos que a economia recupere-se visivelmente nos próximos trimestres em linha com o progresso (gradual) da vacinação da covid, da reabertura gradual da economia, do estímulo fiscal renovado, da recuperação da confiança dos consumidores e das empresas, de termos de troca muitos favoráveis e do pano de fundo em geral.

Continue lendo
  • Gilberto Simões Pires, em Ponto Crítico
  • 16 Maio 2021

Gilberto Simões Pires

         

SAFETY CAR

Quem acompanha as competições automobilísticas tipo Fórmula 1, Stock Car, GP2, entre outras, certamente já viu a presença do Safety Car nas pistas. O acionamento deste veículo se dá sempre que a segurança dos pilotos fica em risco, como no caso  de acidentes, de chuvas muito fortes e/ou quando detritos, óleo, areia ou pedaços de pneus ficam espalhados na pista, aumentando ainda mais a probabilidade de novos desastres.  

ZIG-ZAG

Com o Safety Car na pista, os pilotos ficam obrigados a manter a posição anterior, quando as bandeiras vermelhas foram ativadas, sendo que os carros devem ficar em fila única, atrás do Safety Car, até a liberação total da pista. Assim, as distâncias entre um e outro simplesmente deixam de existir, o que pode dar mais emoção à competição. Mais: ao longo da permanência do Safety Car na pista, como a preocupação maior é com a temperatura dos pneus, os pilotos se veem obrigados a realizar um constante ZIG-ZAG com o propósito de mantê-los minimamente aquecidos.

COMPARAÇÃO

Pois, fazendo uma simples comparação entre o que acontece nas competições automobilísticas e a nossa economia, a situação que estamos vivendo dá a entender que estamos diante da presença de um Safety Car na pista, onde PRODUTORES, INVESTIDORES E CONSUMIDORES estão aguardando, ansiosamente, que a VACINAÇÃO atinja o patamar necessário para a liberação de todas as atividades. A partir daí a CORRIDA ECONÔMICA, graças à LIBERDADE, poderá recomeçar pra valer dando enormes emoções e motivação para que todos saiam vitoriosos.

ATIVIDADES SENDO AQUECIDAS

Por enquanto, felizmente, já se percebe que muitos agentes que participam da CORRIDA ECONÔMICA, para manter aquecidas as atividades (pneus), já estão fazendo o ZIG- ZAG necessário. Aliás, a rodada de bons balanços de empresas, referentes ao primeiro trimestre de 2021, é um indicador forte do quanto é promissor e possível um importante crescimento do PIB para este ano e seguintes. 

NOVAS EMOÇÕES

Diante de tamanha disposição que vem sendo demonstrada pelos competidores da INICIATIVA PRIVADA, fico imaginando o quanto seria maravilhoso para todos, competidores e assistentes, se os PODERES LEGISLATIVO E JUDICIÁRIO tratassem de ajudar na LIMPEZA DA PISTA, através da aprovação da longa pauta de projetos que fariam, indiscutivelmente, com que a CORRIDA ECONÔMICA pudesse recomeçar com as EMOÇÕES que só a LIBERDADE de poder fazer e acontecer é capaz de conferir e promover. 

LIBERDADE

Resumo: Não precisamos de um NOVO NORMAL. Precisamos, apenas e tão somente, de LIBERDADE. Quanto mais LIBERDADE, maior o potencial para crescimento e desenvolvimento. O resto é só o resto.

Continue lendo
  • Alex Pipkin, PhD
  • 16 Maio 2021

 

Alex Pipkin. PhD


Não dá pra ficar quieto e aguentar essa turma de sinalizadores de virtudes - falsas e hipócritas - “preocupados com as vidas” na Faixa de Gaza.

Esses terroristas assassinos do Hamas são colocados em pé de igualdade com cidadãos de bem israelenses - e até celebrados - por parte dessa mídia canhota sem vergonha.Triste ver judeus “vermelhos” neste barco...

Esses cretinos do Hamas se aproveitaram de uma situação interna em Israel para abarrotar o céu do país com foguetes. Só um idiota não sabe que o objetivo é a eliminação do Estado de Israel.

Evidente que essa canalhada terrorista já esperava uma reação e o apoio incondicional da mídia global.

Israel foi atacado e nada mais justo e moral do que defender seu território e seu povo.

Claro que não existe moral nesse bando terrorista, ao passo que a moral da mídia é sempre relativista. O que vale para outros países, não vale para o “malvado” Estado de Israel.

Grande parte do que tenho visto e lido sobre o conflito é repugnante!
Ridículo, colocam os valores do Hamas no mesmo universo moral de Israel.

Na minha ótica, este não será o último bombardeio do Hamas a Israel, todos sabem as razões.

PORTANTO, SEMPRE QUE ISRAEL FOR ATACADO DEVE SE DEFENDER!

Aqueles da “moral superior” podem alegar que são forças diferentes e que Israel deve ter mais moderação.

Minha resposta muito sincera a quem pensa assim:  sempre é hora de Israel, ameaçado ou atacado, proteger com todo vigor seus cidadãos.

Continue lendo