Puggina.org by Percival PugginaConservadores e Liberais

FIZEMOS POR MERECER

por Geraldo Samor, Brazil Journal. Artigo publicado em


 O dólar a R$4 e outras 'calamidades'

É desagradável ter que dizer — e para muitos de nós será difícil aceitar — mas merecemos esse dólar a R$ 4 e tudo o que ainda está por vir.

Merecemos os preços convulsionados que estão aí, a dúvida sobre o amanhã, as telas vermelhas mostrando que nossas casas, empresas e salários valem menos.

Enquanto o mundo trabalha para ganhar competitividade, insistimos em manter a eletricidade estatal. Enquanto o mundo avança no carro elétrico, batemos o pé no 'petróleo é nosso'. E, mesmo quando acertamos, conseguimos botar tudo a perder: inventamos o etanol como um substituto em larga escala para a gasolina, mas destruímos nossa invenção e, em pleno 2018, fazemos coisas pornográficas por um diesel mais barato.

Merecemos a pobreza relativa face o resto do mundo. Somos uma colcha de conveniências setoriais travestida de projeto de País. Somos a pátria em que todos têm que ganhar sempre, e por isso estamos destinados sempre a perder.

Agora mesmo, tergiversamos na reforma da Previdência, mesmo que o envelhecimento do País e o Estado quebrado sejam realidades objetivas, não uma questão de opinião. E, como somos incorrigíveis, mesmo se tivéssemos passado a reforma, ela teria sido meia-boca, meia bomba, chutando a latinha para a próxima esquina.

Ninguém no Brasil quer pagar o preço — então todos pagaremos juntos, da forma mais democrática possível: empobrecendo em dólar, sofrendo de inflação alta ou de juro alto (Deus nos livre, quem sabe as duas coisas).

Michel Temer merece o dólar a R$ 4. Enquanto Presidente, fez muito para avançar uma agenda mínima de reformas, mas suas limitações pessoais e bagagem histórica fizeram dele um homem insuficiente para uma travessia delicada. Desde o primeiro instante, o Presidente precisava de uma dose cavalar de humildade, abrindo mão de qualquer crédito pessoal para avançar o interesse do País. Os fatos mostram que era pedir demais.

Rodrigo Maia e o Congresso Nacional merecem o dólar a R$4. Jovem, ambicioso e poderoso, o Presidente da Câmara ajuda "no que pode", mas tinha que trabalhar em dobro. Será que não há na Câmara projetos que facilitem a vida do empreendedor? Que simplificam a burocracia no Brasil? Que atraiam mais capital externo para conter o dólar? Onde está o sentido de urgência? Ou Rodrigo Maia lidera o baixo clero, ou... Poder para quê?
Muitos empresários merecem o dólar a R$4. Muitos vivem em Brasilia pedindo uma isenção aqui, um exceção ali, uma proteçãozinha acolá. O Brasil tem uma lista de subsídios que rivaliza com a Bíblia — não na santidade, mas no número de páginas.

E todos nós, o povo brasileiro, merecemos. É verdade que ainda não votamos, mas tudo indica que estamos prestes a eleger um de dois candidatos extremos, unidos (ironicamente) por uma crença comum: que a vida econômica tem que ser organizada pelo Estado, que a Petrobras é 'estratégica', que precisamos de DOIS bancos estatais gigantescos... enfim, todas aquelas ideias que sempre sabotaram o povo brasileiro, mas ideias que o povo brasileiro insiste em eleger.

Em momentos de crise como agora, as pessoas que dizem não entender de economia falam em 'especuladores' e compram teses conspiratórias.

Mas para achar os verdadeiros culpados, basta um espelho. Quem faz o preço do dólar e dos juros é quem tem capital. O mercado é nada mais que a soma de pequenos poupadores, grandes investidores e gente que trabalha para ambos. Entre aplicar o dinheiro a 6% ao ano e ficar nesta bagunça chamada Brasil ou receber 3% e ficar numa moeda forte, o capital cada vez mais vai dizer 'bye bye Brazil.' Nada pessoal. Eles fazem apenas o que todos fazemos o tempo todo enquanto País: cada um olha o seu próprio interesse.

Num evento recente, o economista Marcos Libsoa descreveu com a simplicidade necessária a dinâmica da greve dos caminhoneiros — o verdadeiro estopim de tudo o que aconteceu esta semana, e que ainda vai render muita dor de cabeça.

Segundo Lisboa, os caminhoneiros disseram: "Olha, o diesel subiu, mas eu não quero pagar essa conta não. Você paga pra mim?"

Agora, quando o dólar a R$ 4 fará subir mais ainda o preço do petróleo e de tudo que é importado, todos pagaremos a conta: quem bebe cerveja e quem come pãozinho, quem usa transporte público e quem queria comprar um pacote pra conhecer o mundo.

Já o caminhoneiro terá seu preço garantido por todos nós. Por quê? Porque aí é Brasil, mermão!

As coisas só começarão a melhorar quando nos dermos ao respeito, reformando nossas instituições e cuidando de nossa economia como cuidamos de nossos filhos. Aí sim poderemos merecer um dólar a R$ 2, e o mercado vai concordar.
 

* Publicado originalmente no Brazil Journal. Vale a pena conhecer, aqui.

 

COMENTO
Minha única discordância em relação ao texto acima é esta: nós pagamos tudo, sempre. Pagamos o subsídio que está sendo concedido ao diesel; pagamos o frete tenha ele o preço que tiver; pagamos o dólar alto; pagamos a inflação e pagamos o desemprego e o seguro desemprego  consequentes a uma economia que não cresce.

 

Compartilhar

Artigos