Percival Puggina

 

A covid-19 pode matar e mata. No mundo todo estão diagnosticados 98 milhões de casos e registrados 2,09 milhões de óbitos. Anteontem, 20 de janeiro, com 1009 mortos pela covid-19 por milhão de habitantes, o Brasil ocupava o 24º lugar na lista de quase 200 países. Era o 47º na lista que relaciona o número de mortos com o de pacientes diagnosticados (2,5%).

No entanto, todo o noticiário cotidiano sobre o assunto tem por objetivo culpar o governo federal e pessoalmente o presidente da República pelas mortes causadas por uma doença que mata no mundo inteiro. Palavras como genocídio e genocida são diariamente proferidas nos meios de comunicação e passaram a integrar o vocabulário político da esquerda mundial, disciplinadamente aplicada a nosso país e ao seu governo.

O único objetivo desta minha nota é demonstrar o quanto de malícia, de politicagem, de interesses individuais e empresariais está presente nessas matérias desmentidas pela objetividade dos números.

Tendo em conta que o Brasil é o 6º país mais populoso do mundo e que tantos outros enfrentam problemas ainda maiores, apresentando resultados piores, por que – diabos! – só no Brasil e nos EUA se ouve falar em responsabilizações individuais de seus governantes? Cabe alguma dúvida quanto à origem político-ideológica dessas exceções?

Nada se lê no Brasil sobre acusações frontais a Alexander de Croo (1º ministro belga), com o segundo pior índice de fatalidade da doença; de  Andrej Babis (1º ministro tcheco), com o quarto pior índice; de Boris Johnson (1º ministro do Reino Unido), com o 5º pior índice; de Giuseppe Conte (1º ministro italiano), com o sexto pior índice; nem do espanhol  Pedro Sánchez, nem do  “simpático” presidente francês Emmanuel Macron ou de seu primeiro ministro Jean Castex. Todos dirigindo países com desempenho e resultados inferiores aos do Brasil.

 

Nota: todos os dados aqui mencionados foram extraídos de https://en.wikipedia.org/wiki/COVID-19_pandemic_death_rates_by_country

  • Percival Puggina
  • 22 Janeiro 2021

Percival Puggina

Na véspera do Natal, matéria do UOL destacou: “Brasil tem mais mortes por covid em uma semana do que 63 países juntos na pandemia inteira”. Sim, e daí? Que países são esses? Qual sua população? Qual sua interação com o resto do mundo? Um rápido passeio pelo Google buscando informações sobre covid-19 divulgadas em nossa imprensa evidencia que os números são selecionados a dedo para criar uma sensação de que o Brasil enfrenta a covid-19 de um modo desastrado com resultados incomparavelmente trágicos.

Não seriam reprováveis, nem a ênfase, nem o tempo dedicado ao assunto, se o objetivo fosse suscitar na população um justificado zelo pela saúde e a adoção de medidas preventivas. Mas não. As redações militantes, os apresentadores opinativos e o recrutamento dos “peritos” têm por objetivo permanente (e não me digam que é apenas colateral) imputar responsabilidade ao presidente da República (exatamente aquele a quem o STF atribuiu apenas responsabilidade supletiva). Longas e repetitivas conversas são entretidas diante das câmeras para transmitir a ideia de que o presidente é o causador da mortandade. Não raro isso é dito com todas as letras e apontado como motivo para impeachment (aquele instrumento constitucional que antes era golpista).

O mesmo jornalismo que faz isso há quase um ano usando os óbitos da covid, em agosto de 2019 valeu-se do piche que começava a chegar no litoral do Nordeste para acusar o governo pela “falta de medidas preventivas e de proteção”. Como se fosse possível prever e prevenir a conduta criminosa de um petroleiro clandestino, muitos dias antes, a 100 km da nossa costa! Foram semanas com imagens desoladoras nas telas e depoimentos convenientemente pinçados a cada tartaruga envolta em gosma negra que aparecia diante das câmeras.  Malgrado o empenho da Marinha, do Ibama e o necessário apoio de milhares de voluntários, o responsável pela extensão do desastre era o presidente. Tinha que ser. Era politicamente necessário dizer isso. A banca canta o jogo e joga assim.

O que não se diz sobre o enfrentamento à covid-19, porque aí diminui a “culpa” do presidente, é que algo entre 17 e 21 outros países têm mais óbitos do que o Brasil por milhão de habitantes.  O vírus tem causado mais óbitos do que aqui em economias desenvolvidas, sociedades culturalmente avançadas e com fácil acesso a recursos tecnológicos e meios de ação, como Bélgica, Itália, Reino Unido, França, Estados Unidos. No entanto, afora os Estados Unidos e Brasil, não se diz que os culpados são seus governantes. Só brasileiros e norte-americanos morrem por culpa de seus presidentes... Arre!

Se é verdade que ambos, por vezes, e por temperamento, falam e agem antes de pensar, também é certo que parte significativa da grande imprensa só fala e canta o jogo pensado por sua banca.

  • Percival Puggina
  • 17 Janeiro 2021

 

Percival Puggina

 

Leio no Diário do Poder

A estratégia do marqueteiro João Doria não resistiu aos números finais da eficácia da Coronavac, 50,3%, um sopro acima do mínimo exigido e a anos-luz dos 98% alardeados pelo próprio governador de São Paulo em setembro.

O resultado final foi visto como real motivo para os inúmeros adiamentos no anúncio da taxa e para a demora no envio de dados dos estudos clínicos solicitados pela Anvisa para conceder uso emergencial. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Há dias, os 78% já haviam sido considerados um fracasso e Dória sequer deu entrevista, outrora tão frequentes, em seu show do meio-dia.

Ao enfrentar a realidade de apenas 50% de eficácia, restou ao governo de SP a incrível boa vontade dos jornalistas para justificarem o fiasco.

Questionado sobre se manteria a compra de 100 milhões de doses do imunizante, o Ministério da Saúde optou por não responder.

COMENTO

A demora dos chineses e do Butantã em fornecer os dados de eficácia de sua vacina dispara vaias e aplausos.
Vaias à qualidade da vacina e a milimétrica distância que a separa daquela condição de “sem comprovação científica sobre sua utilidade” tão usada em relação a alguns protocolos de tratamento precoce. Aplausos à Anvisa, que conquistou ainda maior credibilidade por  manter seus padrões técnicos longe das cornetas da mídia militante.

Claro que uma vacina com 50% de eficácia é melhor do que o “toma uma aspirina, vai para casa e espera a falta de ar”, mas convenhamos que não vale 1% do marketing investido por João Dória que pensou chegar à presidência tomando injeção.  

  • Percival Puggina
  • 13 Janeiro 2021

 

Percival Puggina

Aos 75 anos, Lula voltou a Cuba. Desta feita, em lua de mel e para participar de documentário produzido pelo diretor Oliver Stone. Assim, sem nenhum adendo, a viagem foi levada ao conhecimento da opinião pública. Portanto, segundo o noticiado, Lula não foi abraçar nem reafirmar seus votos – estes, sim, eternos e promissores – à revolução e seus líderes. Por outro lado, conforme sugere um leitor, não terá ele ido Cuba fazer política, usando a entrevista para esse fim, sendo a lua de mel mero efeito colateral?

         É incrível que nenhuma grande empresa de comunicação, brasileira ou norte-americana, tenha manifestado curiosidade e tomado a iniciativa de enviar um correspondente para cobrir eventuais atividades políticas de Lula em Cuba. Nem mesmo o nome do hotel onde está hospedado chegou ao conhecimento do público brasileiro, não por acaso, pagador parcial ou total dos requintados passadio e albergaria.

         As últimas notícias sobre a viagem de Lula, sem qualquer acréscimo ou supressão, são idênticas às de duas semanas passadas e as mesmas do período anterior à viagem.

                  Diante de tamanho vazio, meu leitor pergunta, não sem razão: “Sendo Lula, juntamente com Fidel Castro, criador do Foro de São Paulo, é descabido supor que a viagem e a ausência da mídia internacional seja oportunidade para confabulações da esquerda revolucionária nele congregada? Não estarão em Havana, coincidentemente, nestes mesmos dias, algumas canetas robustas da Nova Ordem Mundial?”.

         Não é impróprio perguntar, então, se tal silêncio não é, por si só, uma notícia importante.

  • Percival Puggina
  • 07 Janeiro 2021

 

 

O ministro Luiz Fux é o presidente do Supremo, aquele tribunal onde todos são “supremos”. Imagine o grau de “supremacia” que representa presidi-la. 

Quando li que o STF havia solicitado reserva de sete mil doses de vacinas para atender os tribunais superiores, fiquei aguardando as reações, mais ou menos como quem vê o clarão e fica esperando o trovão. E o trovão veio, com o justo clamor do povo. O ministro tentou justificar a solicitação recusada pela Anvisa (meu apreço por essa agência aumenta a cada dia) alegando a importância dos serviços prestados e haver muitos servidores cuja “maturidade” representava riscos adicionais, blá, blá, blá. Entendi, realmente assim. Conversa fiada para explicar o inexplicável.

Naquela situação, a Anvisa demonstrou mais senso de justiça que o STF. E isso não me surpreendeu. Se a conduta do tribunal e a justificativa me desagradaram, mais ainda me desagradou a sequência dos acontecimentos, quando soube que o presidente do STF havia exonerado de suas funções o médico autor da solicitação original assinada e expedida pelo Diretor-Geral do STF. Ao explicar o ato, o ministro deu por esquecido o que dissera antes e afirmou que o pedido feito à Anvisa era uma “falta de noção”.

Aí me lembrei do meu cinto. Eu tenho um cinto que ganhei do meu neto. Tanto pode ser azul ou marrom, conforme se gire a fivela.

  • Percival Puggina
  • 01 Janeiro 2021

 

 

Li em O Globo (23/12)

BRASÍIA - O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, defendeu o pedido feito pela Corte à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para reservar 7 mil doses da vacina contra a Covid-19. A reserva de vacinas não está prevista no plano nacional de imunização (PNI) contra a doença divulgada pelo Ministério da Saúde na semana passada. Mas, segundo Fux, o pedido feito pelo STF seria atendido apenas dentro das possibilidades e depois da imunização dos grupos prioritários.

O ofício do STF foi enviado no dia 30 de novembro e é assinado pelo diretor-geral do STF, Edmundo Veras dos Santos Filho. O documento não pede que as vacinas sejam encaminhadas de forma antecipada ao STF e ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que também é presidido por Fux. Mas, se a reserva fosse acatada, isso poderia permitir que pessoas que não estão nos grupos considerados prioritários segundo o Ministério da Saúde teriam acesso à vacina antes do restante da população em geral. O Superior Tribunal  de Justiça (STJ) também fez um pedido semelhante. A Fiocruz já negou ambas as solicitações e informou que a produção é destinada "integralmente" ao Ministério da Saúde.

COMENTO

            Isso é o Supremo, sendo o mesmo, “se achando” e crendo que até a saúde da Corte deve ser prioridade nacional. No pedido da reserva de 7 mil doses da vacina, o Diretor Geral do Tribunal, explica que com o STF assumindo essa vacinação de seu pessoal, o sistema público de saúde seria aliviado dessa responsabilidade, preservando-se o sistema público para cuidar  inteiramente do restante da população. E acrescenta haver na instituição pessoas que compõem os grupos de risco. Desnecessário lembrar que nenhum dos ministros tem 75 anos (aposentam-se ao completar essa idade) e não integram, portanto, a ordem de prioridades determinada pelo Ministério da Saúde...

Que coisa horrorosa! Isso é um selfie do STF enviado à nação e agora exigindo do presidente Fux malabarismos retóricos para explicar porque a foto saiu tão ruim.

            Parabéns à Fiocruz – aplausos de pé, por favor! – que teve a inusitada bravura de dizer – Não! – ao Supremo Tribunal Federal, informando-o de que as vacinas seriam entregues integralmente ao Ministério da Saúde.  A Fundação Oswaldo Cruz completou, em maio, 120 anos de inestimáveis serviços à saúde da população brasileira.

  • Percival Puggina, com conteúdo O Globo
  • 26 Dezembro 2020