• Percival Puggina
  • 27/02/2021
  • Compartilhe:

O BRASIL FALANTE NÃO CONHECE O BRASIL

 

Percival Puggina

         É fato. Há um Brasil que fala e fala muito. Fala nos microfones, diante das câmeras e nas redações dos jornais. Fala nas cátedras, nas salas de aula e em conferências. Fala nos púlpitos, nos tribunais e nos manifestos. Fala nas lives e nas redes sociais. Falam uns aos ouvidos dos outros. Mas se algo os caracteriza é o desconhecimento tátil, olho no olho, do Brasil que não fala, parte significativa do Brasil real. Para conhecê-lo, é preciso observação persistente e continuada e poucos, pouquíssimos vão até ele. Poucos se importam. Pouquíssimos se importam! Não se importam os que mantêm suas festas e superlotam seus points. E falam, uns para os outros.

         É fato. Há um Brasil mudo, dos ônibus de subúrbio, dos brasileiros cuja única esperança é continuar sobrevivendo em meio às próprias carências, tendo a fome como companheira do desemprego.

Esse Brasil não veraneia nem festeja.

Esperneia e, com sorte, toma uma cerveja.

         Também sou do Brasil falante. Também falo e sou ouvido pelos que igualmente falam. Faço conferência, escrevo, assino manifestos e gravo vídeos, que são ouvidos e assistidos por outros falantes como eu. Também eu não conheço o Brasil mudo. E vice-versa.

         Outro dia, enquanto era atendido por um trabalhador no Brasil falante, indaguei-o sobre como ficaria sua situação a partir das novas regras impostas àquela atividade. Seu olhar foi um discurso. Um manifesto. Uma live inteira.

         Não acredito que a paralisação de tantas atividades não possa ser substituída por outras medidas menos danosas a parcela tão significativa da sociedade! Não acredito! Assim como não me convencem os que acham que está tudo bem, mesmo que as UTIs estejam superlotadas, tampouco me convence esse Brasil alto-falante, que fala quase sozinho, hegemonicamente, dizendo sempre a mesma coisa. E deixando mudo - mudo! - o outro Brasil

         Não, não está tudo bem. E novamente não. A solução não pode ser, necessária e exclusivamente, essa que aumenta a miséria de dezenas de  milhões. Ouçam menos a si mesmos, senhores. Ouçam menos a quem só fala.

*Publicado originalmente em Conservadores e Liberais, o site de Puggina.org

 

Percival Puggina (76), membro da Academia Rio-Grandense de Letras e Cidadão de Porto Alegre, é arquiteto, empresário, escritor e titular do site Conservadores e Liberais (Puggina.org); colunista de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A Tomada do Brasil pelos maus brasileiros. Membro da ADCE. Integrante do grupo Pensar+.

 


Cláudio Silva -   01/03/2021 10:13:34

Isso acontece desde a eleição do Bolsonaro, o que a esquerda festiva não entendeu, e colocou culpa nas redes sociais, será que esses especialistas ainda não entenderam o que aconteceu!

EDISON BECKER FILHO -   01/03/2021 08:34:05

Infelizmente não conseguimos escutar o motivo do silêncio da maioria. Triste realidade de um mundo que ensurdece alguns para que possam emitir sons que não trazem conforto e bem estar a todos. E isto não é a questão de socializar, vai muito além dos padrões de vida atuais.

Sandro Marcelo -   28/02/2021 16:11:03

Lockdown, como já foi provado anteriormente, tem eficácia duvidosa, não tem embasamento científico, mas provou que traz mais malefícios que benefícios, porem nossos governantes não conseguiram, por razões obscuras e incompreensíveis entender isso.

Vicente de Paulo -   28/02/2021 15:32:10

E a grande responsável por haver uma parcela tão grande de pessoas que não falam neste Brasil é a péssima educação implementada de propósito por décadas neste país.

Menelau Santos -   28/02/2021 13:35:48

O Professor Puggina sempre observando o que raramente se observa. Nossa classe falante fala do que desconhece. É o famoso: pimenta no olho alheio é refresco. É fácil mandar parar tudo quando se tem uma gorda remuneração vinda das tetas estatais.

Valmir Humenhuk -   28/02/2021 12:26:01

Persival, desde o começo o Presidente fala para dar atenção a pandemia e o trabalho, mas o que a maioria dos Governadores e o Judiciário só pensam em como se manter no poder e as gordas remunerações, nã pensam no Povo: BOLSONARO PENSA.

FERNANDO A O PRIETO -   28/02/2021 05:37:32

Parabéns. Que esses senhores, nossos auto-proclamados "orientadores e conselheiros" (governadores, juízes, secretários de saúde...) tenham vergonha, falem menos e trabalhem mais (por exemplo, NÃO desmontando hospitais de campnha e organizando (isto é, aumentando e não diminuindo...) os transportes coletivos!

Jose Maria de Lima -   27/02/2021 14:24:32

Sempre assisto seus vídeos muito bom parabéns