• Guilherme Baumhardt
  • 12 Outubro 2022

 

Guilherme Baumhardt

         “Eles têm que saber que a morte de um combatente não para a revolução. Eles têm que saber que nós vamos fazer, definitivamente, uma regulação dos meios de comunicação, para que o povo não seja vítima das mentiras todo santo dia. E eles têm que saber que vocês, quem sabe, são até mais inteligentes do que eu. E poderão queimar os pneus que vocês tanto queimam, fazer as passeatas, fazer as ocupações, no campo e na cidade.” As frases acima, ditas alguns dias atrás, do alto de um caminhão de som, foram pronunciadas pelo sujeito que promete pacificar o país, pelo sujeito que fala em salvar e defender a democracia, que diz combater o “genocida”. Senhoras e senhores, este é Luiz Inácio Lula da Silva, em estado puro, sem travas. É o que ele pensa, é o que ele defende.

O Lula versão 2022 não está amarrado à Carta ao Povo Brasileiro, como estava em 2002. Na época, havia alguns compromissos: respeitar o Plano Real, a estabilidade da moeda, as metas de inflação, o superávit primário. A contragosto, Lula viu que era o único caminho para vencer a eleição. E venceu. O cenário, também, era outro. Os tucanos sucumbiram (ah, que novidade!) ao discurso surrado contra o neoliberalismo. “Venderam nossas riquezas”, diziam os petistas, em referência à privatização de meia dúzia de empresas durante o governo FHC. O brasileiro deixou de ser refém de companhias públicas, passou a ter telefone (celular, inclusive), sem precisar comprar ações de sucatas do Estado. E os tucanos ficaram com vergonha. Hoje, quando vemos FHC ao lado de Lula, fica fácil entender o porquê.

O Lula versão 2022 fala abertamente em revolução. Fala abertamente em queimar pneus. Fala abertamente em regular a mídia – leia-se censura. É o Lula que, anos atrás, ameaçou acionar o exército do Stédile (os bandoleiros do MST). É o sujeito que tempos atrás tentou implantar no país um conselho com o poder de cassar diploma de jornalista, com base no “crime de opinião”.

Se você ainda não acredita que isso pode acontecer, o que está faltando para perceber que propriedade privada será um detalhe? Não interessa o tamanho. Dos grandes aos pequenos. Será um detalhe. A estabilidade da moeda é o que dá segurança especialmente aos mais pobres. É o que permite que o crédito encontre a previsibilidade, conferindo segurança a quem contrata e a quem empresta o dinheiro.

Não estou falando da compra de um carro importado ou de uma cobertura. Estou falando de uma máquina de costura, de uma carrocinha de cachorro-quente ou de uma geladeira, o início de muita gente. Refiro-me à reforma de uma casa ou até mesmo à compra de uma moradia. Onde foi parar a estabilidade na Argentina, dos amigos de Lula? Foi embora. Ninguém sabe, ninguém viu. Os sinais estão postos. Lula até agora não apresentou seu plano de governo. Não disse quem será o titular do Ministério da Economia/Fazenda. E precisa? O modelo é o argentino, o venezuelano, aquele que assumiu recentemente o Chile.

Esta não é apenas uma eleição de direita versus esquerda. É uma disputa entre a sua liberdade e o que ainda existe de país por estas bandas, versus a barbárie e a balbúrdia. Liberdade de viver, de se expressar, de empreender. Liberdade religiosa, de conquistar algo que será seu, por mérito e esforço próprios. É o momento de tomar uma decisão. Você pretende deixar algo para seus filhos e netos? Ou vai iniciar a contagem regressiva para fugir daqui? E, se isso não for possível, prepare-se para comer o pão que o diabo amassou. Ou, quem sabe, comer o seu gato e depois o cachorro. Aliás, já identificou onde fica a picanha no Totó?

 

*         O autor é jornalista

**        Artigo publicado originalmente no Correio do Povo transcrito por necessidade cívica.

Continue lendo
  • Gilberto Simões Pires, em Ponto Crítico
  • 11 Outubro 2022

Gilberto Simões Pires

ANTES DE TUDO

Antes de tudo, como liberal convicto e não de ocasião, por mais que discorde de opiniões divergentes das minhas entendo que o LIVRE PENSAR e se MANIFESTAR é DIREITO PÉTREO de todos os cidadãos. Aliás, vale registrar que só os LIBERAIS convictos consideram este direito como realmente PÉTREO. Mais: só a argumentação e o esclarecimento são capazes de promover e escancarar o quanto a JUSTIÇA e o DESENVOLVIMENTO são dependentes da efetiva LIBERDADE. 

CONDUTA FRANCA, VERDADEIRA E LEAL

 

Pois, como LIBERAL AUTÊNTICO aprecio indiscriminadamente a SINCERIDADE, que nada mais é do que o TRAÇO DE CARÁTER ou da PERSONALIDADE de um indivíduo. Trata-se, enfim, de uma virtude que se traduz em -CONDUTA FRANCA, VERDADEIRA E LEAL-, ou seja, tudo aquilo que vejo, com absoluta nitidez, através dos repetidos posicionamentos do presidente JAIR BOLSONARO. A propósito, -FRANQUEZA e SINCERIDADE- é tudo que não combina com a CULTURA DOUTRINÁRIA do -POLITICAMENTE CORRETO-, que se caracteriza pela FALSIDADE.

FALTA DE POLIMENTO

 

Pois, com base nestes importantes esclarecimentos faço questão de afirmar, com todas as letras, que o que mais me agrada no presidente JAIR BOLSONARO são os posicionamentos sempre muito francos, sinceros e muitas vezes desprovidos de POLIMENTO, no trato de várias questões onde os palavrões são ditos e repetidos como forma de manifestação de sua INDIGNAÇÃO. Esta forma, sempre muito direta, autêntica e sincera, que muita gente considera como -GROSSEIRA-, na real só obtém REPROVAÇÃO por parte daqueles que estão comprometidos com o comportamento -POLITICAMENTE CORRETO-.

REPROVAÇÃO

 

A rigor, mais do que evidente, o índice de REPROVAÇÃO do presidente tem dois grandes motivos: 1- a crença dos eleitores que se deixam levar pelas narrativas da grande mídia; e, 2- a doutrina produzida pela efetiva adesão ao comportamento -POLITICAMENTE CORRETO-. Envolvidos por estas duas forças, este enorme percentual de eleitores não consegue enxergar as ótimas medidas que estão abrindo o caminho para o Brasil experimentar o PROGRESSO E O DESENVOLVIMENTO. Mais: quando ouço eleitores dizerem que só votam no presidente Bolsonaro porque o seu adversário é o LulaLadrão, aí vejo o quanto esta gente está presa às mentiras e desinformações sobre o governo Bolsonaro. 

SOU BOLSONARO 22

 

A propósito: se LulaLadrão não estivesse envolvido com corrupção, só pelo fato de ser declaradamente comunista e fiel apoiador de líderes da mesma laia já seria o bastante para que não houvesse mínima comparação com o presidente Jair Bolsonaro. Volto a frisar: o jeitão do presidente, do tipo que não é muito polido /ou não mede as palavras, é tudo o que me agrada neste oceano de falsidade, onde o cinismo transborda por todos os lados. De novo; o que o Brasil mais precisa é de alguém FRANCO, SINCERO E COM VONTADE DE COLOCAR O BRASIL NO BOM CAMINHO. Sou, sem senões, BOLSONARO 22! 

 

Continue lendo
  • Idico Luiz Pellegrinotti
  • 10 Outubro 2022

 

Idico Luiz Pellegrinotti

Povo da nossa grande Minas Gerais, terra de grandes heróis como "Joaquim José da Silva Xavier, também conhecido pelo apelido de "Tiradentes", consagrou-se por sua participação ativa na Inconfidência Mineira."

Agora, neste momento de extrema sensibilidade eleitoral, vocês elegeram para governá-los o honesto e competente Romeu Zema, salvando mais uma vez o Estado das mãos dos obscurantistas e do atraso.

Neste 2º turno das eleições voltem a se posicionar votando no nosso Presidente Jair Bolsonaro, salvando-o das mãos dos difamadores e da velha e mentirosa grande mídia. Não deixem que eles façam com Bolsonaro o que fizerem com o grande Tiradentes.

Neste momento, os brasileiros necessitam do povo mineiro que conheceu de perto a desatenção dada aos prefeitos pelo PT, pois esteve nas mãos do partido e sabe das intenções obscuras e devastadora da administração petista.

A Pátria brasileira nunca precisou tanto dos mineiros. Os que faltaram no primeiro turno, compareçam no segundo turno, os que por algum motivo votaram no candidato do PT, votem em Bolsonaro no dia 30/10/22, para conquistar para sempre a liberdade de todos.

Povo das Minas Gerais, sua terra que além de Tiradentes, deu Juscelino Kubitschek de Oliveira e Tancredo Neves como excelentes políticos da liberdade; o Grande Rei Pelé que encantou o mundo com sua arte e Santos Dumont que venceu a gravidade e voou.

Agora chegou o momento de fazer eclodir a valentia desse povo de grandes heróis, votando no Bolsonaro com a glória do dístico de sua bandeira: "Liberta Quae Sera Tamen" - Liberdade mesmo que tardia.

Os nomes dos quatro mineiros citados, realça com o Rei Pelé que veio do município mineiro denominado Três Corações.

Neste momento de sensibilidade política, os patriotas deste imenso Brasil pedem a junção de todos os corações mineiros para levar o Presidente Bolsonaro a dirigir nosso país rumo a felicidade de milhões de corações livres.

Não esmoreçam desse compromisso, O Brasil pede em nome dos mineiros heróis, a votação de todos ao nosso presidente Bolsonaro, que teve sua vida salva nesse chão abençoado por Deus.

Idico Luiz Pellegrinotti - amante da liberdade.

Continue lendo
  • Alex Pipkin, PhD
  • 10 Outubro 2022

 

Alex Pipin, PhD


Num mundo quimérico como os “progressistas” anseiam, eu gostaria de possuir o dom da oratória, para que fosse possível reunir outros assim, disseminar as ideias e as concepções progressistas de fato, aquelas que comprovadamente funcionam trazer a prosperidade para todos!

Em primeiro lugar, progressistas são aqueles que com visão liberal, ou seja, os que desejam um Estado necessário, tirando o protagonismo de políticos que regulam a vida das pessoas e dos mercados, querem arrancar esses das costas dos criadores de riqueza, permitindo que as próprias pessoas possam livremente buscar seus interesses individuais por meio de relacionamentos voluntários e colaborativos com outros.

No entanto, não tenho a presunção de que seria capaz de espraiar a benção.

É horripilante ver uma parte do país que quer a volta de um ladrão de corações, mentes e bolsos. Ao mesmo tempo, natural…

Eu nunca seria capaz de votar - abstendo-se do principal, a completa ruptura do código moral - num vigarista que maquiavelicamente quer o aumento do Estado e do intervencionismo estatal a fim de roubar e enganar o povaréu, tudo em nome da narrativa da justiça social.

Eu nunca seria capaz de votar num simulacro da bondade divina. A lógica que não tem lógica é dar mais dinheiro para os pobres, sob a rubrica da redistribuição, sem compreender que mais dinheiro nas mãos da sociedade, sem uma oferta com produção pujante, desenvolvida e inovadora, deixa de criar riqueza, valor e prosperidade, ocasionando mais inflação, juros altos e pobreza.

Eu nunca seria capaz de votar em um sujeito que se lambeu e corrompeu com o dinheiro público, e que agora quer acabar com o teto e a estabilidade fiscal, para voltar à farra com o dinheiro do contribuinte e ludibriar o povaréu com migalhas. Não se trata de desejar o aumento sadio dos investimentos públicos e de iniciativas para a inovação.

Além disso, como liberal, sou cético em relação aos “investimentos governamentais”, sendo de singela compreensão: vejam o investimento dos governos petistas no polo naval, analisem orçamento versus ocorrido em relação às obras do PAC - Paquiderme -, em que grande parte ficou - linda - no papel. São os tais investimentos do governo!

Eu nunca votaria num governo político e ideológico que quase sempre não tem alguma experiência técnica privada, e que, a exemplo dessa esfera, também tem como objetivo reduzir sua estrutura inútil e gastos correspondentes. A lógica, novamente, é não ter lógica e aumentar os gastos - inúteis - governamentais.

Eu nunca seria capaz de votar, similarmente, num governo que mente ao falar da poderosa alavanca educação e ensino. No tocante a educação, impera não a liberdade, mas a libertinagem, no ensino, por sua vez, não faltam recursos, qualquer cidadão com discernimento enxerga que o foco é míope, escasso nas disciplinas duras de português, matemática e ciências, e aos novos desafios que os estudantes encaram na economia digital. É urgente o foco em cursos profissionalizantes. As “elites progressistas” nacionais impedem a necessária transformação e, evidente, o país continuará sendo a vanguarda do atraso educacional.

Muito embora tudo isso, parte da população está hipnotizada. A narrativa é de que o Capitão é autoritário, autoritarismo esse, no entanto, desprovido de fatos. Na verdade, isso é desimportante, se não estiver no meu campo ideológico, “não quero nem saber”.

Portanto, essa parte da população, intelectualmente despreparada, socialmente insegura, está à espera do salvador da pátria.

Lamentável.

Eu nunca votaria num megalomaníaco autoritário, o “democrata” apoiador de ditaduras que deseja regular a mídia, mas nem é preciso…

Enfim, eu sempre irei apoiar os progressistas genuínos, defensores da liberdade e da ênfase no indivíduo, ao invés dos hipócritas do coletivismo.

Continue lendo
  • Adriano Alves-Marreiros
  • 06 Outubro 2022

 

Eye of the Tiger, Rocky!

Conselho de Apolo para Rocky!

 

Adriano Alves-Marreiros

Eye of the Tiger, Rocky!

Conselho de Apolo para Rocky!

Ainda podendo escrever, ao menos por enquanto, resolvi não correr riscos e decidi falar de cinema.  Ainda por cima, sobre um filme antigo, do início dos anos 80 que, assim, nada pode ter a ver com a atualidade.

Ainda lembro que queria muito ver Rocky III, mas já não estava em cartaz.  Naquele tempo, demorava muito pra sair na TV e sequer tínhamos videocassete, que só se popularizou depois. Estava no Encantado com meus primos e minha Mãe.  Meu Tio Antônio assinava o jornal e vi que estava passando no Cine Rio Sul.  Botei pilha geral e saímos, minha mãe, meus primos e eu, do subúrbio para o Shopping RIO SUL, em Botafogo.  Bem longe... Acho que pegamos o 249, depois o 456 e chegamos lá.  Depois de rodarmos muito, perguntamos ao segurança onde, afinal, ficava o Cinema.  “Que cinema?”. “O Cine Rio Sul?”.  Ele riu, pediu desculpas, disse que não era piada mas que “Vocês não vão acreditar, mas o Cine RIO SUL fica no Shopping da Gávea”.  Não havia ainda cinema do Shopping Rio Sul.  “Como assim?!”.  Não lembro se nesse dia ou no seguinte, fomos ao Shopping da Gávea e assistimos.  Ao menos lá, pudemos ver alguns artistas , era o shopping que eles mais frequentavam, se bem que... hoje nem eu sei se isso foi bom ou ruim...

Quando saiu Rocky IV, fomos logo na primeira semana para evitar confusões como aquela.  Que filme magnífico!  Como não quero tratar de política, não vou nem falar do discurso final em que Rocky acabava criticando a ditadura socialista soviética, em próprio solo russo, e dizendo que eles podiam mudar, como ele mudara em várias coisas.  Não!  Quero falar do momento mais fantástico de todos quando Drago começou a realmente perder a luta, pois fora vencido psicologicamente.

Rocky apanhava rounds e mais rounds de um boxeador que matara no ringue seu ex-rival e melhor amigo Apolo.  Todos os líderes socialistas presentes estavam felizes e sorridentes com o pretenso massacre. Mas Rocky ainda estava lá, de pé e pronto para prosseguir.  Mesmo tendo apanhado sem parar. Mesmo recebendo pancadas fortes o tempo todo, ele conseguia alguns momentos batendo e forte. Até que nos últimos rounds, pelo que me lembro, quando até a oprimida e censurada torcida russa virara a favor dele, ele acertou uma sequência de  socos no abdômen e na cara de Drago, fazendo-o sangrar.

Toca a sineta de intervalo.  Enquanto no corner o treinador de Rocky diz “Viu, você machucou ele!  Ele não é uma máquina, é humano!”; no outro lado, com cara assustada e olhos vidrados, Draco, abalado com a Força do Americano que tanto apanhara e estava de pé e batendo,  diz: “Ele não é humano!  Ele é como um bloco de ferro!”. 

Prestes a começar o round final, Rocky está perdendo por pontos, mas os sorrisos já não estão nos lábios dos líderes socialistas, eles estavam chocados – a torcida já mudara em definitivo e se tornara dele – e... Drago estava psicologicamente abalado por não conseguir derrotar o oponente que ele tanto subestimara...

O treinador diz ao Rocky: “Você não pode parar! Pra vencer, tem que nocauteá-lo. Tem que bater, bater, bater sem parar até não conseguir bater mais! É sua vida toda que está aí...” Toca a sineta e Drago já mostra temor e respeito por Rocky que apanha um pouco mais até que começa a bater e não para mais até nocautear Drago.  Com Drago tonto no chão, a contagem é um dos momentos mais tensos do filme... A torcida, que já era do Americano, sentiu que tinha que contar junto e o fez, até que... o juiz ergue o braço de Rocky! Ele vencera, contra tudo e contra todos!  Conquistando corações em plena União Soviética...

Pra quem acha agora, ou sempre achou que isso é mera ficção, que isso não é possível na realidade, pense um pouco, temos um exemplo claro, quase exato, real, próximo de nós, um Mito do boxe: Rocky Marciano, que apanhava 9,11, 14  rounds e nocauteava no último!

Que os Rockies, Marciano e Balboa, sempre nos sirvam de exemplo de vida e inspiração de resistência, persistência, de nunca desistir, de bater sem parar, de buscar o nocaute, de lutar até o fim, até a vitória em nome de Deus!

*       Adriano Alves-Marreiros, que sempre tenta não perder o Eye of the Tiger, é mestre em Direito, membro do Movimento Contra a Impunidade (MCI) e do Ministério Público Pró Sociedade (MP Pró Sociedade), autor de “2020 D.C., Esquerdistas Culposos e Outras Assombrações” e de “Hierarquia e Disciplina são Garantias Constitucionais”.

***        Crônica publicada originalmente no Portal Tribuna Diária, em https://www.tribunadiaria.com.br/noticia/1807/belo-horizonte/colunistas-do-tribuna/nunca-desistir-ate-a-vitoria-rocky-iv-um-lutador.html

Continue lendo
  • Stephen Kanitz, em Blog do Kanitz
  • 04 Outubro 2022

Stephen Kanitz

Nota do editor: Este texto de Stephen Kanitz, como verão, é bem oportuno para a ação política ao longo deste mês de outubro.

         Decidir emocionalmente é malvisto, especialmente pelos homens que supostamente tomam decisões usando mais a razão do que a emoção, considerado coisa de mulher.

Por outro lado, mulheres se queixam que somos racionais demais, e que demoramos para tomar uma decisão urgente.

Ambos estão certos, os dois sexos tomam decisões emocionais e racionais, e ambas válidas.

O que chamamos de “emocional” na realidade é o sistema que possuímos para tomarmos decisões rápidas.

O que chamamos de “racional” é o sistema cerebral que possuímos para tomarmos decisões mais a longo prazo.

Mulheres são “emocionais” simplesmente porque são elas que mais precisam tomar decisões rápidas.

E nas decisões rápidas:

1. Usamos nossas primeiras impressões.

2. Usamos somente o conhecimento que já conhecemos.

3. Usamos nossos preconceitos.

4. Usamos fórmulas simples.

5. Não raciocinamos.

6. Não medimos as consequências dos nossos atos.

Me assusta o número de mulheres e homens que vão votar usando somente as suas emoções “não gosto do jeito dele”.

Sem pesquisar, sem controlar seus preconceitos, sem medir as consequências dos seus atos.

(Eleger novamente a maior quadrilha de bandidos da história do Brasil, e achar que subitamente todos se tornaram puros e honestos não é nada racional.)

Perguntei a 40 amigos e amigas a dizerem “qual a primeira palavra que vem na cabeça depois de eu mencionar o nome de um candidato em particular.

As respostas foram “nojo”, “louco”, “cretino”, “psicopata”.

Quando peço que expliquem esses termos, fica claro que a maioria está respondendo usando o seu sistema emocional e não o racional.

As respostas do outro candidato foram “ladrão”, “ex-presidiário”, “corrupto”, neste caso usando o sistema razão.

*Extraído do Blog do Kanitz: https://blog.kanitz.com.br/devemos-votar-usando-a-razao-ou-a-emocao/

Continue lendo